Header Ads

A por la duodécima — até o final



Minha querida velha senhora, não é demérito algum de vossa senhoria ser a vice-campeã da melhor competição do mundo, para a melhor equipe do mundo. À Gianluigi Buffon, minhas condolências, você não merecia isso.

O gigante Real Madrid mais uma vez sendo regente na Europa. Torcidas distintas mundo afora renderam-se a tamanha magnitude. Podemos dizer que o conformismo já perambula pelas torcidas dos rivais locais. Não há argumentos que possam refutar a paternidade do Real Madrid na Europa, isso foi demonstrado em campo na temporada 2016/17. Respeitem o atual campeão do Campeonato Espanhol e da Uefa Champions League.

Recordes, títulos e derivados tornaram-se banais para a instituição Real Madrid Club de Fútbol. Sim, isso mesmo que você leu. O Real Madrid simplesmente banalizou todas as competições e os recordes possíveis, tanto como coletivamente, como individualmente. A primeira equipe a conquistar um bicampeonato na era moderna da Champions League, o maior campeão da era moderna, o maior campeão da Champions League do século XXI, o maior artilheiro da história da Champions é da equipe merengue, o jogador com mais títulos da competição também é um ídolo esplendoroso e renomado dos blancos, grandioso Francisco Gento. E por aí vai.

O doblete remete o quão fomos regulares na temporada, o tanto que cada peça do elenco foi importante para a equipe, além de servir de lição para cada um daqueles que nos subestimaram. Não é mais arriscado dizer que nenhuma equipe no mundo para o esquadrão merengue, pelo contrário, já foi constatado. A tão estimada e poderosíssima Juventus (sem teor irônico) não foi capaz de assumir tamanha responsabilidade, e acabou tomando mais gols nessa final, do que tomou na competição inteira.

(Foto: Facebook/ Real Madrid C.F.)
A final, realizada em Cardiff, no Millennium Stadium, em País de Gales, neste sábado (03), teve uma expectativa condizente com o padrão de jogo que eventualmente aconteceria. Antes do jogo, muitos diziam que talvez seria a melhor final de Champions League dos últimos anos, e também a mais equilibrada. "O esquadrão montado por Massimiliano Allegri, de futebol pragmático e a melhor campanha da competição" versus "O futebol ofensivo e vistoso de Zinedine Zidane, com a avassaladora chacina merengue nos últimos confrontos do mata-mata da UCL".

No primeiro tempo, a Juventus dominava a partida e afunilava várias jogadas, acionando o Keylor Navas duas vezes em poucos minutos, sendo uma delas resultando em ótima intervenção do goleiro costarriquenho. Aos 20 minutos, Cristiano Ronaldo abriu o marcador na final, jogando água no fogo bianconero — em linguagem mais perceptível, neutralizou a pressão da Juve.

Poucos minutos depois, aos 27’, o croata Mario Mandzukic fez um belo golaço, empatando a partida. Primeiro tempo movimentado, intenso e igualado. Ambas equipes assíduas com ambição pela orelhuda. HT: Juventus 1-1 Real Madrid.

Segundo Tempo:

Durante o segundo tempo, a equipe merengue passou a propor mais seu estilo de jogo. Em meados dos 60 minutos, já havíamos colocado o jogo no bolso, e o título começou a ser assegurado — aos 61’, Casemiro fez o segundo gol da partida, um belo tapa de fora da área, recolocando a nossa equipe na frente. Aos 64’, em ótima jogada de Luka Modric, Cristiano Ronaldo recebeu dentro da área e tocou para o fundo das redes.

Benzema, Isco e Toni Kroos deram lugar a Gareth Bale, Marco Asensio e Álvaro Morata. Respectivamente nessa ordem. Substituições que deram sangue novo a equipe, sendo o quarto gol saindo dos pés da nossa joia espanhola, Marco Asensío. A equipe bianconera abdicou da retranca, não aguentaram a pressão merengue, jogaram a toalha de vez — Cuadrado foi expulso, começaram as faltas bobas, marcação fraquíssima, indigna da que ficou marcada por anular o Barcelona. FT: Juventus 1-4 Real Madrid.

(Foto: Facebook/ Real Madrid C.F.)
Escalação do Real Madrid: Keylor Navas; Marcelo, Sérgio Ramos, Varane e Carvajal; Casemiro, Kroos e Modric; Cristiano Ronaldo, Benzema e Isco.

Escalação da Juventus: Buffon; Chiellini, Barzagli e Bonucci; Alex Sandro, Pjanic, Khedira e Daniel Alves; Dybala; Mandzukic e Higuaín.

Pela décima segunda vez, campeão da Uefa Champions League. Pela trigésima terceira vez, campeão do Campeonato Espanhol. Desde sempre: regente e patrão na Europa. #HalaMadrid #HastaElFinal.

"Campeones, campeones, ole, ole, ole..."

Venerem Cristiano Ronaldo, exaltem a atuação de gala de Luka Modric, além do mais: Jamais subestimem-nos. Goleada magistral consagrando o 12° título do Real Madrid.

Por: Kayo Henrique | | Twitter: @Heenrique010

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.