Header Ads

Uma carreira toda dedicada ao Arsenal: Apresento-lhes Tony Adams

Um grande clube possui muitas lendas, que na maioria dos casos são jogadores com enorme capacidade técnica e um talento extraclasse. Jogadores que dão orgulho aos fãs do clube, de todas as gerações. São atletas que entram para a história, por intermédio de títulos, mas, além disso, pelo respeito e comprometimento que tem pela instituição – caras que honram a camisa. Partindo deste pressuposto, preciso falar sobre Tony Adams, um dos maiores símbolos do Arsenal, nosso eterno capitão – O Mr. Arsenal.

Tony Alexander Adams nasceu no dia 10 de outubro de 1966; Natural de Londres, Adams iniciou a carreira no ano de 1980, com 17 anos de idade, quando se juntou à Escola Infantil do Arsenal. Tony Adams, junto com Lee Dixon, Nigel Winterburn e Steve Bould – o último, seu parceiro de defesa e atual assistente técnico de Arsène Wenger no clube –, fez parte de uma das linhas defensivas mais fortes da história do futebol inglês, conhecidos como “famous Back Four”. Comandados por George Graham, marcaram época na Inglaterra... foram anos incríveis para o torcedor Gooner.

Tony Adams teve uma ascensão muito rápida no clube, já com 21 anos de idade, no fim dos anos oitenta, se transformou no capitão mais jovem do Arsenal, liderando o clube neste posto pelos 14 anos seguintes, até a sua aposentadoria. Sua vasta qualidade técnica, liderança e paixão ao jogar futebol o levaram à seleção inglesa, onde também se tornou capitão, após a aposentadoria de Gary Lineker em 1992. Pelo english team, Tony alcançou às semifinais da Eurocopa de 1996, perdendo para a Alemanha nos pênaltis.

No total, Tony Adams levantou 12 troféus pelo Arsenal, sendo eles: 4 títulos da liga nacional, dois no modelo antigo (1988-89, 1990-91) e dois na versão Premier League (1997-98, 2001-02); 3 títulos da FA Cup (1993-94, 1998-99, 2001-02); 1 título da Copa da Liga Inglesa, à época intitulada como Rumbelows Cup (1993); 3 títulos da FA Community Shield (1998, 1999, 2002) e 1 título da Recopa Europeia (1993-94). Além dos títulos, Adams é também o segundo jogador em toda a história do clube a vestir mais vezes a camisa do Arsenal em partidas oficiais (669 jogos), atrás apenas de David O´Leary (722 jogos). Pelo clube, Adams marcou 48 gols. O mais especial deles, na temporada 1997-98, contra o Everton em Highbury, no jogo da festa pelo título da Premier League, Tony fez um gol digno de centroavante, após lançamento digno de um playmaker de Steve Bould. Nossos defensores se divertiram assumindo novos papéis. Este gol de Adams foi escolhido pelos torcedores como o décimo primeiro gol mais histórico e relevante do Arsenal em todos os tempos. Veja...
"Jogue para o nome na parte dianteira da camisa e recordarão o nome na parte traseira" 
(Foto: Arsenal.com).
A vida pessoal de Tony é um tema que deve ser abordado ao contar sua história, mesmo eu não gostando muito de invadir a particularidade dos jogadores. Acontece que, Tony Adams foi mais um que sofreu, e muito, com o alcoolismo. Frequentemente se envolvia em brigas, foi multado duas vezes por dirigir embriagado e no ano de 1990, Tony foi detido e ficou preso por três meses após dirigir sob efeito de álcool.

Ray Parlour, ex-companheiro de Adams no Arsenal e grande lenda do clube, em entrevista ao Daily Star falou um pouco sobre os hábitos boêmios dos atletas da década de 90: “Eu sempre me lembro da primeira pré-temporada com Arsène Wenger. Novos colegas tinham chegado da França: Emmanuel Petit, Patrick Vieira e Gilles Grimandi. Nós trabalhamos muito, e ao fim da viagem Wenger disse que poderíamos sair. Então, nós fomos direto ao pub, enquanto os franceses foram a um Coffe Shop. Eu sempre me lembro do momento em que Steve Bould foi ao balcão e pediu 35 pints de cerveja para cinco de nós. Quando saímos do pub, logo avistamos os franceses, conversando e fumando, e então pensei: “Como vamos ganhar a Premier League este ano? Somos todos bêbados e fumantes!”. Fato é que venceram...

Ninguém do elenco Gunner, entretanto, sofreu tanto com isso como Adams. Em entrevista ao programa de TV, Fiebre Maldini, Tony disse: "Em 1995, minha vida pessoal era uma bagunça, eu abusava do álcool. Desta vez, junto com o pior momento do Arsenal desde a minha chegada ao clube. Houve uma parte de minha vida em que passei mais tempo em bares do que em treinamentos. Em 1996 eu estava no hospital por uma grave lesão no joelho. Minha esposa estava indo para o tratamento e os meus filhos foram morar com minha mãe, minha casa era um desastre. Naquele tempo houve um colapso na minha vida pessoal e profissional. Eu bebi por 12 anos e não queria parar. Eu estava na prisão, eu caí da escada e ainda queria continuar a beber".

Após a Eurocopa de 1996, ele assumiu que era alcoólatra e buscou tratamento. Tony foi um dos principais famosos ingleses a conseguir vencer a luta contra o alcoolismo.

A chegada de Arsène Wenger no clube, em 1996, foi um dos pontos positivos para a recuperação e reabilitação de Adams, já que o francês chegou ao clube e reformulou a dieta de seus jogadores. Com certeza, a melhoria do regime foi fundamental para a extensão da carreira de Tony, e de alguns outros atletas no clube. Adams recompensou o auxílio do treinador e o ajudou sendo peça fundamental nas conquistas da Premier League em 1997-98 e 2001-02. Ele é o único jogador da história da Inglaterra a conquistar em décadas diferentes o campeonato nacional.

Em 2002, após a final da FA Cup contra o Chelsea, onde o Arsenal foi campeão após vitória por 2-0, Tony Adams se aposentou definitivamente do futebol profissional, aos 35 anos. O número 6, usado por Adams, também foi aposentado até 2006, em forma de homenagem ao capitão mais bem-sucedido da história do clube. Neste mesmo ano, em 2002, o Arsenal promoveu um jogo amistoso contra o Celtic, para festejar a carreira de Adams. Muitas lendas do clube jogaram, incluindo Ian Wright, John Lukic e os eternos parceiros de defesa de Tony: Lee Dixon, Nigel Winterburn e Steve Bould; Em 2004, Tony Adams foi incluso no Hall da Fama do Futebol Inglês, por toda sua importância no esporte do país; Tony também recebeu outra homenagem do Arsenal, ao ganhar uma estátua em frente ao novo estádio, Emirates Stadium, inaugurado em 2006. Ao lado de Dennis Bergkamp, Thierry Henry e Herbert Chapman, Adams faz parte de um grupo seleto de lendas que receberam tal homenagem.
O eterno gesto de nosso líder imortal (Foto: Arsenal.com).
Um símbolo de lealdade, amor e respeito a um clube. O clube pelo qual dedicou 22 anos de sua carreira como jogador, sendo o líder da artilharia pesada de nosso arsenal. Este, Tony Adams, o legítimo Mr. Arsenal. Para sempre um Gunner.

Por: Thalles Monari // Twitter: @_thallesmonari 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.