Header Ads

Falta calma ao Liverpool

Lallana e Payet em disputa de bola (Foto: Mirror U.K/divulgação)
Manter-se estável em situações adversas é sempre difícil. No futebol, é indiscutível que desempenho físico e psicológico caminham lado a lado. A pressão da torcida, da diretoria, a empolgação do adversário, os resultados dos rivais, entre outros fatores, afetam diretamente a cabeça dos jogadores e consequentemente o seu rendimento em campo. Nos últimos jogos, sempre que colocado em situações similares, o Liverpool tem fraquejado e deixado o resultado escapar, e foi assim novamente contra o West Ham, em Anfield. 

No jogo realizado no último domingo (11), o que se viu boa parte do tempo foi um Liverpool refém do nervosismo, que mesmo sendo superior, não conseguiu vencer a partida e saiu com o um empate de 2x2, onde os gols tomados tiveram falhas providenciais de nossos jogadores.

Tínhamos a bola e facilmente chegávamos com ela na área do adversário, ainda assim, as jogadas não eram finalizadas da maneira ideal. Ao fim da partida as estatísticas marcavam 68% de posse de bola para nós, 18 chutes contra sete dos Hammers, sendo apenas três no alvo, o mesmo número do adversário. 

Começamos bem, é verdade, e logo aos 4’ Lallana abriu o placar. Tudo corria bem, jogávamos melhor e parecia questão de tempo para que o segundo gol saísse. Mas aos 27’, em cobrança de falta da intermediária, cobrada por Payet sem o capricho de costume, saiu o gol de empate, contando com enorme contribuição de Karius, que chegou muito atrasado e ainda espalmou para o gol. Antes mesmo do intervalo veio à virada, aos 38’, após bola desviada, Matip se atrapalhou e não conseguiu cortar, deixando Antonio na cara do gol, livre pra tocar na saída de Karius e marcar.

No segundo tempo, o empate veio rápido e ficamos vivos em busca da vitória. Aos 2’, Manè cruzou e Randolph falhou feio soltando a bola nos pés de Origi, que escorou para o gol. Nesse momento, o time parecia confiante que conseguiria a vitória e foi pra cima. O toque de bola e a movimentação no meio pra frente era bom, envolvíamos a defesa deles, mas pouco chutávamos e quando alguém resolvia arriscar Randolph sequer era exigido. O tempo foi passando e claramente o time foi se abalando, nervosos, os jogadores mostravam muita afobação e perdiam chances dentro da área. Com o andamento do relógio o clima de tensão foi dando lugar ao de aceitação e lamentação. Estava claro que mais uma vez íamos vacilar. E vacilamos.

Depois de mais um jogo sem vitória, é importante que Jurgen Klopp traga de volta a mentalidade vencedora implantada no começo da temporada, segundo disseram os próprios jogadores quando estávamos no topo da tabela. A próxima partida é fora de casa, contra o Middlesbrough, adversário difícil, como pede a Premier League, e devemos ir em busca da vitória a qualquer custo.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.