Header Ads

Gol mal anulado e vacilo na defesa: JEC perde mais uma

Estádio cheio, torcida empolgada, clima bom; ingredientes interessantes para uma tarde de futebol, pena que o principal não veio: a vitória. Desde erros de arbitragem até erros do próprio time, o Joinville se viu em uma tarde em que nada deu certo e que, com a derrota, seguimos na torturante zona de rebaixamento, uma situação extremamente incômoda e que precisamos nos afastar o mais rápido possível.

Bruno Ribeiro esteve apagado em campo.
Foto: Divulgação/JEC
Antes da partida começar, todos estavam cientes que seria um jogo atípico, até porque o técnico Fernando Diniz (comandante do Oeste) adota um método diferente dos demais, que é o da posse de bola e de dificilmente se desfazer dela com chutões, não foi diferente dessa vez. O clube paulista começou com o domínio total do jogo e conseguiu abrir o placar logo aos 4 minutos, quando Léo Artur botou a bola na cabeça de Marcus Vinícius, que facilmente se antecipou a Fabiano Eller (muito mal) e colocou a bola nas redes, 1x0 Oeste.

Além do bom toque de bola, o Oeste marcava muito bem, o que dificultou a vida do JEC, que até conseguiu algumas oportunidades de gol, mas desperdiçou. Carlos Alberto, Bruno Ribeiro e o próprio Jael tentaram, tudo isso aproveitando erros na saída de bola do adversário, que custava para rifar a mesma; porém, a vez que estivemos mais perto do gol veio com Fernandinho, quando o camisa 6 cobrou um corner de três dedos, linda cobrança, que o goleiro Felipe Alves não esperava, entretanto, ele conseguiu se recuperar e evitar o gol. 

No primeiro tempo, o Joinville teve poucas chances claríssimas de gol, talvez somente com Fernandinho, ou seja, uma só. Tudo porque o Oeste controlou bem a bola apesar de ter vacilado algumas vezes atrás quando o Joinville apertou a saída. Esse é um ponto, faltou o JEC morder mais no primeiro tempo, deveríamos ter começado sufocando eles desde o primeiro minuto, fazendo assim com que tomássemos a bola. O gol do adversário saiu em uma lambança gritante de Fabiano Eller, que viu o camisa 9 se antecipar facilmente, algo que não deveria acontecer com um jogador tão experiente, mas aconteceu. Não foi só no lance do gol que o camisa 4 foi mal, no conjunto da obra, está apresentando um futebol muito pobre para quem é titular do Joinville.

A segunda etapa foi sem tantos lances que empolgassem, pelo menos para a torcida tricolor, que via no atacante Jael a única esperança de algo diferente dentro da partida e realmente era. Ele é um camisa 9 com boa visão de jogo e que prende muito bem a bola, além do bom poder de finalização e da entrega em campo, mas só isso não foi suficiente, o restante do time precisa cooperar, coisa que não aconteceu.

Jael até tentou, e foi o melhor em campo, mas não foi o suficiente.
Foto: Divulgação/JEC
O tricolor teve duas boas chances de empatar o marcador, uma com Jael aos 23 minutos, em uma pancada de fora da área que exigiu uma bela defesa de Felipe Alves; e a outra com Heliardo, no último lance do jogo, mas a bola caprichosamente não entrou. Entre esses dois lances, o JEC foi gravemente prejudicado pela fraca arbitragem, que anulou um gol legítimo do tricolor; Fernandinho cobrou o escanteio no primeiro pau e lá estava Jael, que escorou para o segundo e Fabiano Eller completou para as redes, mas o assistente erradamente invalidou o que seria o empate e daria uma reviravolta no confronto.

A vaca foi para o brejo de vez quando o meia Pereira foi expulso aos 30 minutos, lembrando que no último minuto ainda tivemos uma chance de gol com Heliardo (já relatada acima), mas infelizmente não entrou. E fim de papo na Arena, derrota tricolor e a situação segue delicada demais.

Foi difícil tirar a bola deles, querendo ou não, é uma filosofia de jogo que acaba irritando, pois eles não se livram da bola fácil e ao mesmo tempo é difícil tirar ela deles. Porém, é uma ideia audaciosa do Fernando Diniz e é algo admirável, pois foge da ‘mesmice’. Já o tricolor, ah o tricolor, que tarde triste. Faltou um pouco mais de inspiração para cada um, principalmente para o tridente ofensivo da meia cancha (Everton Silva, Carlos Alberto e Bruno Ribeiro), se esses três fossem um pouco acesos na partida, poderia ser um pouco diferente. Bertotto esteve muito mal em campo, errando passes, domínios e botes, além do mais, está fora da próxima partida. Mas sendo simples, faltou o JEC morder mais desde o início do jogo, fazer o papel de mandante, que é sufocar o time adversário; pena que isso não aconteceu, tomamos o gol cedo e perdemos a partida. 

Confira abaixo a ficha técnica da partida:

Joinville 0-1 Oeste

Local: Arena Joinville, Joinville (SC);
Público e renda: 6.739 pessoas presentes, para uma renda de R$ 78.265,00;
Arbitragem: José Ricardo Vasconcellos Laranjeira foi quem comandou o apito, ele foi auxiliado por Maxwell Rocha da Silva e Wagner José da Silva;
Cartões amarelos: Danrlei (JEC), Fernandinho (JEC) e Bertotto (JEC);
Cartão vermelho: Pereira (JEC);

Joinville: Aranha | Reginaldo, Rafael Donato (Danrlei), Fabiano Eller e Fernandinho | Naldo, Bertotto, Everton Silva (Pereira), Bruno Ribeiro (Heliardo) e Carlos Alberto | Jael | Técnico: Lisca;
Oeste: Felipe Alves | Felipe Rodrigues, Francis, Velicka e Bruno Silva | Daniel Sertanejo, Matheus Vargas (Wesley) e Mazinho (Rodolfo) | Léo Artur, Marquinhos e Marcos Vinícius | Técnico: Fernando Diniz.

Fernandinho quase fez uma golaço olímpico.
Foto: Divulgação/JEC
Sem poder contar com Rafael Donato e Bertotto, o JEC volta a campo na próxima terça-feira (02/08) para enfrentar o Vila Nova fora de casa, o jogo tem seu início marcado para às 19h15.  

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.