Header Ads

Os pés salvadores de Danilo

Três derrotas consecutivas, com 8 gols sofridos e a pior defesa da competição, essa era a Chapecoense que via a “gordura” conquistada na briga para fugir do rebaixamento diminuir. Com uma semana entre a goleada sofrida por 3x1 para o Atlético Paranaense em Curitiba, Caio Júnior teve uma semana para conversar, e ajustar os erros na defesa nos últimos duelos.

Antildes Bicalho/Photopress/Gazeta Press

A conversa surtiu efeito, o treinador que chegou até a mudança de esquema, passando a jogar com três zagueiros, viu que não deu certo, e voltou a jogar com apenas dois defensores, desta vez com Neto e Thiego, dupla que junta teve muito sucesso em 2015.

A bela vitória no meio de semana voltou a afastar o Verdão da briga contra o rebaixamento, o que deu tranquilidade para os duelos da Copa Sul-Americana, contra o Júnior de Barranquilla. Antes de enfrentar os colombianos, ainda tinha um duelo importante pelo Brasileirão.

Com o avião fretado pela diretoria, Caio Júnior decidiu repetir a escalação da vitória contra o Sport, neste domingo (16), contra o Cruzeiro, no Mineirão. A pressão foi grande, em um jogo de ataque contra defesa, vimos novamente a salvação nas mãos de um grande goleiro, ou melhor, nos pés do arqueiro, que voltou a defender um pênalti, garantindo um ponto importantíssimo para o Verdão na tabela. 

O empate foi conquistado de forma sofrida, assim como é a vida da Chapecoense em toda sua história, uma verdadeira blitz Cruzeirense do inicio ao fim, a pressão começou cedo, logo aos 3 minutos Henrique arriscou de longe, a bola passou muito próximo a meta de Danilo, para fora. Um minuto depois foi a vez de Lucas, chutar a acertar a trave.

Kempes respondeu aos 6 minutos, quando o centroavante dominou na meia-lua e mandou no cantinho de Rafael, que espalmou em escanteio. Foi a única chance do Verdão na primeira etapa, a pressão voltou aos 23 minutos, a bola sobrou para Sóbis, que chutou forte, Gimenez providencialmente desviou de cabeça, em escanteio. Aos 37 Sóbis novamente teve a chance de abrir o placar, mas Danilo em tarde iluminada estava lá para salvar, garantindo o empate em 0x0 no primeiro tempo.

Na segunda etapa, as equipes voltaram com as mesma formações, e novamente com os mineiros assustando e pressionando. Logo aos 8 minutos, depois de Cleber Santana recuar mal, Ábila roubou a bola e caiu na área em dividida de bola com Danilo, o árbitro marcou pênalti. O Argentino pegou a bola, mas a sua frente tinha Danilo, autor de quatro defesas de pênaltis que garantiram a classificação do Verdão na Sul-Americana, e foi com esse mesmo espírito que Danilo defendeu com os pés, e salvou novamente a Chapecoense.

Parecia mesmo que não era uma ótima tarde para os atacantes do clube mineiro, a bola voltou a cair nos pés de Ábila, que livre chutou forte, desta vez quem salvou foi a trave. A Chapecoense teve a chance de matar a partida em um contra-ataque, Gil recebeu livre e partiu em velocidade, mas na finalização, o volante chutou para fora. Foi inevitável tirar o zero do placar, destaque além de Danilo, para o zagueiro Neto, dois monstros em campo, o defensor não perdeu uma disputa de bola com os atacantes Cruzeirenses.


Agora a Chapecoense muda a chave, e volta a pensar totalmente na Copa Sul-Americana, quando enfrenta na próxima quarta-feira (19), a equipe do Júnior de Barranquilla, no Estádio Metropolitano, na Colômbia, às 21h45. 

Marcelo Weber || @acfmarcelo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.