Header Ads

O Vila Nova de 2016

Problemas fora dos gramados, renúncias da diretoria, a volta frustrante para a elite do Goianão, sua estreia na Copa Verde. Uma Série B equilibrada e o visitante indigesto. Em 2016 o principal objetivo era manter a reconstrução da equipe, o clube vinha de uma Divisão de Acesso e da Série C, após viver seu pior momento. Ao retornar a elite do estadual o Vila chegou a semifinal caindo para o rival Goiás. E viu sua primeira participação na Copa Verde escapar nas quartas de finais e por mais uma vez viu o sonho de chegar a Série A esbarrar nas diversidades do dia-a-dia. Confira o ano do Tigrão.

A REFORMULAÇÃO DO ELENCO

Foto: Reprodução / Vila Nova FC.
O Vila sofreu com o desmanche no início do ano quando perdeu grande parte do elenco campeão da Série C, ao iniciar a reformulação a maior aposta do clube foi o badalado Wendell Lira que na ocasião era finalista do Prêmio Puskás da FIFA. O atacante chegou a ser a maior atração do Goianão 2016, Lira chegou a disputar apenas nove jogos com a camisa do Vila, o jogador não mostrou para o que veio e saiu sem marcar nenhum gol e sem muito destaque. Uma verdadeira decepção para o torcedor, que esperava mais do atacante.

O Vila Nova foi o último clube do atacante, aposentado Wendell hoje e jogador profissional de vídeo game, além disso, ele ainda conta com seu canal no YouTube sobre games. Após anunciar Wendell Lira, o Vila ainda anunciou a vinda por empréstimo do volante Luiz Fernando é do meia Fernando Neto vindos do Fluminense, do atacante Diego Cardoso do Santos. É a volta de dois ex-jogadores do clube, os zagueiros Gustavo Geladeira e Douglas Assis.

GOIANÃO

Semifinal do Goianão 2016. Foto: Reprodução / globoesporte.com/go.
De volta à elite do Campeonato Goiano o Vila terminou a fase de grupos atrás dos rivais Goiás e Atlético. O Colorado abriu o campeonato diante do Goiás, o time demorou a reagir na competição. De cinco rodadas, o time só conseguiu vencer uma, empatar duas saindo derrotado em outras duas partidas. Não sabendo aproveitar sua volta, o time sofreu para garantir sua classificação por pouco o Tigrão não fica fora da fase final.

O gol salvador de Diego Cardoso, um dos poucos do atacante no empate diante do Aparecidense na última rodada da fase de grupos, colocou o Vila de volta a uma semifinal do Goianão. Mal sabia o que se esperava na competição. Classificado em quarto da chave, o Vila enfrentaria o Goiás melhor colocado. Ao empatar por 1x1 o jogo de ida o torcedor esperava chegar a grande final. Porém mais uma vez a camisa verde teve mais peso ganhando o segundo jogo por 1x0 indo a final é sendo campeão do estadual. Com isso o Tigrão somou 11 anos sem título da competição.

COPA VERDE

Foto: Reprodução / O Popular.
Disputando a recente Copa Verde pela primeira vez o Vila Nova entrou na competição com uma goleada diante do Luverdense, em Goiânia. O objetivo era ser campeão, em seu caminho a dificuldade fora dos gramados atrapalho é o time foi até seu limite. A equipe caiu nas quartas de finais nas penalidades para o Gama, em Brasília.

BRASILEIRÃO SÉRIE B

Foto: Reprodução / Vila Nova FC.
Antes mesmo de começar o Brasileiro o grande objetivo do time era fugir do rebaixamento, nos últimos anos a Série B não parecia mais ser o lugar do clube. Devido as últimas idas e voltas do Vila na Série B a diretoria sempre deixou claro para o torcedor que seria esse o planejamento da equipe. Objetivo nada fácil de ser conquistado, nas primeiras partidas o Vila enfrentou equipes consideradas fortes chegou a amargar a zona de rebaixamento.

Entre altos e baixos a equipe conseguiu se reerguer fazendo uma campeonato mediano, não estava nos planos da diretoria brigar por acesso, mas o clube chegou a sonhar com o G4. O grupo dos quatro primeiros ficou próximo, sonharam mais era tarde. O grande fator para que esse sonho não se tornasse realidade foi a campanha ridícula da equipe dentro de casa. Ao contrário disso o Colorado foi um visitante nada agradável, a equipe chegou a vencer adversários complicados fora de casa, entre eles o Vasco líder do campeonato até então. Junto com Guilherme Alves, a equipe conseguiu triunfos jamais conquistados na história do clube.

O Tigrão venceu pela primeira vez Vasco no Rio, Bahia em Salvador ainda quebrou tabus de anos diante do Paraná, CRB e do arquirrival Goiás.

A VOLTA DO OBA

Foto: Reprodução / Vila Nova FC.
O Tigrão optou por disputar o Brasileirão no seu estádio próprio. O Onésio Brasileiro Alvarenga passou por uma reforma, mas não foi como o planejado. Em sua volta, Vila recebeu o Ceará que acabou com a festa dos Vilanovenses, goleou a equipe da casa por 4x3. A equipe chegou a se revezar entre o Serra Dourada, OBA e Olímpico e nenhum o Vila aproveitou o fator campo.

RENÚNCIAS E NOVAS ELEIÇÕES

A renúncia do presidente, Guto Veronez, Foto: Reprodução / Vila Nova FC.
Na metade do ano a renúncia do primeiro e segundo vice-presidente financeiro, diretor de marketing, e da diretoria jurídica do clube pegou o torcedor de surpresa. O clube parecia viver novamente refém de diretores amadores.

Por fim veio à renúncia do presidente Guto Veronez. Guto ficou a frente do Vila por um ano e dois meses, nesse período o Tigrão conquistou os títulos da Divisão de Acesso e do Brasileiro Série C. Guto abandonou o barco na semana do último clássico de 2016 diante do Goiás. Com isso, Ecival Martins assumiu o comando temporário, e no inicio do mês de novembro foi eleito novo presidente do clube em novas eleições.

2017

Mazola Jr estará a frente da equipe em 2017. Foto: Reprodução / Vila Nova FC.
Pensando em 2017 o Tigrão apresentou recentemente as primeiras renovações e os primeiros reforços entre eles o técnico Mazola Júnior. Permanece na equipe para 2017, o laterais Maguinho e o jovem da casa Patrick, o atacantes Moisés, Matheus Anderson e Vandinho, os volantes Geovane e Fagner além de vários pratas da casa que devem se juntar ao elenco. Chegaram o goleiro Wendell, o lateral Jhonatan e o meia Hiroshi.

Em 2017 o clube estará de volta a Copa do Brasil, o Tigre não disputava o campeonato a mais de 10 anos. Para o próximo ano esperamos por um time competitivo, com garra dentro em campo e com organização fora dele. O Vila Nova precisa voltar a pensar grande. Mazola Júnior terá bastante trabalho pela frente, espero que seja persistente. 

Um comentário:

  1. Belo texto, que em 2017 tenhamos dias melhores, e Ecival faz eu queimar a língua e leve esse time pra série A!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.