Header Ads

Arsenal e Arsène: Uma história sem fim

Um casamento baseado em uma fidelidade mútua: É assim que podemos classificar a relação entre Arsenal e Arsène Wenger. E este casamento perdurará ao menos, até 2019, já que nesta quarta-feira (31), o Arsenal através de suas mídias sociais, anunciou a renovação contratual do Boss, que permanecerá no comando técnico do clube por mais duas temporadas, chegando assim, a notáveis e raros 23 anos a frente de um mesmo clube.

É inegável que desta vez, a onda de protestos contra Arsène teve uma proporção nunca antes vista, chegando até, em dado momento, a superar àqueles que apoiam o treinador. Muito porque, desta vez, os resultados nas principais competições foram absolutamente frustrantes em sua grande maioria. Com uma eliminação vexatória na UEFA Champions League e a não classificação para a mesma por meio da Premier League, os pontos fracos do clube foram escancarados e, em um período de dois meses, o caos se estabeleceu na rotina de trabalho no clube. Naquele período, um novo contrato para Wenger estava fora de cogitação, no entanto, passada a tempestade dos primeiros meses do ano, as coisas começaram a funcionar nesta reta final; após uma intervenção na formação tática e no plano de jogo da equipe, Arsène mostrou que pode sim se reinventar. Assumindo a nova formação, o Arsenal além de retomar a confiança que parecia estar perdida, embalou uma boa sequência de bons resultados que o levaram ainda, a disputar uma vaga para a UEFA Champions League – algo já improvável meses atrás – e a erguer uma taça na temporada, após bater Manchester City e Chelsea em Wembley.

É este semblante que queremos ver sempre (Foto: The Telegraph). 
Entendo que muitos são contra a renovação e gostariam de vê-lo deixando o clube, ao invés de permanecer, mas acredite, a simples mudança no corpo técnico poderia ter um impacto muito mais negativo, que positivo, é simples de entender: O Arsenal tem um dono que pouco se importa com os resultados do time, contanto que esteja dando lucro a ele. Todo este discurso ambicioso de Stan Kroenke beira a hipocrisia.

Querendo ou não, o certo agora é que teremos Arsène Wenger no comando do clube por mais dois anos, e eu tenho total convicção de que ele, assim como nós, almeja conquistar títulos importantes e fazer todo o bem necessário para o clube, e a única forma de alcançarmos nossos objetivos na próxima temporada, é permanecendo unidos, em prol do Arsenal Football Club – assim como foi sábado –, desde os atletas que farão parte do squad, até nós, fãs de toda parte do planeta que seguimos fielmente o clube que amamos.

Por: Thalles Monari // Twitter: @_thallesmonari

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.