Header Ads

Tá mal? Chama a capital

Clássico contra o Avaí, jogando lá na capital do estado, não tem cenário melhor para iniciar uma nova caminhada. E foi assim, esse cenário culminou em uma vitória tricolor, convenhamos que não foi uma grande exibição, mas foi uma vitória extremamente importante, e que nos apresentou uma grata surpresa, queimando a língua bonito desse colunista que vos escreve.

O início de um novo ciclo no JEC. Foto: Divulgação/JEC
Antes de começar a falar sobre o jogo, há de se destacar a atuação de uma pessoa, que é tão criticada pela torcida (e por mim mesmo). Sim, ele, Cléo Silva; o atacante tricolor esteve muito bem em campo, sendo muito importante no gol da vitória, e sendo essencial na marcação. Tanto criticado pela torcida, mas que começou a dar sinais de melhora no jogo contra o Vasco, e ontem novamente, só que por mais tempo (em relação à derrota por 2x0 para o Vasco), fazendo uma bela partida, sendo eleito o melhor em campo por boa parte dos que viram o jogo.

O primeiro tempo foi muito fraco tecnicamente, tanto que até sair o gol do tricolor (único do jogo), nada de acontecer algum lance tão contundente. O gol veio aos 15 minutos, quando Cléo Silva ganhou na corrida do defensor avaiano, e cruzou rasteiro para trás, Gabriel Vasconcelos furou, e a bola sobrou para Carlos Alberto, que encontrou o gol livre, apenas tendo o trabalho de colocar a gorducha para as redes, 1x0 JEC! A chance de ampliar veio dez minutos depois, quando Cléo Silva ajeitou, e Paulinho Dias soltou uma bomba de primeira, o arqueiro do Avaí espalmou para o lado. Com o gol, o JEC passou a apostar mais ainda nos contra-ataques, usufruindo da velocidade do incansável Cléo Silva; que não conseguiu encaixar o contragolpe mortal, mas o atacante deu trabalho à defesa do leão. Mas assim foi o primeiro tempo, fraquíssimo, onde dois lances realmente levaram perigo ao gol, dois lances a favor do JEC. O Avaí esbarrou na defesa bem montada do tricolor, e se viu sem saída na busca do gol de empate, falta uma cabeça pensante nesse time. Já o JEC, fez o básico, o famoso futebol “feijão com arroz”, que rendeu a bola na rede e os três pontos na tabela!

Cléo Silva muito bem no jogo. Foto: Divulgação/JEC
O segundo tempo foi sem grandes emoções também, três lances apenas chamaram a atenção, e todos a favor do Avaí. O primeiro veio aos 2 minutos, quando o atacante William Batoré finalizou para fora. O segundo lance foi polêmico, Lucas de Sá, dentro da área, chutou para o gol, mas a bola explodiu em Ligger, os jogadores do Avaí reclamaram muito de um toque de mão, um lance complicado para a arbitragem, e que achei que não foi pênalti; João Batista de Arruda mandou seguir o jogo. E o terceiro lance, foi uma finalização de Lucas Sá, de fora da área, mas a bola saiu pela linha de fundo. Após isso, nada de tão mais relevante, foi um jogo muito truncado, muitas faltas bobas eram assinaladas; o JEC fazia o tempo passar, prendendo a bola, tocando, e tentando o contragolpe fatal, que não aconteceu.

Não foi uma atuação de gala, mas foi o suficiente para garantir os três pontos, e serviu também para mostrar que alguns atletas podem nos ser muito úteis, como Ligger, que fez apenas a sua segunda partida no JEC, mas foram duas atuações que animaram, finalmente achamos um quarto zagueiro. Paulinho Dias e Naldo vão se firmando no setor de marcação do JEC; Naldo sendo o pitbull de sempre, impecável nos botes, e Paulinho Dias, demonstrando qualidade na saída de jogo e na finalização (quase fez um gol). Carlos Alberto é outro, pode nos ser muito útil, não só pelo gol que fez, mas pelo conjunto da obra; o garoto Gabriel Vasconcelos fez a sua estreia com a camisa tricolor, tudo bem que é só o primeiro jogo, mas não fez uma boa atuação. Só faltou o Pereira estar mais ligado, errou muito nas enfiadas de bola, e perdia a posse da mesma muito fácil; vale destacar também Oliveira, se mostrou seguro no gol, e acionou bem os jogadores de frente, tende a melhorar mais. Sobre Cléo Silva já foi falado no início, mas vale ressaltar, boa partida do atacante, que começou sob muita desconfiança, mas que está dando sinais de recuperação.

Confira abaixo a ficha técnica do jogo:

AVAÍ 0x1 JOINVILLE

Local: Estádio da Ressacada, Florianópolis (SC);
Público e renda: 3.370 pessoas, para uma renda de R$39.762,00;
Arbitragem: Quem comandou o apito foi João Batista de Arruda, que foi auxiliado por Helton Nunes e Thiago Americano Labes;
Cartões amarelos: Renato (Avaí) e Braga (Avaí) | Oliveira (JEC), Everton Silva (JEC), Diego (JEC) e Cléo Silva (JEC);
Gol: O gol foi anotado por Carlos Alberto (JEC). Confira o gol da vitória tricolor clicando aqui;

Avaí: Renan | Renato, André Santos, Gabriel e João Paulo | Jajá (Braga), Lucas de Sá (Lucas Coelho) e Tauã | Romarinho, Tatá (Iuri) e William Batoré | Técnico: Silas;

Joinville: Oliveira | Everton Silva, Ligger, Bruno Aguiar (Rafael Donato) e Diego | Naldo, Paulinho Dias, Pereira (Fernando Viana) e Carlos Alberto | Cléo Silva e Gabriel Vasconcelos (Diones) | Técnico: Hemerson Maria.

A vitória que marcará o início de uma nova caminhada. Foto: Divulgação/JEC
O JEC volta a campo na próxima terça-feira, e o adversário será o Atlético-GO na Arena Joinville as 19h15. Jogo difícil, o clube goiano vem de uma vitória gigante contra o Vasco da Gama, eles e nós vamos com moral para o jogo, vai ser um duelo interessante! Os ares estão mudando no Joinville, reforços que empolgam estão chegando, reforços que já chegaram e estrearam empolgaram, está tudo caminhando relativamente bem, mas temos muito a melhorar ainda, para alcançar o objetivo máximo e cobiçado por todos: o acesso a Série A do futebol brasileiro!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.