Header Ads

Chovendo no molhado

Tche! É estranho isso. Domingo sem futebol, mas sem o vazio característico. Quem sabe, ano que vem, o churrasco será precedido de jogos contra Flamengo, Santos, Palmeiras, Atlético/MG, Corinthians ou qualquer outro grandão da Série A? Daí a pilha será de primeira. Taco a taco e exigirá muita luta.

Nem esta chuva marmota tira o meu humor porque estou a mil pelo Brasil. Aliás, isso é “chover no molhado” porque onde quer que eu ande sempre manifesto este meu torcer. O G. E. Brasil está barbarizando este ano. Trinta e nove pontos, onze vitórias, vinte e sete gols sendo doze marcados pelo goleador do campeonato, Felipe Garcia. Assim fica fácil ir para o estádio. Mas, em qualquer situação, sempre estou no Bento Freitas porque sou louco, fanático e sem vergonha de ser Xavante. O Riopardense que o diga, porque até “naquela hora” eu estava lá.

Nosso jogo foi na sexta-feira, às dezenove horas e quinze minutos. Horário de janta hospitalar, mas valeu pela grande vitória. A fera abatida foi o Goiás, em um dois a um magistral. Sem contar o espetáculo que o Pretinho deu entrando no gramado, querendo selar o atleta Juninho do time goiano. Com seus quinze minutos de fama, aquele cusquinho fez história. A notícia correu mundo e, além da internet, muitos jornais também registraram a faça do gaipeca.

Mas hoje tem futebol, dirão. Claro, eu sei, mas não é o Xavante em campo, então... Deixa para lá, melhor eu acolherar as letrinhas para ver no que dá.


Na tv, o filme “Gente Grande” quebra o silêncio aqui em casa, mas não estou nem aí. Ainda ouço a batucada da Garra Xavante. Que Xaranga! Que show! Marca o compasso da torcida e embala os jogadores em campo. Não raramente o adversário para encantado pela cadência do samba que rola solto na arquibancada. E ainda tem a Máfia em um contra ponto de dar inveja. É isto. Que felicidade é torcer no caldeirão do Estádio Bento Freitas. Brancos, negros, altos, baixos, gordos e magros torcem até o último minuto em um ritual próprio dos apaixonados pelo G. E. Brasil.


A tabela do campeonato aponta dois jogos consecutivos fora de casa. Tanto faz, após as vitórias conseguidas diante do CRB, Paraná e Bragantino posso sonhar com mais uma vitória longe da Baixada. A bola da vez é o Paysandu e depois será o Luverdense. Vai ser difícil como todos foram, mas para chegar a Série A tem que atropelar todo o mundo.

Ainda chove lá fora. E eu aqui, a espera do próximo jogo do Xavante. Até o dia nove de setembro só me resta contar as horas para mais essa apresentação. Enquanto isso, vou contando vitória. Graças ao Zimmermann e a esse Timaço que ele montou. Sei que é chover no molhado, mas não tem jeito é o Brasil rumo à Primeira Divisão do futebol nacional.


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.