Header Ads

Rio 2016: Rússia domina a Esgrima e Brasil acaba não medalhando

Após nove dias de competição, a Esgrima se despediu da Olimpíada do Rio de Janeiro, com soberania Rússia. Foram disputadas nessa modalidade as categorias: Espada individual, Florete individual, Florete por equipes masculino, Espada por equipes, Sabre individual e Sabre por equipes feminino.

Ana Beatriz Bulcão, Florete Individual Feminino (Foto: Rio 2016)
Dia 1: No primeiro dia de competição, foi disputada a categoria: Espada individual feminina. A brasileira Nathalie Moellhausen fez uma bela competição, sendo a primeira esgrimista brasileira a alcançar a fase quartas de final, aonde à mesma foi eliminada para a francesa Lauren Rembi, atleta que disputaria a disputa pelo bronze e perdeu para a chinesa Sun Yiwen. A húngara Emese Szász ficou com o ouro, venceu a italiana Rossella Flamingo, que acabou ficando com a prata.

Dia 2: A categoria disputada no segundo dia foi a Florete individual masculino. O brasileiro Guilherme Toldo representou o Brasil até as quartas de final, aonde acabou sendo derrotado pelo futuro campeão, o italiano Daniele Garozzo. O americano Alexander Massialas ficou com a prata e o russo Timur Safin com o bronze.

Dia 3: O Sabre individual feminino dominou o terceiro dia de competição na Esgrima. A brasileira Marta Baeza Centurion nos representou na categoria, mas, infelizmente foi eliminada logo na primeira fase. O pódio do terceiro dia teve dobradinha russa, a medalha de ouro ficou com a russa Yana Egorian e a prata com a também russa Sofiya Velikaya, a disputa do bronze terminou com a vitória da ucraniana Olha Kharlan, sobre a francesa Manon Brunet,

Dia 4: A Espada individual masculino foi disputada no quarto dia, o brasileiro que chegou mais longe foi Athos Schwantes, que foi derrotado na segunda fase para o francês Gauthier Grumier, que terminou com a medalha de bronze. A final foi disputada pelo sul-coreano Park Sang-young que venceu e obteve o ouro em cima do hungaro Géza Imre.

Dia 5: No quinto dia de competição de esgrima, o Florete individual feminino tomou a cena. As brasileiras Tais Rochel e Ana Beatriz Bulcão, avançaram até a segunda fase e foi só isso. O pódio foi comandado pela russa Inna Deriglazova, vencedora do ouro. Prata para a italiana Elisa Di Francisca e bronze para a tunisiana Inès Boubakri.

Dia 6: O sexto dia teve a primeira categoria de equipes, que foi a Espada por equipes femininas. As meninas do Brasil acabaram perdendo já nas oitavas de final para as ucranianas. As romenas foram as campeãs da categoria, derrotando as chinesas na final e na disputa pelo bronze as russas conseguiram mais uma medalha para a conta do país na esgrima.

Dia 7: Os brasileiros mais uma vez não conseguiram obter um bom resultado, dessa vez no Florete por equipes masculino. Perderam nas quartas para os italianos, novamente foram derrotados, agora pelos chineses na semifinal e na disputa pela sétima colocação perdeu para o Egito. O ouro foi conquistado pela equipe russa, a prata pelos franceses e o bronze pelos americanos.

Dia 8: Este não teve participação brasileira no Sabre por equipes feminino, mas teve mais uma vez a Rússia vencendo a final e conquistando assim o ouro. A segunda colocação foi ocupada pelas ucranianas e a terceira pelas americanas, prata e bronze assim sucessivamente.

Dia 9: Último dia de competição da Esgrima nas Olimpíadas do Rio 2016, aonde a categoria disputada foi a Espada por equipes masculinas. Era a última chance dos brasileiros conseguirem alguma medalha na esgrima para o Brasil, mas a derrota para a Venezuela logo nas oitavas de final fez com que acabássemos com qualquer esperança. Os franceses foram campeões e conquistaram o ouro nesse último dia de provas na esgrima, os italianos a prata e os húngaros o bronze.

Espada por Equipes Masculinas, Brasil x Venezuela (Foto: Rio 2016)
O ranking final da Esgrima terminou com a Rússia no topo do pódio, foram sete medalhas ao todo, sendo quatro delas de ouro. A segunda colocação geral foi ocupada pela Hungria que ficou com quatro medalhas no total, mesmo número da terceira colocada, a Itália. O critério de desempate usado foi o número de ouros, a Hungria venceu dois e a Itália apenas um.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.