Header Ads

Um time que joga quando é pra valer

Foto: Lucas Merçon/FFC
Todos os jogadores que critiquei no texto antes do jogo contra o Goiás foram bem na partida. Digo que não compraria um carro usado da dupla de zaga e além dos dois fazerem gol, executaram uma partida sólida. Pedro, que estava em baixa coincidentemente após a torcida se empolgar demais e esquecer que Dourado tem o triplo de gols e sabe bater pênalti, fez gol aproveitando um passe horrível de Wellington que acabou funcionando. A torcida compareceu, mesmo sendo o jogo da TV. Os bons tempos aparentemente voltaram de tal forma que ofuscam o fato de que Sornoza não pode bater pênalti de novo, ele é pior nisso que o Scarpa. A bronca do Abel faz milagres.

Corta para o Maracanã de novo. Sábado à noite. Fluminense x Vasco. As desculpas que os vascaínos dão para aquele 3 x 0 da primeira rodada são várias: "Cristóvão ainda estava treinando", "O time era bem diferente, tinha Julio dos Santos e Escudero" e "Primeiro jogo da temporada". Pois bem, dessa vez o pessoal da Cruz de Malta vinha de seis partidas invicto, com algo parecido com um time de futebol e confiante depois de vencer os reservas dos reservas de um time da Série A após terem um jogador expulso. Um jogo onde a coisa mais vistosa foi o terno de Milton Mendes.

Com tudo isso, não surpreende que o primeiro lance do clássico tenha sido uma cotovelada de Luis Fabiano em Henrique. Seria injusto falar que não houve esforço, mas nem parecia que eram eles que precisavam evitar o empate. Fizeram Cavalieri trabalhar algumas vezes, mas nada tão apavorante. Assombroso por sua vez é ver que o Fluminense tem tantas peças boas que falta espaço. Wendel desbancando Douglas justo no ano em que ele jogava melhor. O time jogando tão bem, ou melhor, sem o Scarpa. Richarlison sendo uma realidade. Wellington jogando tudo em clássicos ou decisões, compensando alguns momentos displicentes. Um time que faz minha postagem passada ser ridícula.

Mas ontem quem passou vergonha foi o adversário. O respeito, tal qual o Vasco, estava entrando de férias. Ainda que o jogo estivesse brigado até o primeiro gol, já no segundo tempo. A partir daí o Fluminense foi o Renato Aragão com o extintor de incêndio e o Vasco era o Sargento Pincel. Diversão garantida e gargalhadas de quem vos escreve. Lucas dá um chapéu na grande área e Wellington Silva faz de letra entre as pernas de Martin Silva. Eu sempre rio quando revejo o lance. Com tudo perdido, os cruzmaltinos perdem a linha. Wellington corta, para, dribla, volta, dribla de novo, dribla o juiz caído sem conseguir acompanhar tudo aquilo e finalmente apanha. Consegue a expulsão do vascaíno logo após o time colocar dois atacantes no desespero.

Mas o extintor que ia na cara do Vasco ia também na da própria torcida. Pra completar o placar, Léo Pelé, que vinha recebendo críticas da torcida, cabeceia tal qual um centroavante e fecha o placar. Um time tão fascinante que consegue se superar em pouco tempo, dá até pra ter esperanças com o resto do ano. No entanto, aquilo que falei dos reforços continua sendo válido, não vamos empolgar, achar que tudo está perfeito e bradar que o respeito voltou, um dia poderemos estar de férias já em abril e só ter o Brasileiro pra jogar pelo resto do ano. Esse seria o momento de citar Macaé ou Volta Redonda, que jogarão a Série C, mas até eles disputarão duas competições no segundo semestre.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.