Header Ads

Paysandu e Santos-AP ficam no empate no primeiro jogo das semis

(Foto: Jorge Luís/ASCOM Paysandu)
Na noite deste sábado (15), o Paysandu foi ao Castelão para enfrentar o Santos-AP, na primeira partida da semifinal da Copa Verde. A partida não pôde ocorrer em Macapá, pois o Zerão não atende as exigências do regulamento da competição, que diz que os jogos da semifinal devem ocorrer em estádios com pelo menos 10 mil lugares. A mudança acabou beneficiando o time paraense, que em São Luís poderia levar mais torcedores. A torcida compareceu, porém viu um alviazul que não gostaria de ver.

No início do primeiro tempo, o Paysandu era quem dominava a partida, quem mais pressionava e quem mais tinha chance nos minutos iniciais. Aos 8’ Leandro Carvalho puxou contra-ataque e tentou o chute, a bola acabou desviando na zaga e sobrando para Sobralense, que também teve chute travado, na terceira oportunidade Alfredo foi quem desperdiçou. Logo depois, Alfredo recebeu a bola na entrada da área e quase encobriu o goleiro, mas o chute acabou indo para fora. E na primeira tentativa do Peixe, Rafinha roubou a bola de Rodrigo Andrade e arriscou de fora da área, abrindo o placar para o mandante.

A torcida perdeu a paciência e começou a vaiar o time sempre que ele estava no campo de defesa. O jogo que era comandado pelo time visitante, começou a ficar mais igualitário, com poucas chances reais. Até que aos 37’, Leandro Carvalho começou uma nova jogada, avançou pela esquerda, cortou para o meio e chutou de fora da área, empatando o jogo com uma bola no canto esquerdo de Axel, sem chances de defesa.

Para a segunda etapa apenas o Santos fez substituição, Bruno Lopes entrou no lugar de Denilson. O clube amapaense parecia o único interessado em mudar o rumo da partida e tentava comprovar isso arriscando mais que o time alviazul. Aos 8’ Balão Marabá chutou para o gol, entretanto Emerson estava atento e defendeu em dois tempos. No minuto seguinte, foi a vez de Fabinho tentar furar a defesa bicolor, ele recebeu na direita e veio em velocidade para cruzar rasteiro para a área, Perema cortou e impediu Luciano de completar a jogada.

Apesar de muitas tentativas santistas, há melhor em trinta minutos, saiu com o Diogo Oliveira cobrando falta com efeito aos 28’, quando a bola acabou indo na trave e saindo. Foi aí que o Paysandu voltou a pressionar o time mandante, três minutos após o lance, Wilkerson veio em velocidade pela esquerda, cruzou rasteiro na área e Leandro Carvalho chutou por cima do gol. Nos momentos finais, Diogo Oliveira recebeu a bola, girou no marcador e chutou, porém a bola acabou indo para fora. Aos 46’, Bergson foi derrubado por Diney na área, mas o juiz não deu nada e o jogo acabou empatado em 1x1.

Próxima partida: O Lobo joga novamente nesta terça-feira (18), na partida de volta da semifinal da Copa Verde, contra o Santos-AP, no Mangueirão. O jogo ocorre às 20h30, com ingressos a 30 (arquibancada) e 50 reais (cadeira).

Palavra da colunista: Mais uma vez vimos um Paysandu que não evolui, um time que vive de lampejos. Vimos nosso técnico dizer que o empate fora de casa é bom resultado, mesmo jogando num estádio onde a torcida alviazul era maioria. Vimos mais desculpas para uma atuação fraca e que poderia nos custar um campeonato. Também vimos às substituições que vemos todos os jogos. Vimos tudo àquilo que não queríamos ver.

Nesta partida, o primeiro questionamento surgiu antes mesmo do início do jogo. “Seria mesmo o ideal tirar Diogo Oliveira depois de uma atuação ruim, para colocar Daniel Sobralense que ainda não fez uma partida boa?” A resposta apareceu quando a bola rolou. Definitivamente essa foi só mais uma das escolhas ruins de Marcelo Chamusca. Outras perguntas rondaram a cabeça do torcedor durante o jogo. “Será que nosso técnico não consegue arriscar e tentar substituições que surpreendam o adversário?”; “Perema não merece a titularidade neste time?”; “Por que insistir em tirar o centroavante do time e improvisar Bergson como central, se nem o papel do ponta ele está conseguindo fazer?”.

Mas de todas as perguntas, a pior surgiu quase ao fim da partida, quando o narrador confirmou que Leandro Carvalho estaria suspenso no jogo de volta e a torcida se deu conta que perderia o jogador que mais participa das jogadas que resultam em gols. “Será que este time, que praticamente depende das jogadas criadas pelo atacante bicolor, consegue a classificação?”.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.