Header Ads

Empate de 1 milhão e da Classificação

Se não é sofrido não é Atlético. Alguns comentários que rolaram nas redes foram próprios de gente que não entende de futebol ou não são Atleticanos, não há explicação. Se o jogo não foi contra um grande time, foi contra o líder do gauchão, que tem feito estragos por lá, vinha embalado e por isso era um jogo de risco. É de mandar essa parte da torcida ignorante a M. Assisti aos jogos do Caxias e estava temeroso, principalmente pela falta de ritmo e tempo de treino. Não dá para fazer julgamentos antecipados, claro, perdemos muitas chances, mas não posso negar a mobilidade da equipe em campo, uma posição tática diferente dos últimos 5 anos, a ousadia e correria.

E quanto tempo eu não via o time correr, puxar contra-ataques em alta velocidade. Fiquei entusiasmado, isso porque não foi qualquer jogo. Time bom, esquema bom, você reconhece em um teste de fogo. Acreditem, esse time irá crescer muito, tem potencial, precisa se ajustar melhor ao esquema. Os jogadores ainda estão assimilando o padrão de jogo e a ideia de Diniz. O Atlético líder do paranaense, um dos poucos invictos no ano, entrou em campo querendo posse de bola a todo custo e por isso o jogo era forte. O time jogava em um esquema que era para ser um 343, mas pela falta de ritmo acabava alternando as vezes para um 3421, mas era totalmente ofensivo.

Gostei do esquema, embora traga certo temor atrás. Um time veloz pode chegar com mais facilidade se os alas não acompanharem o ritmo, por isso o esquema exige velocidade de todos e atenção. O Caxias chegou em duas oportunidades e com duas defesas espetaculares de Santos. Cadê o Weverton mesmo? Vai com Deus Weverton, Santos é o novo milagreiro. Aos 17 Veiga arriscou e Gledson espalmou. O Caxias mantinha pressão e o Atlético não chegava com tanto perigo. Aos 33´ Cleiton arrisca e Santos faz nova defesa espetacular de mão trocada. 34´ Santos salvou outra vez.  O Atlético equilibrou as ações e segurou o ímpeto do Caxias até o fim do 1º tempo .

Foto: Miguel Locatelli / Site Oficial
2º tempo e logo aos 2´ a bola sobra para Ribamar na pequena área que chuta e acerta no zagueiro do Caxias. Se no 1º tempo o nome do jogo foi Santos, no 2º começou a aparecer Gledson. Aos 5´ o cruzamento de Jonathan para Guilherme que emendou, Gledson evitou o gol. O Caxias acordou e chegou aos 15´ mas o atacante furou na hora do chute. O Furacão passou a tocar mais a bola tentando acalmar os ânimos do time grená. Aos 25´ Bergson substituiu Guilherme. O Caxias insistia, mas não era efetivo.

Aos 37´ contra-ataque fulminante, Nikão atravessa o campo e cruza para Ribamar livre mas Gledson faz defesa miraculosa. A melhor chance do jogo inacreditavelmente perdida. Aos 40´ Ribamar outra vez recebe na frente só ele e Gledson mas não teve talento e consagrou o goleirão gaúcho. O Furacão poderia ter acabado com a agonia da torcida. Aos 41´ Bruno Guimarães substituiu Carleto. Daí em diante o Atlético se fechou e passou a segurar a bola, mas perdia facilmente e o Caxias tentava a todo custo o gol salvador. Aos 45´ Pablo substituiu Nikão. O Caxias pressionou, mas o apito final trouxe o alivio e a classificação.

Em tempo: Tirinhas Valiosas

O empate rendeu além da classificação, mais R$ 1,2 milhão aos cofres do Furacão. O próximo adversário pela Copa do Brasil sairá do confronto América-RN x Tubarão-SC. E a classificação na próxima fase renderá a premiação de R$ 1,4 milháo ao Furacão. Em um jogo o Atlético garantiu no bolso mais do que o oferecido por todo o Campeonato Paranaense. E já com TPA, domingo tem Atlequita, vamos pra cima!

Chegamos a 100 mil leituras no Linha de Fundo. Considerando o máximo de duas colunas por semana é um número excelente. Estamos próximos a 1 milhão de leituras no Olho no Lance (precisamente 985 mil) destes 100 mil no exterior, 50 mil nos EUA. Contanto 4 portais já são mais de 1,2 milhão de leituras. Em 1 ano mais de 1 milhão de leitores. Temos fãs contrários como todo e qualquer canal e jornalista tem, mas ninguém pode negar nosso sucesso na mídia nacional. Muito obrigado a essa massa torcedora pois, são raros no país aqueles que atingem essa marca considerável em pouco tempo.


Por: Robson Furlan - @Robson_IzzyRock


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.