Header Ads

A escuridão do hoje e a luz do amanhã.

[Foto: Lucas Merçon/FFC]

Uma semana, dois jogos e várias homenagens ocorreram depois da tragédia ocorrida com a família Braga após o falecimento de João Paulo. Contrariando as especulações de que Abel não treinaria, iria tirar um tempo de folga ou até mesmo se aposentar, ele apareceu na segunda feira pra treinar o time, na quarta esteve em Recife para ser ovacionado pelos presentes e abraçado por Vanderlei Luxemburgo. O resultado não foi tão importante(até porque em condições normais eu nem contaria com um empate nesse jogo).

Então veio o primeiro jogo no Maracanã após todo esse turbilhão. Conforme sabemos, a torcida não tem aparecido como se é esperado, tal qual o time não rende tanto quanto alguns esperam, mesmo sabendo das limitações desse ano. Prejuízo no Maracanã e no Giulitte Coutinho, dois milhões no total até agora. Até por isso que durante a semana questionou-se quanto a torcida aparecer para um momento especial, que seria abraçar o nosso técnico. Seria bom vencer também, tanto por ser o lanterna e pelo fato de que a vida segue, apesar das feridas que nos deixa.

Fomos exemplares. O único minuto de silêncio comparável a esse em sua execução foi o para a Chapecoense meses atrás. Conforto e apoio é o mínimo e ao mesmo tempo tudo que podemos oferecer em um momento como esse, posso dizer que fizemos nossa parte. Os jogadores fizeram a deles em campo? Com certeza.

Wendel correu, montou a jogada ainda na defesa, correu bastante, brigou ainda mais e fez o primeiro gol. Como nossa defesa nunca nos deixará ter paz, Henrique foi quem cometeu a grande falha do dia, garantindo o gol do Dragão. Felizmente não foi do Walter. Wellington fez o segundo ainda no primeiro tempo, mostrando que o que não serve pra enfrentar o Neymar na França, serve muito bem pra cá. Henrique Dourado voltou a comprovar que somente ignorantes afirmam que os gols saem de pênalti, foi um belo voleio. Além disso, o lateral esquerdo novo não parece ruim, mas ele não é muito defensivo. A conferir.

As cicatrizes fecham e a vida segue. Talvez o desastre sirva de inspiração para voos mais altos ou dignos. Tanto no Brasileiro como no resto. Mesmo com a tabela da Sulamericana sendo um desastre para nós. Mesmo com a Primeira Liga parecendo uma coisa inviável. Mesmo com nossa defesa tomando gol em quase todos os jogos do Brasileiro, exceto contra o Avaí.

Agora temos dois Joões ilustres olhando por nós.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.