Header Ads

Lágrimas de fraqueza ou de campeão?


Choro do camisa após o segundo gol contra Costa Rica
Imagem: @nogueirafoto

Desde que surgiu nas categorias de base do Santos, Neymar Junior era predestinado ao sucesso. Observado por grandes clubes europeus desde os 13 anos de idade, escolheu continuar em Santos, onde aos 17 já atuava no elenco profissional e em pouquíssimo tempo se tornou protagonista dentro e fora dos campos.


De lá pra cá, os títulos e premiações individuais, andaram lado a lado com as diversas ações de marketing e polêmicas na vida do jogador. Sua personalidade irreverente e imatura - dentro e fora dos gramados - por vezes ganham mais destaque na mídia esportiva, do que seu futebol propriamente dito.

Exemplos como a sua polêmica saída do Santos para o Barcelona em 2013 e os dias de circo antes de trocar o clube espanhol pelo PSG em 2017, escancaram um "menino" de 26 anos, que apesar de um staff enorme cuidando de sua carreira dia e noite, não consegue ter seu nome ligado apenas ao que faz dentro de campo.

Os dribles exagerados e sem objetividade no meio de campo, os diversos cartões por reclamação e um caos dentro do vestiário do clube para definir um batedor de pênalti, refletem a personalidade de um jogador mimado, que não aceita ser contrariado em suas atitudes.

Conhecido por dar poucas entrevistas e não dizer absolutamente nada quando as dá, Neymar faz de cada passo em sua vida, uma ação de marketing e na mesma medida em que acumula patrocinadores, ganha o ônus do distanciamento do torcedor em geral. Foi assim com o santista, com os culés em Barcelona e também já aconteceu na França, ao ser vaiado pelo torcedor do PSG.

Sua relação com a mídia, aliás foi colocada em cheque após o vazamento de um contrato de exclusividade com a rede Globo durante a Copa de 2014, que embora não seja ilegal, é eticamente reprovável e demonstra muito sobre como as pessoas que gerem sua carreira, enxergam as relações do atleta fora de campo.

Neymar chegou à Copa em 2018, não mais como estrela em ascensão e sim como protagonista e candidato a melhor jogador do mundo. Colocado ao mesmo nível - embora existam controvérsias - de Messi e Cristiano, o camisa 10, após os dois primeiros jogos da competição, passa longe deste posto.

Ainda que as cobranças muitas vezes extrapolem os limites, o jogador e/ou seu staff, não colaboram em nada para mudar essa imagem nem perante a mídia, nem ao torcedor. O choro após a vitória contra a Costa Rica, poderia mostrar a alegria de alguém que ficou meses sem poder jogar, sentiu dores antes do jogo e apanhou dos adversários e da imprensa na primeira rodada, mas também demonstra traços de instabilidade.

Postagem de Neymar no Instagram
Foto: Recorte de @neymarjr
Traços esses, visíveis na própria publicação do jogador após a partida em sua conta oficial no Instagram. O lado da superação, fica mesclado com a famosa "cutucada" de sempre, sabe-se lá direcionada a quem, assim como foi depois da conquista do ouro Olímpico em solo brasileiro, num momento de êxtase. Desnecessário.

Neymar Junior tem um talento incomparável, um entendimento tático de jogo invejável e muitos anos de carreira pela frente, para atingir seu ápice físico e técnico, seja no PSG, no Real Madrid e principalmente na seleção brasileira.

Mas para chegar entre os grandes, não basta só ser craque de bola e quebrar recordes, como foi ultrapassar Romário entre os maiores artilheiros da história da seleção brasileira. Neymar precisa ir além. O "menino" Neymar, precisa crescer. O futebol agradece.

Pedro Ramos  |  @PeeRamos_

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.