Header Ads

Enfim salvos, com ressalvas

Uberlândia, MG, 14 - A temporada sufocante do Crystal Palace é salva com uma rodada de antecedência.

A imagem do dia, Milivojevic um dos destaques da recuperação. Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.
Chega ao final para o Crystal Palace a temporada 2016/17 desta Premier League. Quem acompanhou a saga das Águias de Croydon, conferiu em textos anteriores que a expectativa acerca da participação do Palace na atual temporada era alta, no início da trajetória o que se imaginava para o Crystal era algo maior, quem sabe uma briga por vaga em competições europeias, superando o 15º lugar da temporada passada, algumas aquisições e uma tínhamos o palco para uma boa perspectiva para a competição.

Entretanto, que pese o relativo início exitoso, a temporada foi acumulando decepções em sequência, os resultados não acontecia, o comando foi trocado, uma legião de jogadores chegou com o campeonato em andamento, para uma tentativa desesperada de salvar o Palace que se afundava na zona de rebaixamento, sem muitas perspectivas de melhora.

Pois bem, toda essa batalha travada contra o rebaixamento, ganhou sobre vida na reta final. Com uma arrancada imprescindível, com vitórias sobre os ponteiros da competição, a recuperação iniciava a passos lentos e pesados. A zona de rebaixamento continuava sendo marcada de perto, no sul de Londres a situação se mantinha muito perigosa, o risco era eminente de uma catastrófica volta à 2ª divisão inglesa.

Zaha escolhido o melhor jogador da temporada do Palace. Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.
Neste domingo (14), as Águias enfrentariam a "decisão final" pela permanência, em Selhurst Park, que nesta temporada não funcionou como o caldeirão de outrora, não foi uma garantia de pontuação elevada. Croydon obrigatoriamente se tornaria um ambiente hostil ao Hull City, adversário direto na disputa contra o descenso, uma vitória livraria o Palace de qualquer perigo para a rodada definitiva, uma derrota traria aflição e desespero para os apaixonados do sul de Londres.

No primeiro turno em Hull, empate por 3-3, ali era o pior momento do Palace na competição. Na decisão de Selhurst Park, a história teria que ser diferente, o jogo trazia indícios de muita concentração, cautela e emoção, seria tudo ou nada.

O jogo se inicia e logo aos três minutos, toda aquela aflição que pulsava no céu de Croydon foi revertida em êxtase, um primeiro suspiro de alívio com o gol relâmpago de Zaha. A comemoração atingiu um nível ainda maior quando Benteke deixou a vantagem confortavelmente em dois gols, 2-0, assim terminava a metade da batalha.

A fiel torcida de Croydon e seu show. Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.
O segundo tempo trouxe tensão ao confronto, o Palace com a vantagem, deixava a bola com o adversário, apostando nos contra golpes. E o Hull ficou mesmo com a bola, ao todo por 70% da partida. A história de terror se transformou no mais belo dos contos de fadas com o terceiro gol, já no finalzinho do jogo, de pênalti Milivojevic aquietou os 25.176 corações presentes em Selhurst Park e outros tantos espalhados por todo o planeta, ainda deu tempo para Van Aanholt decretar o placar definitivo, 4-0 e a garantia de disputar novamente a Premier League em 2017/18.

No confronto que sacramentou a sorte das Águias, dois pilares marcaram: Zaha (em minha opinião, o melhor jogador do Palace na temporada); Benteke a estrela da companhia que com seus gols ganhou o carinho dos torcedores e também dois jogadores que chegaram com a temporada em andamento, Milivojevic que se tornou peça fundamental na recuperação do Crystal e Van Aanholt, sempre deixando sua marca, honrando a malha azul e vermelha.

Big Sam consegue exito em seu desafio, o Palace está seguro. Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.
O caos foi evitado, mas, para a próxima jornada será necessário mais atenção e um planejamento melhor adequado à realidade do campeonato, ser mais preciso nas avaliações de contratações é fundamental, primeiro para que não seja necessária uma nova "compra a granel" de atletas e muito menos viver nessa linha tênue entre permanência e descenso. Ainda resta uma rodada, apenas para fins de classificação final, o destino do Palace já foi definido, será de Premier League em 2017/18, com seis pontos à frente do Hull, enfim estamos salvos, com ressalvas.

Crystal Palace: Hennessey, Ward, Kelly, Tomkins (Delaney), Schulupp, Milivojevic, Cabaye (McArthur), Puncheon, Townsend (Van Aanholt), Zaha, Benteke. Téc. Sam Allardyce.

Histórico na PL: 6 jogos por Premier League, 3 vitória do Palace, 1 empate e 2 vitórias do Hull (Na temporada 2016/17: 3-3 no primeiro turno, em Hull).

Próximo Jogo pela Premier League:
21 de Maio - 11h (hora de Brasília) - Old Trafford.
Manchester United x Crystal Palace.

Por: @carlosjr92educa
Carlos Alberto de Sousa Júnior - Colunista do Crystal Palace

Um comentário:

Tecnologia do Blogger.