Header Ads

Protestos, nova derrota e queda marcam entrada no Z4

Protesto direcionado ao presidente Alberto Maia (Foto: Facebook)
Quando falamos de Paysandu na Série B, a torcida ainda não consegue visualizar nada bom. Tanto é que demonstrou sua indignação levando variadas faixas para protestar durante o jogo. Ontem, numa nova tentativa de fazer a situação mudar, o alviazul recebeu o Náutico na Curuzu. E apesar do começo do jogo demonstrar que haveria mudanças positivas, nada melhorou.

O Papão precisou de um minuto e de uma falha de Júlio César para abrir o placar com Lucas, que aproveitou o rebote, após desvio de Domingues. O time mantinha a maior posse de bola e possuía um grande volume de jogo, entretanto, a falta de objetividade voltava a aparecer. Quem se aproveitou disso foi o Náutico, que aos vinte e cinco minutos empatou o jogo com Maylson, depois de um cruzamento de Matheus Muller. Aliás, o lateral-esquerdo do Timbu deu grande trabalho para Edson Ratinho, que não conseguia neutralizar as suas jogadas.

Muito se discute que o ingresso caro foi uma manobra para evitar protestos e reclamações (Foto: Facebook)
Na etapa final, o alvirrubro voltou a mil por hora. E com apenas nove segundos de jogo, virou o placar com Jefferson Nem, após Domingues dormir no lance. O Timbu continuou se aproveitando da lateral-direita fraca do Paysandu, botando Matheus Muller e Nem para dar trabalho. Até que aos vinte e três, Jefferson Nem recebeu na esquerda e no mano a mano com Edson Ratinho, deixou ele para trás com facilidade e bateu cruzado para fazer o golaço que sacramentou a vitória do time de Recife.

Faixas e mais faixas foram erguidas na Curuzu protestando pelos resultados apresentados, pelo preço alto do ingresso, criticando a Elenko Sports (grupo de empresários que agencia a carreira da maioria dos jogadores titulares do Paysandu), entre muitas outras.

Sobre ontem, podemos falar da irresponsabilidade de Capanema, que pegou dois cartões amarelos num mesmo lance por reclamação. Ou da falha terrível de Domingues no segundo gol. Pode também ser frisada a falta de competência do projeto de lateral, Edson Ratinho (Como um dia ele conseguiu jogar uma Série A?). E claro, da falta de objetividade do time e do Alexandro, o homem que não conhece a lei do impedimento. Mas tudo isso foi ofuscado pela informação que surgiu no final da partida que dizia que o técnico Dado estava sendo desligado do Paysandu.

Números de Dado no Paysandu: 87 jogos = 41V, 21E e 25D. 1 ano e 3 meses comandando o clube e dois títulos (Foto: Akira O.)
Na coletiva de imprensa, Dado Cavalcanti se despediu do comando do clube: “Hoje chegou ao fim o meu primeiro ciclo no Paysandu. Em respeito às pessoas que estão à frente do clube e com a humildade que eu tenho em enxergar além das perspectivas pessoais eu vejo por bem a minha saída”.

Em nome da torcida do Paysandu, te agradeço pelas conquistas, pela Copa Verde, pelo Parazão e pela vaga na Sul-americana do ano que vem. Não direi que não tens parcela de culpa em tudo isso que aconteceu na Série B. Mas digo que essa não será a solução para um clube que deixa empresários fazerem o que bem entendem nele. Digo que foste importante para a evolução de alguns atletas dentro do time e que deixaste teu legado. Infelizmente, junto contigo vai um pouco da esperança e fica o medo de ver a maioria desse elenco sendo escalado pela marionete da diretoria que provavelmente virá.

Quanto ao clube, essa postura não pode continuar. Um time que começou a competição falando em acesso, não poderia chegar à sétima rodada com apenas uma vitória, na zona de rebaixamento e sem perspectiva de melhora. No primeiro jogo em que saímos na frente, não vimos um time com capacidade de controlar o jogo e a vantagem. O Paysandu não só saiu derrotado pelo Náutico, mas também por si mesmo. É inevitável dizer que a briga agora é para sair das últimas posições e não sonhar com G4. Não há mais tempo para errar ou fazer experiências. Ou muda agora, ou vai ser tarde demais.

Próximo confronto: Neste sábado (11), o Paysandu enfrenta o Bragantino, no Estádio Nabi Abi Chedid, às 21h00.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.