Header Ads

Com novo apagão no fim, o gosto amargo de um bom resultado

Em busca da reabilitação, o Tupi viajou até Criciúma para enfrentar o time da cidade neste sábado (18), pela 10ª rodada da Série B. Todos imaginavam um jogo difícil no Heriberto Hülse, contra um adversário forte, que até então havia vencido todas em casa. Somar um ponto não seria ruim, entretanto, pelas circunstâncias do jogo, o empate ficou com um gosto amargo para o torcedor alvinegro.

O empate foi com gosto de derrota (Foto: Caio Marcelo/Site oficial do Criciúma Esporte Clube)
Após o empate com o Luverdense, Estevam Soares fez mistério durante a semana e a escalação da equipe só foi divulgada momentos antes da partida, tendo mudanças no onze inicial. A primeira delas pela ausência de Helder, que havia começado como titular na última partida, mas se lesionou e Rodolfo Mol ganhou a posição. Outro que não apareceu entre os titulares foi Giancarlo, que foi sacado por opção técnica, cedendo a vaga para o volante Filipe Alves.

O Tupi foi para o jogo demonstrando uma postura mais cautelosa, alinhado no 4-3-2-1 (Rafael Santos; Henrique, Heitor, Rodolfo Mol e Bruno Costa; Rafael Jataí, Filipe Alves e Marcos Serrato; Vinícius Kiss e Hiroshi; Thiago Silvy.), com seus atacantes Hiroshi/Thiago Silvy se alternando na função de "falso 9". Todos recompondo quando não tinha a bola.

Com uma forte marcação, o Tupi não sofreu uma pressão inicial do Criciúma, que teve muitas dificuldades para levar perigo ao gol de Rafael Santos. Nos primeiros minutos, o goleiro foi pouco incomodado e fez três defesas fáceis, em duas finalizações Hélio Paraíba e uma de Elvis.

As primeiras chances claras do jogo, só aconteceram no fim da etapa inicial, justamente em lances que resultaram em gol; Aos 37', o Criciúma chegou depois de um lançamento, que resultou na falha de Rodolfo Mol e em uma falta não marcada de Elvis em cima do zagueiro; Na sequência, o meia cruzou para Hélio Paraíba, que apenas teve o trabalho de empurrar para o gol vazio; No minuto seguinte, o Tupi respondeu em uma falta cobrada por Henrique na cabeça de Filipe Alves, que teve toda a liberdade para cabecear e empatar.

Em um primeiro de tempo de poucas chances para os dois lados, as equipes não conseguiram exercer superioridade sobre o seu adversário, ficando no empate justo por 1 a 1. No intervalo, Estevam Soares promoveu uma substituição, colocando Giancarlo no lugar de Hiroshi. A alteração mudou a característica do time, passando a ter um jogador de área, que só serviu para diminuir o poder de movimentação. Por outro lado, Roberto Cavalo mexeu bem e deixou a equipe mais ofensiva, promovendo as entradas de Alex Maranhão e Roberto nos lugares de João Afonso e Juninho, respectivamente.

Como era de se esperar, a etapa complementar começou com uma enorme pressão do time da casa, que apertou a saída de bola adversária e buscou mais o gol em uma série de cruzamentos na área. Dessa forma, os primeiros minutos foram de superioridade do Tigre, que não conseguia concluir com efetividade. A melhor chance foi aos 13 minutos, quando Hélio Paraíba recebeu na área, girou com liberdade e finalizou com muito perigo.

Após uma pressão, que não resultou em nenhuma defesa difícil de Rafael Santos, o Galo Carijó conseguiu um alento; E novamente o caminho foi a bola parada: Em falta da esquerda, Henrique mandou para área e contou com o desvio em Raphael Silva, que foi salvo por Luiz no que seria gol contra do zagueiro. Porém, em seguida o time catarinense continuou melhor e mais próximo do gol, enquanto o time mineiro pouco assustava.

A necessidade de mudança fez com que Estevam Soares tomasse uma atitude: aos 15', Jonathan entrou no lugar de Thiago Silvy, que fazia uma péssima partida – mais uma vez – e deixou o campo. Dois minutos depois, Bruno Costa cruzou rasteiro e a defesa do Criciúma afastou mal, Vinícius Kiss se aproveitou e na sobra colocou o Tupi na frente.

Após a virada, Estevam Soares mexeu pela última vez e fez uma troca de volantes, colocando Recife no lugar de Filipe Alves. Em seguida, Roberto Cavalo foi para o "tudo ou nada", promovendo a entrada do atacante Jheimy no lugar do lateral Marlon. Com isso, a partida ficou aberta, tendo chances claras para ambas equipes. Dois lances poderiam ter mudado a história do jogo: Aos 28', em seu primeiro lance em campo, Jheimy recebeu cruzamento e tentou tirar do goleiro, mas acabou cabeceando pra fora uma boa oportunidade; Aos 44', Jonathan deixou Giancarlo livre em ótimas condições para matar o jogo, mas o atacante mandou pra fora.

Depois de ficar boa parte do segundo tempo na frente do marcador, o Tupi voltou a sofrer um apagão no fim, o que tem sido comum neste campeonato. Nos acréscimos, o Criciúma teve um escanteio e o torcedor carijó já poderia imaginar o pior, o que foi confirmado. Na cobrança, a bola sobrou para Roberto, que mesmo caído, rolou para Jheimy bater no cantinho e deixar tudo igual novamente.

O resultado não deixou de ser bom para o Galo Carijó, que acabou com o cem por cento de aproveitamento do Tigre em casa, somando o seu primeiro ponto longe de Juiz de Fora. No entanto, muitos times da parte de baixo da tabela também pontuaram e a rodada foi ruim, aumentando a necessidade de vitórias contra Bahia e Avaí. Serão duas partidas seguidas no Estádio Radialista Mário Helênio, bastante complicadas é verdade, mas pode ser o início de uma reação.

PS. 1 – O primeiro destaque, é que certamente levarei sal grosso no próximo jogo do Tupi e sugiro que façam o mesmo, levar tantos gols nos acréscimos não pode ser normal. Deixando as superstições de lado, que eu tenho muito, falta atenção nos minutos fim das partidas e isso precisa ser corrigido já.

PS. 2 – Houve dois lances dignos de reclamação por parte do time de Juiz de Fora: no lance do gol do primeiro gol do Criciúma, Rodolfo Mol foi empurrado por Elvis, mas não foi marcada a falta de ataque; E Giancarlo sofreu um pênalti, mas novamente o árbitro fingiu que não era com ele, nada foi marcado.

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.