Header Ads

Paysandu vence na estreia da B e quebra jejum de 19 anos

Na noite deste sábado (13), o Paysandu estreou na Série B, diante do Oeste, na Curuzu. Focado na final da Copa Verde, que ocorre nesta terça-feira, o clube paraense poupou jogadores para este confronto e apostou nos recém-contratados. Apesar disso, o alviazul sabia que para um bom campeonato, não poderia perder pontos contra times "mais fáceis" dentro de casa. E foi com esse pensamento que conquistou os três pontos.

Logo que começou a partida, o torcedor pôde notar a falta de entrosamento no Lobo, que mesmo tentando criar, não conseguia encaixar bem as jogadas. Já no lado rubro-negro, o setor criativo do time não conseguia fazer nada. Com isso, o primeiro tempo ficou carente de boas jogadas e de lances perigosos.

Nos dois lances mais "perigosos" da etapa, a bola nem foi chutada ao gol. Na primeira, Garutti se antecipou e não deixou a bola chegar em Marcão. Na segunda, aos 31', após um cruzamento na área, Marcão não conseguiu chegar à bola e ela acabou passando por todo muito. Quatro minutos depois, um dos refletores da Curuzu se apagou e o jogo ficou paralisado por mais de vinte minutos. Quando o jogo voltou, as equipes permaneceram "acanhadas" e o primeiro tempo acabou em 0x0.

(Foto: Fernando Torres/ASCOM Paysandu)
A segunda etapa começou bem diferente. Em poucos minutos de jogo, dois lances animaram a partida. Num a torcida do Paysandu reclamou de pênalti e no outro, a do Oeste de um gol anulado. A primeira reclamação aconteceu após a queda de Welinton Júnior na área, onde não houve penalidade. No segundo lance, as reclamações estavam corretas, Robert estava na mesma linha da zaga alviazul e por isso, seu gol não estava impedido.

Com seis minutos de jogo, o Paysandu deu o primeiro passo para garantir os três pontos em casa. Dentro da área, Fernando Gabriel aproveitou sobra de bola e chutou, a bola desviou em Garutti e entrou no gol, abrindo o placar na Curuzu. Com o placar favorável, o Lobo acabou se fechando, o que acabou chamando o Rubrão para o jogo e fez com que o time da casa atacasse praticamente apenas em contra-ataques.

Aos 22' Mazinho arriscou chute de fora da área e quase empatou o jogo, porém Emerson saltou no canto direito e espalmou a bola. Passados dezoito minutos, nova polêmica no jogo, Alexandro cabeceou e empatou a partida, mas o juiz anulou o segundo gol do Oeste na partida, dessa vez, corretamente. A resposta do Papão foi imediata, Bergson entrou na área e Rodolfo derrubou o atacante, fazendo pênalti. Foi Bergson quem cobrou e quem ampliou a partida com a cobrança no canto direito. Aos 46' Hayner cruzou para Bergson, que chutou de primeira e quase fez o terceiro da partida, mas a bola foi para fora e a partida acabou 2x0.

O Papão encerrou um jejum de 19 anos sem vencer na estreia da Série B, a última vitória havia sido em cima do Joinville, por 2x0, em 1998.

Próximo confronto: O Paysandu volta a jogar nesta terça-feira (16), na grande final da Copa Verde, contra o Luverdense. A partida ocorre às 20h, no Mangueirão, com ingressos custando 30 reais a cadeira e 50 a arquibancada.

Palavra da colunista: Este foi mais um dos jogos onde o maior problema do Paysandu poderia ser ele mesmo, tendo em vistas os problemas de entrosamento que já eram possíveis se prever. O time conseguiu conquistar três pontos importantíssimos em casa contra uma equipe com bastantes erros. Teve uma atuação apagada no primeiro tempo, entretanto, teve uma melhora clara na segunda etapa. Jogando apenas um tempo bem, como tem acontecido em quase todos os jogos do ano.

Quanto aos recém-chegados que estrearam, pode-se dizer que Pery (lateral-esquerdo) teve uma boa atuação, foi seguro na defesa e acertou alguns cruzamentos. No ataque deve melhorar com o tempo e com confiança. Marcão (centroavante) teve alguns problemas com posicionamento, apareceu pouco porque a bola demorou a chegar, mas poderia ter aparecido bem melhor nas vezes em que a bola chegou. Pareceu sem ritmo.

Fernando Gabriel (meia), que estreou com um gol, teve uma atuação um tanto quanto discreta, criando pouco, o que pode ter relação com o entrosamento e poderá melhorar com o tempo. Já Welinton Júnior (atacante) atuou bem, apareceu diversas vezes no ataque e apesar dos impedimentos, falhou pouco, sendo bastante participativo. A evolução pode acontecer com o decorrer dos jogos.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.