Header Ads

Final inédita no futsal terá misto de favoritismo e evolução

(Foto: torcedores.com)
O Irã até fez jogo duro contra a Rússia, mas a seleção europeia, mesmo sem contar com o brilho dos brasileiros Eder Lima, Robinho e Romulo, venceu por 4 a 3 e está na final. O confronto foi uma partida inesquecível, marcada por um nível técnico altíssimo, belos gols e emoção até os últimos segundos. Com a classificação, a Rússia disputará o título da Copa do Mundo de Futsal no sábado, às 16h30 (horário de Brasília), no Coliseo el Pueblo, em Cali, contra a Argentina.

Os hermanos evoluíram muito, na competição, e foram precisos contra a seleção portuguesa. Abriram o placar com um golaço de Borruto e, entre os 12 e 10 minutos, fizeram três gols. Com isto, defenderam-se bem e, no restante da partida, marcaram o quito gol e liquidaram a fatura em 5 a 2.

As semifinais

Apesar da grande eficiência dos brasileiros na competição, eles não foram brilhantes no confronto da semifinal. A Rússia mostrou capacidade coletiva e, com gols de Lyskov, Abramov, Shayakmetov e Chishkala, conseguiu fazer o resultado. A partida foi memorável. Os dois goleiros, Samimi e Gustavo, trabalharam bastante. O goleiro brasileiro foi brilhante e, em várias oportunidades,ampediu o empate. O resultado da partida só foi definido a 11 segundos do fim. Isto, porque, faltando 42 segundos, Chiskhala fez o quarto dos russos, após roubar a bola na defesa, e, ao restarem 11 segundos, M.Javid selou a participação do Irã no mundial, fechando o placar em 4 a 3. Sobre a difícil partida, o técnico Iraniano, Sayed Nazemalsharieh, falou ao final da partida:
"Não é fácil dizer alguma coisa depois da derrota, mas eu estou realmente feliz, por termos proporcionado prazer aos espectadores. Nós sempre jogamos com o coração na mão e, assim, tentamos hoje. Parabéns à Rússia, por estar na final."

            Na outra semifinal, tanto a Argentina quanto Portugal adotaram a mesma estratégia: pressão na saída de bola e rotação rápida no passe. A Argentina foi superior à favorita seleção portuguesa, fez prevalecer a vontade e a eficiência em seu jogo coletivo, que evoluiu ao longo da competição e se tornou a sua marca. O craque Ricardinho, três vezes o melhor do mundo, não conseguiu ser “magico” como de costume, e, apesar da artilharia na competição, não conseguiu marcar, e viu a efefetividade de os argentinos, dentro de dois minutos, ampliarem a sua vantagem para três gols, elevando o placar para 4 a 1. 
(Foto: ESPN)
            Com isto, a seleção lusitana, que via tudo dar errado, ao parar na trave e no goleiro Sarmiento, desestabilizou-se ainda mais. Apesar da maior posse de bola, só conseguiu marcar o segundo e os hermanos, totalmente seguros, na defesa, fecharam o placar em 5 a 2, com Cuzzolino, para o delírio dos argentinos, que, pela primeira vez, na história, disputarão uma final. Sobre a partida, o goleiro argentino destacou:
"Não foi o nosso melhor jogo no torneio, mas fizemos o que tínhamos que fazer. A tática não funcionou bem, mas o coração levou-nos a vencer."
O técnico lusitano, Jorge Braz, justificou a atuação da equipe:

"Nós não fizemos a transição, como deveríamos, e, quando empatamos, pensei que tudo se acertaria. Perdemos muitas opções e tomamos três gols; e, quando você faz isto, é muito difícil vencer."
Adriano Batista || @Adriano1Batista

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.