Header Ads

Mais líder do que nunca

A 18° rodada da Ligue 1 era a mais decisiva de todo Campeonato até aqui. Isso porque no dia anterior aos jogos de Mônaco e Nice, o atual tetracampeão Paris Saint-Germain havia tropeçado fora de casa diante do Guingamp, assim possibilitando que os seus rivais diretos na luta pelo título desgarrassem. Os Monegascos recebiam o Lyon no principado, enquanto o Nice, também como mandante, enfrentava o Dijon, na Allianz Riviera.

Nice jogou para o gasto e manteve a liderança na Ligue 1. (Imagem: L'EQUIPE).
Novamente com alterações nos onze iniciais, Lucien Favre fez mudanças posicionais, principalmente no setor defensivo. Malang Sarr, com a volta de Maxime Le Marchand, retornou a lateral-esquerda, função da qual fazia na França Sub17. No meio-campo, Rémi Walter parece ter ganhado a posição que até então pertencia ao talentoso Vicent Koziello. Formatado no 4-3-3, com Belhanda e Pléa pelas pontas, Seri, Walter e Cyprien na faixa central do campo com Balotelli como pivô mais a frente.

O JOGO

A partida começou com o Nice tendo a posse e “agredindo” o Dijon, que reagia bem, compactava e a partir do erro do Nice tentava encaixar contra-ataques com as famigeradas bolas longas, visando  o bom atacante Diony. Chances são geradas a partir de falhas e falhas são criadas com marcação pressão: Tendo base nisso, o Nice chegou ao primeiro gol. Após Cyprien roubar a bola de Varrault, o meia passou para Pléa, que sofreu um pênalti inexistente, assinalado pelo juiz. Na cobrança, Mário Balotelli bateu firme e fez. Nice 1-0 Dijon.

O italiano foi o melhor em campo com nota de 8.62, segundo o WhoScored. (Bein Sports).
Nem deu tempo para os Aiglons comemorarem, dois minutos após abrir, em outro lance duvidoso, Souquet cometeu falta em Rufli, dentro da área. Depois de muita confusão, Tavares deslocou Cardinale e empatou a partida. Nice 1-1 Dijon. E o primeiro tempo se encerrou assim. Os mandantes pareciam sentir a pressão de serem líderes e necessitarem do resultado. Mesmo com todo apoio da torcida, que não parava de cantar em nenhum momento.

Menos possessivo e mais objetivo, o Nice voltou ao segundo tempo com postura de quem quer ser campeão. Pressionava e asfixiava o Dijon, que estava assustado. Explorando muito da liberdade de movimentação de Belhanda, que flutuava da ponta pelo meio e dos trabalhos de pivô de Balotelli, o Nice levava perigo e ao mesmo tempo corria contra o tempo. O time comandado por Lucien Favre chegou a picos de 75℅ de posse de bola e 90℅ de precisão no passe.

O volume de jogo finalmente se transformou em criatividade, e aos 62 minutos, em chute cruzado de Seri, Balotelli desviou (em condição irregular) e marcou para lavar a alma na Allianz Riviera. O polêmico atacante italiano, com os dois gols na partida de hoje, foi a oito gols na temporada. 2° artilheiro da equipe na Ligue 1, ficando atrás apenas de Alassane Pléa, principal jogador do time nessa primeira metade de campeonato.

Com a vantagem no placar, o Nice mudou sua postura. Compactava, esperava o Dijon e saía em velocidade nos contra-ataques. A importância de uma vitória naquela altura era gigantesca. O panorama da partida se manteve o mesmo: Nice esperando o Dijon, apostando nas bolas longas e sendo objetivo e reativo às situações do jogo. Fim de jogo, Nice 2-1 Dijon. Quando não vai na técnica, vai na marra.

ANÁLISE

O gigante da Costa Azul Francesa demonstrou um regresso organizacional defensivo. Atribuir isso a falhas individuais é um erro, pois o sistema defensivo em si vive mau momento. Mesmo com o retorno de Le Marchand, tanto Dante quanto Baysse mostram insegurança, deixando uma dúvida pontual no ar: Quem deve formar dupla com o jovem Malang Sarr? Sinceramente, vejo que o bom Olivier Boscagli poderia ser a solução para este problema.

Aposta de Puel na temporada passada, Le Marchand chegou do Le Havre e rapidamente assumiu protagonismo na equipe. (Imagem: L'EQUIPE).
Algumas especulações da mídia local apontam que os meias Valentin Eysseric e Vincent Koziello renovarão seus contratos com o Nice em janeiro. Segundo jornalistas do L’Equipe, esse é um dos motivos de Koziello não ser titular do atual líder do Campeonato Francês. Acredito que isso seja apenas boatos, Favre prega a meritocracia em seus elencos. Não é seu estilo “fritar” jovens, muito pelo contrário.

Com a derrota do Mônaco para o Lyon, por 3-1, o Nice abriu quatro pontos de vantagem sobre o time do Principado, além de manter os sete pontos em cima dos Parisienses. Rodada perfeita para os Aiglons. Líder da competição com 43 pontos, o Nice visitará o Bordeaux na próxima partida pelo campeonato nacional. Vale lembrar que o Bordeaux eliminou os comandados de Lucien Favre na Copa da Liga Francesa.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.