Header Ads

Mais uma atuação pífia e mais um empate

Está se tornando repetitivo e comum um torcedor do Joinville estar insatisfeito com o seu time, e não é pra menos, são atuações que tiram qualquer um do sério, jogadores que continua há algum tempo sem demonstrar um porquê de ser titular ou um porquê de entrar nas partidas. Mas fazer o que, se o time titular já é pífio, imagina o banco? É de chorar em árabe! E a missão de fortalecer o grupo de atletas está nas mãos de Júlio Rondinelli e Nereu Martinelli, sendo que, quem bateu o martelo para as escolhas de ambos é o presidente Jony Stassun, mas o tempo está passando, mais precisamente, a série B está rolando, e precisamos melhorar urgente!

Paulinho Dias fez sua reestreia com a camisa do JEC, e foi bem. Foto: Divulgação/JEC
Confesso que na escalação do Joinville, aprovei até o meio campo (tirando Victor Oliveira), Everton Silva e Paulinho Dias estreando, Pereira na articulação, Naldo voltando, enfim, tudo tranquilo, mas quando chega ao ataque... Meus amigos, é de chorar, pegar seu aparelho de som e ouvir uma “sofrência” no talo; Cléo Silva e Mateus Silva formaram a dupla ofensiva, ou melhor, inofensiva. Qualquer coisa é melhor que esses dois, davam pra iniciar com o Felipe Alves e Juninho, ou Adriano e Felipe Alves, mas Cléo Silva não dá mais!

O jogo começou e o Joinville logo chegou aos 4 minutos, tudo bem que não foi algo tão contundente, mas chegou, quando Júnior cruzou e Diones cabeceou para fora. O JEC trabalhava a bola no campo de ataque, e o Criciúma esperava um erro pra sair na velocidade ou com Niltinho, ou com Roberto. O jogo em si foi muito fraco tecnicamente, e o Joinville só foi chegar novamente aos 22 minutos, em um bate rebate que sobrou para Mateus Silva, na entrada da área, e o garoto bateu, mas Luiz defendeu em dois tempos. A bola do jogo para o Criciúma ocorreu no primeiro tempo, onde Victor Oliveira falhou (novidade), e Gustavo saiu cara a cara com Agenor, era a grande chance, mas o camisa 9 carvoeiro incrivelmente mandou para fora. E assim terminou a primeira etapa, sem muitos lances contundentes, além do gol perdido por Gustavo.

Na segunda etapa, o Criciúma deu sua primeira cartada logo aos 3 minutos, Onde Élvis ajeitou para Marlon, que sozinho, bateu sobre a meta defendida por Agenor. A postura do tricolor do sul era outra, pois apertava a marcação, já dificultando a limitada saída de jogo do Joinville. O JEC respondeu aos 5 minutos, quando Pereira carregou a bola e bateu para o gol, passou muito perto! O tigre deu outra cartada logo no minuto seguinte, quando Niltinho (pasmem) avançou pelo flanco esquerdo do gramado, ganhou na velocidade de Bruno Aguiar e bateu, o arqueiro Agenor espalmou para a linha de fundo. No escanteio que foi originado do lance anterior, Raphael Silva subiu mais que todo mundo e testou pra fora, foi por pouco! Aos 15 minutos, o Joinville ainda perdeu Bruno Aguiar, que tomou o segundo amarelo e corretamente foi expulso, ou seja, eram pouco mais de 30 minutos para o Criciúma usufruir da vantagem numérica e buscar a vitória na Arena, mas o time comandado por Roberto Cavalo não soube aproveitar.

Os últimos 30 minutos refletiram bem o que foi o jogo, nada de interessante, nada que amedrontasse as metas defendidas por Luiz ou Agenor, isso que o Criciúma estava com um a mais. Tudo bem que a chuva apertou e o gramado ficou um pouco pesado, só que nem aquela velha pressão de bolas alçadas na área ocorreram, e o fim de jogo foi ordenado; 0-0 e um resultado muito ruim para o Joinville. As vaias no final do jogo refletiram o que foi citado acima, e com toda razão, mais uma apresentação pífia do Joinville Esporte Clube.

Everton Silva foi bem enquanto esteve inteiro fisicamente. Foto: Divulgação/JEC
Nenhuma jogada bem trabalhada, nenhuma finalização a média-longa distância (aproveitar que o gramado estava molhado), nada, o Joinville mais uma vez foi inofensivo ao adversário, o que prova mais ainda o quão somos reféns da bola parada. E a insistência com Cléo Silva? Eu que costumo defender tanto o Maria, mas dessa vez não dá, CLÉO SILVA NÃO DA PROFESSOR, um jogador que não consegue absolutamente NADA, cisca, corre, vai a linha de fundo, mas não obtém sucesso em nenhuma das vezes que tenta algo. Victor Oliveira é outro que não me passa confiança, e sem contar que foi dele a falha no quase gol do Criciúma, e em outras vezes, em que ele perdeu jogadas fáceis com os homens de frente. Não está fácil amigos, nenhum pouco, e é uma situação complicada, pois o bonde está passando, mesmo que devagar, mas está passando, e não podemos dar bobeira, temos que embarcar nele o quanto antes, para não o perder de vista.

Confira abaixo a ficha técnica do jogo:

JOINVILLE 0x0 CRICIÚMA

Local: Arena Joinville, Joinville (SC);
Data e horário: 20/05/2016, as 21h30 (horário de Brasília);
Público e renda: 1.534 pessoas, para uma renda de R$ 18.955,00;
Arbitragem: Cláudio Francisco Lima (SE) foi quem comandou o apito, ele foi auxiliado por Neuza Inês Back (SC) e Eder Alexandre (SC);
Cartões amarelos: Bruno Aguiar (JEC) e Cléo Silva (JEC);
Cartão vermelho: Bruno Aguiar (JEC);

JOINVILLE: Agenor | Everton Silva, Bruno Aguiar, Victor Oliveira e Júnior | Naldo, Diones, Paulinho Dias e Pereira (Kadu) | Mateus Silva (Adriano) e Cléo Silva (Juninho) | Técnico: Hemerson Maria.

CRICIÚMA: Luiz | Ezequiel, Raphael Silva, Nathan e Marlon | Barreto, Douglas Moreira e Élvis (Gabriel Leite) | Niltinho (Hélio Paraíba), Roberto (Juninho) e Gustavo | Técnico: Roberto Cavalo.

É professor, não está fácil! Foto: Divulgação/JEC
As pessoas responsáveis por garimpar nomes no mercado estão trabalhando para isso, e o que nos resta, é esperar e torcer, torcer para que os jogadores contratados venham com tesão de vestir nossa camisa, e que além disso, tenham talento/qualidade, já que alguns (uns 10 pelo menos) que estão hoje aqui... Bom, são SOFRÍVEIS! Sobre as estreias de Everton Silva e Paulinho Dias: Everton foi útil enquanto esteve inteiro fisicamente, mas cansou e sumiu da partida; Paulinho Dias deu a impressão de que será titular absoluto nesse JEC, um volante que sabe jogar, de bom passe, e que sabemos de sua qualidade na finalização, fez uma boa partida ontem contra o Criciúma, mas falta ritmo de jogo. O Joinville volta a campo na próxima quarta-feira, contra o Bahia lá em Salvador, o ideal era buscar a primeira vitória na competição, mas está complicado almejar isso, então, devido às circunstâncias (Bruno Aguiar fora, insistência em Cléo Silva, etc), um empate está de bom tamanho!

VAMOS MEU JOINVILLE, NÃO PARA DE LUTAR, QUE EU NÃO VOU PARAR DE APOIAR, E PARA SEMPRE VOU TE AMAR!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.