Header Ads

Cartilha do rebaixamento sendo seguida com sucesso

Vergonha. Essa é a palavra que define o Figueirense não só de ontem na partida contra o América-MG, mas também na Série B - ou até mesmo no ano como um todo.

Seguindo a risca a cartilha do rebaixamento, Figueirense caminha a passos largos para a Série C (Foto: Luiz Henrique/Figueirense FC)
A derrota acachapante para o time mineiro na noite desta última sexta-feira (21), na Arena Independência pelo placar de 4x2, só foi um dos reflexos do péssimo ano alvinegro. Os gols da equipe de Belo Horizonte - marcados por Norberto, Luan, Ruy e Messias - vieram ao natural, com falhas defensivas que viraram rotina no time alvinegro.

O torcedor alvinegro que sempre apoia independente de fase, hoje chegou em seu limite e não aguenta mais. O ódio, o incômodo, a insatisfação de ver a sua maior paixão se afundar no poço é irrefutável e só faz o torcedor se afastar do clube em meio a tudo o que acontece.

O Figueirense em 2017 tem uma de suas piores temporadas dos últimos 20 anos. Estamos vendo o mês de agosto se aproximar, e a equipe alvinegra já disputou 38 jogos. Destas 38 partidas, o Figueirense sofreu 17 derrotas, empatou 13 vezes, e venceu apenas 8 (oito) jogos. Sim, você não leu errado. O Figueirense Futebol Clube tem uma média de praticamente uma vitória por mês.

Ainda nesta mesma temporada, o Figueirense já está no seu terceiro treinador. Marcos Santos e Márcio Goiano já passaram pela área técnica alvinegra onde hoje está Marcelo Cabo que já tem o seu emprego ameaçado. Cleber Giglio começou o ano como Superintendente de Esportes e ao lado de Wilfredo Brillinger foi trazendo reforços prometendo um grande time para a disputa do título catarinense. O resultado foi um dos piores possíveis, e o Figueirense por pouco não foi rebaixado.

Todos achavam que o quase rebaixamento no Catarinense era o fundo do poço, mas o pior estava por vir (Foto: Léo Munhoz/Agência RBS)
Terminado o vergonhoso Catarinense, Cleber Giglio foi embora, e Carlos Arini foi trazido para resolver o problema. Com ele, dispensas foram feitas, jogadores foram afastados para compor o 'Grupo 2' (hoje com Dirceu, Marlon, Ferrugem e Anderson Aquino), e inúmeras contratações realmente necessárias foram efetuadas. O bom começo da Série B foi ilusório para o torcedor, o que é aceitável, e também pareceu iludir a diretoria, o que é no mínimo preocupante. Mais novos jogadores foram trazidos, o desespero bateu, e o Figueirense chegou ao número de 32 contratações, com jogadores treinando em separado, outros no DM, e com jogador sendo contratado em agosto.

Com os quatro gols da última derrota, em meia temporada, o Figueira já sofreu o total de 50 gols. Claramente o problema alvinegro é a defesa, mas as contratações feitas são para o ataque, aonde hoje o Figueirense vai bem com dois dos artilheiros da Série B (Henan com 8 gols, e Robinho com 6).

No elenco o Figueirense possui oito zagueiros (Marquinhos, Leandro Almeida, Bruno Alves, Ferreira, Pereira, Trevisan, Naylhor, e Dirceu afastado), mas nenhum está dando conta do recado. Inúmeros esquemas foram inventados - inclusive com três zagueiros - e nada dá certo. Marquinhos, experiente no elenco, foi afastado à época por Márcio Goiano. Os dois foram personagens de desentendimento, com o zagueiro chegando ao ponto de mandar indiretas em suas contas nas redes sociais. Márcio Goiano foi demitido, Marquinhos voltou à zaga e as falhas seguiram e com inúmeros gols na conta do zagueiro.

As laterais são deploráveis. Na direita, Dudu era titular absoluto, porém fraturou o braço na partida contra o Londrina. Deste então, Weldinho assumiu a titularidade, não rendeu bem e nem sequer relacionado é mais. Na esquerda, Julinho, Lazaroni, Iago e Morassi são os disponíveis. E ainda temos João Paulo lesionado e Marlon afastado. Nenhum conseguiu se firmar e ser o dono da "camisa 6".

Hoje não só as laterais do Figueirense, mas como todas as posições são ocupadas por nômades. A cada jogo que se passa, os jogadores das posições mudam, os esquemas mudam, e só o que não muda é o presidente que é o maior culpado desta fase deprimente da equipe. E assim, com inúmeros erros, com um presidente que vem acabando com o clube por sete anos, o Figueirense vai seguindo a risca a cartilha de rebaixado.

Patrick Silva | @figueiradepre

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.