Header Ads

Em clima de guerra

“O cruzeirense não torce contra o vento, ele veste a camisa e enfrenta a tempestade”.

Não sei vocês, mas acho que essa frase acima, define perfeitamente o momento atual que nos torcedores fanáticos estamos passando. E essa frase também serve para você cruzeirense, que ousou pensar em desistir do seu time por algum momento, isso não é uma opção.

Bom, estou em clima de guerra, que chegue logo dia 19, pois quero ver sangue nos olhos daqueles jogadores, raça e muita fome e sede de gols. A única exigência, Cruzeiro é que você faça sua parte.

@Cruzeiro
Cruzeiro e Corinthians, fizeram seu primeiro jogo pelas quartas de finais da Copa do Brasil, o resultado poderia ser melhor para a Raposa, mas apesar da derrota, segue vivo o sonho de uma possível classificação e como dizia minha mãe: Em casa nós conversamos.

Sobre o jogo:

A maneira que o Cruzeiro iniciou o confronto foi uma surpresa, chegou sem medo e nos primeiros minutos de jogo já assustou a equipe mandante. Já fez com que o torcedor cruzeirense pensasse: “hoje vai”.

Alguns minutos se passaram e a intensidade da Raposa diminuiu bastante, o time passou a valorizar a posse de bola e se aproveitar dos contra-ataques, enquanto o adversário sempre chegava com perigo ao gol cruzeirense, mas é claro que eles tinham uma ajuda extra e não estou falando do juiz, e sim do Lucas, Edimar, que sempre tomavam bola nas costas.

Podemos dizer que tivemos uma etapa inicial equilibrada, com boas oportunidades para as duas equipes. Já o segundo tempo, poderia ser esquecido, ultimamente tem sido difícil falar sobre a segunda etapa.

@Cruzeiro
A etapa complementar começou desagradável para nos cruzeirenses, assim que o duelo começou, o Corinthians balançou as redes com um gol contra do zagueiro Léo, quando tínhamos pedido um gol, era a nosso favor, apenas para lembrar.

O gol em si foi irregular, qualquer um pode testemunhar que Marquinhos Gabriel estava em posição duvidosa, mas fazer o que se a arbitragem interpretou dessa maneira. E aos 08 minutos, a equipe paulista ampliou a vantagem com Romero que estava há dois meses e meio sem marcar gol e adivinha contra quem ele resolveu desencantar.

As substituições de Mano Menezes deram resultado, e foi aos 32 minutos que o Cruzeiro fez o gol da misericórdia com Robinho, um gol importante, de acordo com os critérios de gol fora de casa.

Paula Fernandes - @Paulinha_CEC

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.