Header Ads

Guia da Libertadores 2017 – Grupo 7


GRUPO 7: Nacional (Uruguai), Chapecoense (), Lanús (Argentina) e Zúlia (Venezuela)

Por: Gabriel da Cruz, Marcelo Weber (Twitter: @acfmarcelo) e Stéfano Bozza (Twitter: @stebozza) e Marcos Paulo (Twitter: @Makavista)

Escudo del Club Nacional de Football.svg
Club Nacional de Football

Fundação: 14 de maio de 1899
Cidade: Montevideo Uruguai
Estádio: Gran Parque Central
Melhor campanha: Tricampeão (1971, 1980 e 1988)
Última participação: 2016

O Nacional-URU é um gigante do continente e não a toa entra como cabeça de chave do Grupo 7. Após mostrar um bom futebol em 2016, voltou a ter um papel de protagonismo na Libertadores, mas a vaga foi garantida através do Campeonato Uruguaio. Em 2017, completará vinte e uma participações seguidas nesta competição, um grande recorde.


O Nacional foi algoz de Palmeiras e Corinthians na Libertadores 2016 (Foto: AFP Photo/Nelson Almeida)
O tricampeão da América, porém, não faz boa campanha no torneio há muito tempo. Em 2009, foi às semifinais pela única vez nos últimos 28 anos. Na edição passada, conseguiu avançar para o mata-mata num grupo onde era considerada a terceira força, onde Palmeiras, Rosário Central e o modesto River Plate, também do Uruguai. Nas oitavas, surpreendeu novamente empatando em casa e vencendo em plena Arena Corinthians. Após eliminar o até então campeão brasileiro, o sonho do tetra parou nas mãos de Augustin Orion, goleiro do Boca Juniors, em uma disputa de pênaltis emocionante, na Bombonera lotada.

Depois da eliminação, o elenco tricolor sofreu uma baixa muita sensível, o seu principal jogador: Nicolas Lopez. Também chegou Martin Lasarte para ocupar a vaga de Gustavo Munua, que deixou a instituição após o fim do campeonato local, por não se sentir respaldado pela diretoria. Além de manter a sua base, a equipe se reforçou com jogadores de qualidade, como Tabaré Viudez e o promissor Brian Lozano.

Kavin Ramirez é figura importante do Nacional atualmente (Foto: Divulgação/Nacional-URU)
Com a saída de Nicolas Lopez, Kevin Ramirez se tornou a grande figura da equipe com grandes atuações no meio doméstico, as quais o postularam a ser convocado pela celeste olímpica. O capitão e zagueiro Diego Polenta é uma figura fundamental, atleta que cultiva uma grande identificação com a instituição, rejeitou propostas vantajosas para o atleta, como a do River Plate e Flamengo, com cifras econômicas inviáveis de serem pagas no Uruguai. Após sete anos, Álvaro González voltou ao clube, podendo agregar muita experiência e liderança, fatores que contam muito na competição continental.

O tradicional clube uruguaio chega nesta edição com uma expectativa que não se via há muito anos no futebol local. Além de contar com uma fanática torcida que empurra os 90 minutos quando atua em casa. O Nacional atua em seu estádio, o Parque Central, com capacidade para 35,5 mil espectadores, que ficam próximos ao gramado, principalmente atrás dos gols. A pressão é grande – mesmo quando joga no Centenário, onde disputa seus jogos mais importantes –.

Porém, o maior trunfo da equipe “Bolsilluda”, é contar com um elenco com muitas peças de alto nível. Sem sombras de dúvidas, é a equipe mais qualificada da última década, na qual a torcida deposita muita confiança. Em um grupo de adversários com pouca experiência nesta competição, a chance de classificação é bastante viável, além de ser o favorito a classificar em primeiro.

Novo escudo da Associação Chapecoense de Futebol.pngAssociação Chapecoense Futebol

Fundação: 10 de maio de 1973
Cidade: Chapecó 
Estádio: Arena Condá
Melhor campanha: Estreia em 2017
Última participação: Nunca participou

A Associação Chapecoense de Futebol faz sua primeira participação na Taça Libertadores da América, vaga conquistada da forma mais triste da história da competição, após o acidente com o avião que levava a delegação do Verdão para a Colômbia, aonde enfrentaria o Atlético Nacional na primeira final da Copa Sul-Americana. Ao total, 71 vítimas, sendo jogadores, comissão técnica, diretores, convidados e repórteres, quatro sobreviventes resistiram ao acidente e ainda se recuperam. O acidente fez os colombianos se solidarizarem com o povo Chapecoense, abrindo mão e entregando o título da competição para o clube catarinense.

Palmeiras x Chapecoenxe
A Chapecoense iniciará a sua caminhada na competição mais importante da sua história (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
Já se passaram três meses, e a Chapecoense ainda em meio sua reconstrução, inicia a caminhada na competição mais importante da sua história. Com 24 contratações, 11 jogadores promovidos das categorias de base, e cinco jogadores que não viajaram a Colômbia e permaneceram. O zagueiro Douglas Grolli, revelado nas categorias de base do próprio clube, foi quem marcou o primeiro gol após o ocorrido, contra o Palmeiras.

Com Vagner Mancini no comando da equipe, aos poucos vai se desenhando sua equipe titular, entre os principais destaques, os atacantes Rossi e Niltinho, com muita velocidade, ambos são as armas do técnico para a criação de boas jogadas ofensivas. Destaque também para a volta do lateral direito Apodi, que se passou pela equipe em 2015. Neste início de temporada, a Chapecoense terminou o turno do Campeonato Catarinense na vice-colocação, três pontos atrás do Avaí, que ficou com o título.


v (Foto: GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO)
Os torcedores da Chape serão fundamentais para o time (Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)
A principal força do Verdão na competição deverá ser a Arena Condá, com capacidade de 22 mil torcedores, o templo aonde gigantes do futebol brasileiro e Sul-Americanos caíram, com as arquibancadas muito próximas ao gramado, transforma a Arena em um caldeirão. O Verdão entra na Libertadores com objetivo de avançar na fase de grupos, e novamente surpreender a América.

Lanus logo.pngClub Atlético Lanús

Fundação: 03 de janeiro de 1915
Cidade: Lanús Argentina
Estádio: Néstor Díaz Pérez
Melhor campanha: 2014 (Quartas)
Última participação: 2014

Longe dos grandes holofotes entre os times do seu país, o Lanús conquistou apenas o seu segundo título do Campeonato Argentino na história em 2016, com direito a uma sonora goleada por 4 a 0 sobre o San Lorenzo na decisão. Assim, garantiu a sua participação nesta edição da Copa Libertadores de 2017, onde promete surpreender e dar muito trabalho. Não por acaso, também bateu o gigante River Plate na Supercopa Argentina mais recentemente.

Lanus campeão argentino 2016 (Foto: AP)
O Lanús é o atual campeão argentino (Foto: AP)
Não que seja uma equipe com grandes nomes, especialmente para o público brasileiro. São bons valores, sem estrelas, mas com muita organização e dedicação dentro de campo. O grande destaque é o meia Martínez, grande cérebro do time e capaz de criar boas oportunidades de gol para os atacantes Acosta e Pepe Sand.

O treinador Jorge Almirón conseguiu formar uma equipe muito sólida e competitiva, especialmente em jogos mata-mata como fez na Supercopa Argentina. Os jogadores entram com a faca nos dentes e jogam com muita intensidade, como se fosse a última partida do ano. A ideia de sufocar os adversários nos primeiros minutos costuma funcionar.

O clube argentino também foi campeão sul-americano recentemente (Foto: Victor R. Caivano/AP)
Um fato que pode pesar contra é o histórico: Esta será apenas a sexta participação dos argentinos que ignoram esse fato e acreditam na possibilidade de surpreender e brigar pelo título. Porém, já conquistou a segunda competição mais importante do continente recentemente, a Copa Sul-Americana de 2013 – Batendo a Ponte Preta na decisão. A ideia é fazer da Libertadores 2017, o principal torneio do ano, deixando o campeonato nacional como segunda opção.

Em ascensão nos últimos anos, o Lanús tenta superar a sua melhor campanha no ano de 2014, quando só foi eliminado para o Bolivar nas quartas. Pelo menos a classificação para a segunda fase é algo bastante viável. O clube argentino terá a companhia do modesto Zúlia, do tradicional Nacional-URU e uma Chapecoense em processo de reconstrução. Mesmo sem um grande time tecnicamente, tem boas chances de avançar.

Resultado de imagem para Zúlia Fútbol ClubZúlia Fútbol Club

Fundação: 30 de junho de 2005
Cidade: Maracaibo Venezuela
Estádio: José Encarnación Romero
Melhor campanha: Estreia em 2017
Última participação: Nunca participou

O Zúlia foi fundado em 2005 e fará sua primeira participação na principal competição continental. Sua entrada no torneio se deu após o emocionante título do Clausura, vencido contra o tradicional Deportivo Tachira, nos pênaltis em San Cristóbal. Após este duelo, a equipe fez a finalíssima contra o Zamora, onde se se sagrou vice-campeã, perdendo os dois jogos pelo mesmo placar de 2X1. Também no ano de 2016, a equipe “negriazules” foi campeã da Copa da Venezuela, vencendo a equipe do Estudiantes de Caracas pelo placar de 2X0 no agregado.

Equipe que disputou a final da Copa da Venezuela 2016 (Foto: El Informador)
Para esta edição do torneio, o time de Maracaibo decidiu apostar em nomes experientes e de passagem pela seleção venezuelana, como o arqueiro Rene Vega (37 anos), o volante jovem e promissor Yohandry Orozco (que jogou pelo Wolfsburg-ALE) e o consagrado meia Juan Arango (36 anos) de belíssimas passagem pelo futebol da Espanha e da Alemanha, talvez seja um dos maiores jogadores da história da Venezuela.

Mesmo com a chegada de jogadores experientes, um jogador em especial chama a atenção neste elenco. Trata-se do meia atacante e camisa 10 da equipe, Jefferson Savarino. O atleta de 20 anos foi o grande destaque da equipe em 2016 e o principal nome das conquistas do Zúlia. Jogador de boa velocidade, bom passe e de muito bom arremate, Savarino foi o artilheiro da temporada anterior e já começou muito bem o ano de 2017. É um jogador de enorme potencial e que pode em breve figurar em alguma liga mais competitiva, tanto na América do Sul quanto no próprio futebol europeu.

Jefferson Savarino é o grande destaque da equipe Petrolera (Foto: Vision Noventa)
Neste ano, a equipe tem feito uma dos melhores campanhas entre todos os participantes do apertura venezuelano. Atualmente ocupa a 4ª colocação com 10 pontos em cinco jogos, mas com um jogo a menos em relação ao líder Deportivo Lara e ao vice-líder Zamora e com um saldo menor que o Deportivo La Guaira. O ataque ainda continua funcionando, já foram 12 gols na temporada, mas a defesa tem sofrido bastante e já teve nove bolas que balançaram a sua meta.

Pouco se pode esperar da equipe “petrolera”, devido a sua inexperiência no torneio, mas o que sabe do time do Zúlia é de que joga o autentico futebol do país, onde prima pela técnica, velocidade e habilidade de seus atletas. Por conta disso, não conta com um forte sistema defensivo, o que poderá fazer com que os seus jogos na Libertadores seja sinônimo de gols.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.