Header Ads

E a história mudou...

Na noite deste sábado (24), o Paysandu enfrentou o Bragantino, na segunda partida da Semifinal do Parazão, na Curuzu. O Tubarão vinha embalado por ter vencido o Lobo por 2x0 na quarta-feira, que lhe garantiu a vantagem de poder perder por um gol de diferença e se classificar.
(Produzido no buildlineup.com)
Nesta partida Dado Cavalcanti resolveu ousar e surpreendeu ao tirar Matheus Muller do time titular, mudando o sistema tático para um 3-4-3, com Nando Carandina atuando com zagueiro/líbero e Moisés fazendo a ala esquerda. Além disso, o técnico bicolor promoveu a entrada de Walter, titular, pela primeira vez, entre os titulares.

O Paysandu começou o jogo pressionando, mas demostrava um certo nervosismo na hora de finalizar, isso ficou ainda mais claro quando aos 4’ a bola sobrou para Walter e, na grande área, ele mandou para fora. Quatro minutos depois, foi a vez de Cassiano ser travado na pequena área e perder a oportunidade de abrir o placar na Curuzu. Depois disso a partida começou a dar sinais que esfriaria, porém essa “sensação” não durou muito e aos 18’ o Braga assustou a torcida bicolor. Pecel arriscou de longe, com muita força e obrigou Marcão a se esticar todo para salvar o Papão.

O Paysandu continuou buscando reverter o placar do último confronto. Aos 20’ ficou perto de conseguir, quando Cassiano deixou dois marcadores para trás e acabou chutando para fora. No lance seguinte, Moisés avançou com velocidade e chutou colocado, entretanto Deco estava atento e fez grande defesa, evitando o primeiro gol da partida. Mas o Tubarão do Caeté estava empenhado em dificultar as coisas para o mandante e quase destruiu a expectativa dos bicolores, no momento em que a defesa do Papão se atrapalhou e Felipe Maracanã ficou de cara com Marcão, passou por ele e, sozinho, chutou para fora.
(Foto: Fernando Torres/ASCOM Paysandu)
O gol parecia que estava amadurecendo. As jogadas ficavam cada vez mais perigosas a medida que o tempo passava. A bola até chegou a entrar aos 32’, quando Danilo Pires aproveitou sobra e chutou forte, mas o juiz marcou uma falta de Edimar e invalidou o lance. Foi aí que a esperança do torcedor alviazul aumentou, a porteira estava aberta, só faltava entrar. Aos 42’, Moisés foi derrubado por Romário e o árbitro assinalou pênalti, Cassiano cobrou e abriu o placar na Curuzu. 6 minutos depois, Danilo Pires achou Walter dentro da área, o atacante chutou e a bola desviou em Diego Ivo, indo direto para o fundo da rede. Era o segundo gol bicolor. Tudo igual no agregado.

Na segunda etapa apenas o Bragantino resolveu promover mudanças no seu 11 inicial. Felipe Maracanã deu lugar a João Leonardo. O Paysandu, apesar de demonstrar uma falta de fôlego, não parou de insistir no gol. Aos 3’ perdeu a oportunidade de marcar. Maicon e Walter fizeram uma tabela e o atacante encontrou Mike livre na área, porém na hora de finalizar, o camisa 18 acabou escorregando e não conseguiu completar. Onze minutos depois, Walter cruzou na área, Cassiano desviou e Deco acabou tirando o perigo.

Aos 20’, as coisas pareciam que iam complicar para o mandante, quando Timbó colocou a mão na bola dentro da área e o juiz assinalou pênalti. João Leonardo acabou chutando fraco e o inspirado, Marcão, defendeu. O jogo ficou morno, sem muitas oportunidades, a classificação acabou mesmo tendo que ser decidida nos pênaltis.

Cassiano converteu o primeiro para a equipe bicolor e Keoma empatou para o Tubarão. Mike também não desperdiçou sua cobrança, mas Gabriel acabou parando em Marcão, causando uma explosão da torcida do Papão. Matheus Muller converteu e Serafim também. Até que Fábio Matos caminhou para a bola e parou em Deco. Estava tudo igual novamente. Paulo de Tarcio acabou perdendo e deixando nos pés de Walter a possibilidade da final. O camisa 19 acertou uma bomba e levou o torcedor a loucura. Estamos na final.

Após o gol, Walter foi comemorar perto de Artur Oliveira, técnico do Tubarão. O atacante provocou e começou uma pequena confusão no gramado, logo resolvida.
"Era muita cobrança em cima da gente, de que faltava raça, pegada. Esse é um jogo para não esquecer. A gente viu um DVD com a história desse clube, que é grande. Quando acabou o jogo de quarta, nós queríamos logo jogar novamente e dar esse presente ao treinador deles. O Paysandu é grande! O Bragantino não teve respeito, ganharam de 2 a 0 e pensavam que iriam fazer a festa. O treinador deles estava soltando piadinhas e, no final, mostramos como é uma sarrada no ar." disse Walter.
No vestiário, os atletas mandaram um recado para o técnico adversário que acabou falando demais (Foto: @Paysandu)

Melhor do jogo: Nando Carandina. Nem parece verdade, mas o volante bicolor precisou mudar de posição para fazer uma atuação de gala. De zagueiro/líbero, Nando não perdeu nenhuma, foi implacável.
Pior do jogo: Danilo Pires. Noite terrível do volante bicolor, que além de ter ido muito mal na marcação, demonstrava uma imensa dificuldade em fazer o jogo fluir.

Próximo jogo: Paysandu volta aos gramados nesta terça-feira (27), diante do Manaus, pelo primeiro jogo da semifinal da Copa Verde. A partida começa às 19h e será realizada na Curuzu.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.