Header Ads

Juventus e Donnarumma, muito mais do que dinheiro

Gigi e Gigio (foto: LaPresse / Daniele Badolato)
E lá se vão mais de setenta de partidas onde Gianluigi Donnarumma teve os holofotes na Itália, seja no campeonato ou copas nacionais nestes tantos meses onde o jovem deixou todos estupefatos com sua altura e qualidade na meta do gigante Milan. Todavia, as comparações com a precocidade e possibilidade de substituir Buffon não apenas na seleção mas também no clube de Turim finalmente parecem ter um capítulo muito curioso depois da explosão na mídia italiana da sua não renovação com os rossoneri. E a Juventus, qual a ligação? Onde entra e o que fará? Quem tem culpa? Detalhamos o caso.

A Juventus nunca escondeu gostar de Gigio, ora, ninguém é louco para tal, partimos daí. As conversas para renovação de contrato entre o goleiro nascido em Castellamare di Stabia e o time então de Silvio Berlusconi e dirigido por Adriano Galliani falharam algumas vezes, as pedidas não só salariais mas sobretudo de projetos fizeram a coisa estagnar por meses em espera também da definição da venda do clube rossonero para o chinês conhecido como Senhor Li. Depois de alguns adiamentos e muito desconhecimento até sobre quem de fato estava comprando o enorme Milan, o negócio foi fechado, Berlusconi deu arrivederci e os chineses assumiram (não apenas Li, que é quase um intermediário de um conglomerado de investidores que nada tem a ver com o futebol, dentre estes o grupo Elliott que emprestou muito dinheiro para o negócio acontecer e que pode se tornar dona do Milan caso dívida de quase € 380 milhões feitas em nome do Senhor Li não seja paga até setembro de 2018 em cota única), direção nova, projeto novo e planejamentos a serem revelados.

A parte dois começa quando o agente (famoso e sempre polêmico) Mino Raiola entra em campo mais uma vez. As conversas não progridem também com a nova diretoria. O salário oferecido, segundo a mídia italiana, foi de mais de € 5 milhões por temporada algo que ainda sim não agradaram a parte do jogador que já recebia sondagens de vários clubes para saber o andamento, dentre estes a Juventus. O Milan ofereceu o salário, Raiola exigia multa rescisória para que eventualmente o jogador pudesse sair mediante pagamento da mesma, o clube recusou e a briga agravou-se até chegarem ao impasse de que não haverá renovação. Horas antes do anúncio do Milan sobre Donnarumma, Raiola almoçou com Giuseppe Marotta e Fabio Paratici, diretores da Juventus sobre o jovem Moise Kean e que ficará na Velha Senhora ganhando € 700 mil anuais limpos além da comissão normal que o famoso agente ganhará e este que vos escreve pensa que houve algumas palavras sobre o goleiro.

Indo mais a fundo, de maneira apassional, Raiola não faz o que os jogadores não permitem fazer. Exemplos não faltam: Pavel Nedved não foi pra Inter de Mourinho e briga durou anos com Mino, assim como Hamsik que recusou sair do Napoli para Milan e Juventus nesta década até briga com agente acontecer. Com Pogba, este jovem senhor que não pisa em campos de futebol ganhou quase € 50 milhões somando a parte do passe acordada com a Juve na chegada do francês em 2012 como também comissão do Manchester United (sendo que ano passado ele levou também Ibrahimovic e Mkhitaryan para os Red Devils, ganhando comissão em todas elas).

O Milan fez nesse ano um all-in no mercado (expressão tradicional no pôquer para dizer que apostou tudo) usando a grana que podia e adiando para o ano que vem o controle da UEFA com o Fair Play Financeiro (como exemplo, Roma pagou os € 30 milhões ano passado com a venda de Pjanic pra Juve, neste ano venderá Salah e outro embusca dos € 68 milhões para pagar a multa devida; Inter esse ano pagará com venda provavelmente de Perisic multa igualmente alta as do giallorossi da capital). O All-in feito é para morder a 4ª vaga italiana na UEFA Champions League 2018/2019 obtida a muito custo e conversa pelo dirigente da Juve, Andrea Agnelli, arrecadando obviamente mais e não ter problemas com a entidade europeia, entretanto senão conseguir, risco de multa ano que vem é enorme com possibilidade de não poder inscrever jogadores em torneios da mesma como a rival da cidade teve na última Europa League. Esta instabilidade no lado vermelho da Lombardia fez também com que o agente exigisse a multa caso o clube não fosse pra Champions League de 2018/2019, o que culminou com o caos e caso dos últimos dias. Aí entra a Juventus...

A Juve tem a situação de Buffon em seu provável último ano de carreira, já confirmado pelo mesmo e tem Wolciech Szczesny na mão mas ainda não oficializou, também por estar atenta aos recentes problemas ligados ao jovem Donnarumma e o brasileiro Neto de saída e que interessaria como “substituto” do camisa 99; O clube não está errado em observar de perto com o agente do jogador e os diretores admitem interesse. A Velha Senhora, também enorme, tem seu projeto, tem seu presente, tem seu futuro e economicamente é mais estável que o Milan na década, ou seja, é um risco enorme para os torcedores rivais que culpam o garoto e seu agente sim, mas o dito “Deus Dinheiro” e todo o seu poder no futebol não tem total responsabilidade, talvez menos do que pensam quando os interesses de cada um são colocados na linha.

Afinal, o que serão destas semanas de Gigio? Ficará os 12 meses de contrato restantes no Milan? Titular, reserva, nas tribunas assistindo de castigo ou vendido para o mais caro comprador?
Donnarumma e Juventus é um matrimônio por acontecer: O jovem e a Velha? Muitas perguntas, poucas respostas. Semanas ou meses de espera para um futuro promissor em cores indefinidas.

2 comentários:

  1. Belo texto, Thiago Bonapace sempre muito consciente se tratando da Juve.

    Brendo Rabello.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço demais pelas palavras.
      São um estímulo e O reconhecimento perfeito.
      Obrigado demais.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.