Header Ads

Gramado não é desculpa

Nesta terça-feira (31), o Paysandu foi ao Navegantão para enfrentar o Independente num jogo válido pela segunda rodada do Campeonato Paraense. Ambos os times vinham de vitórias, o Papão havia vencido o Castanhal de 3x0 sobre seus domínios e o Galo Elétrico, fora de casa, aplicou um 3x2 em cima do Paragominas.

Antes mesmo de a bola rolar, os times já previa a dificuldade que seria o andamento da partida, já que o gramado do Estádio parecia impossibilitado de receber um jogo de futebol.
Foto: Divulgação
Quem começou comandando o jogo foram os donos da casa, que após um escanteio quase abriram o placar com Wellington Cabeça, mas Emerson fez a defesa e o juiz já havia paralisado a jogada por falta. Não demorou muito para o jogo esquentar e aos 12’, Monga entrou duro em Rodrigo Andrade e foi expulso.

O torcedor bicolor comemorou. Com um a mais, seria bem mais fácil ver os toques de bola sem objetividade penetrarem a defesa tricolor. Entretanto, não foi bem assim que as coisas aconteceram, o time permaneceu com dificuldades e mesmo mantendo a maior posse de bola, tentando pressionar, não conseguiu furar a zaga do Galo.

O Independente conseguiu chegar aos 35’, com Mocajuba, o mesmo fez uma boa jogada e arriscou o chute fora da área, mas Emerson apareceu para fazer a defesa. No lance seguinte, Ayrton escorregou no ataque e o Galo aproveitou para fazer uma jogada de contra-ataque, Magno entrou na área e caiu e a torcida tricolor reclamou de pênalti, num contato do atleta com o Lombardi.

No segundo tempo, a imaginação do torcedor era ver o técnico Marcelo Chamusca fazendo a leitura da partida e notando que aquele estilo de jogo não beneficiaria o clube visitante. Mas a única mudança para a segunda etapa foi a saída de Rodrigo Andrade para a entrada de Samuel (ex-atleta da Desportiva-PA), já o time permaneceu jogando igual.

Foto: Ronaldo Torres/Paysandu
A primeira chance dessa etapa também foi do mandante, que aos 17’ quase marcou com Magno, após a saída atrapalhada de Emerson da área, todavia Gilvan estava atento e conseguiu fazer o corte no meio do caminho. No lance seguinte, a zaga do alviazul não afastou e Wegno quase abriu o placar no Navegantão.

Até que aos 33’, Gilvan perdeu a bola no meio de campo e Magno partiu com velocidade para área, Lombardi derrubou o atacante tricolor e o juiz marcou o pênalti. O mesmo cobrou no canto direito e converteu, fazendo 1x0 para o Galo Elétrico em Tucuruí.

No final do jogo, o Paysandu tentou acordar e quase conseguiu empatar a partida após cruzamento de Ayrton, a bola passou por todo mundo e sobrou para Leandro Cearense, que perdeu a oportunidade de garantir um ponto para o Lobo.

Palavra da colunista: Apesar do estado em que se encontrava o gramado, não há motivos para este ser desculpa da derrota. Faltou inteligência, faltou leitura de jogo e faltou até vontade. O técnico Marcelo Chamusca não conseguiu ver o que qualquer pessoa conseguiria enxergar: Num gramado como este, a melhor opção era parar os toques para trás/lado e as tentativas de jogar pelo e incentivar a bola alçada e a penetração pelas laterais.

Poucos conseguiram sair de campo com uma atuação que não beirasse o “ruim”. Mas é preciso citar que nesta partida, vimos Leandro Carvalho com uma certa evolução, o jogador que já está mais do que acostumado a ser criticado pela torcida, merece elogios desta vez. Ele não ficou segurando a bola e até ajudou o Paysandu a melhorar em campo. Além dele, Bergson também foi um dos poucos que ainda conseguiu buscar jogo e não se escondeu.

Leandro Cearense e Lombardi disputaram o prêmio “Pior da Partida”. Um abusou dos erros e o outro errou quando não podia. O zagueiro bicolor, que fez o pênalti que deu a vitória ao clube mandante, quase cometeu o mesmo erro no primeiro tempo. Apesar de Magno ter cavado o pênalti e ter se jogado antes mesmo do toque do jogador, Lombardi arriscou tudo com sua atitude “juvenil” de dar um carrinho na área. A primeira vista, para muitos, o lance pareceu pênalti. Já o atacante do Papão ficou sumido a partida inteira foi o único a sair com o uniforme limpo e quando teve a oportunidade de nos ajudar, perdeu a melhor chance do clube no jogo.

Próximo jogo: Paysandu volta a jogar somente no dia 12/02 (domingo), às 16h00, contra o Clube do Remo, num jogo válido pela quarta rodada do Parazão, visto que a terceira rodada do Lobo foi adiada. O jogo ocorrerá no Mangueirão e o rival será o mandante do RexPa.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.