Header Ads

L'inizio

“Abrem-se as cortinas e começa o espetáculo”. A célebre frase eternizada por um dos maiores narradores da história do rádio brasileiro, Fiori Gigliotti, é o início dos meus textos sobre a Juventus nesta temporada de 2017-2018. Uma temporada com muitas perguntas a serem respondidas e muitas metas a serem atingidas.

“Asensio 4-1, é finita”. A frase do narrador que ficou famosa com os torcedores adversários marcou o término da temporada passada. Não que precise de tradução, mas explicando no bom e velho português, foi o término da final disputada em Cardiff entre Real Madrid e Juventus, com o gol do espanhol. Melancólico, não? Se pensarmos em toda temporada realizada então, fica um buraco na alma. Motivos para entrar em crise existencial realmente não faltam.

A melhor forma para extirpar o passado é o enfrentando. Em uma excelente temporada o que faltou foi a cereja do bolo. Hexacampeonato italiano e tricampeonato da Copa da Itália. Um domínio interno jamais antes visto. Nas duas últimas finais de UCL acabamos por enfrentar equipes que, sem dúvidas, eram melhores que a gente (uma tinha, apenas, Messi, Neymar e Suarez e a outra uma equipe letal, liderada por Cristiano Ronaldo e Zidane). Paciência. Acabou. Vire a página.

Cada clube com suas características e individualidades. A Juventus não é como as outras equipes. Vocês não verão a Juventus gastar toneladas de dinheiro porque Dani Alves foi embora. Tão menos encontrarão uma Juventus desesperada em repor o zagueiro que tinha o melhor físico e mais 'futuro' do trio BBC (aos que não estavam neste mundo, Bonucci foi para o Milan por € 42M). Esta não é a Juventus.
Dybala é o herdeiro de Sivori, Platini e Del Piero com a camisa n.º 10. Foto: Juventus.com
Após todas essas temporadas vitoriosas, domínio absoluto, a Juventus chega nesta temporada com os louros das vitórias e as cicatrizes. Uma Juventus que possui uma simbiose com a vitória, com a objetividade, com a frieza e com o maior goleiro da história do futebol que, provavelmente, fará sua última temporada (a não ser que sejamos campeões da UCL, fato que fará Buffon disputar o Mundial de Clubes da FIFA).

Não contamos mais com Bonucci, Dani Alves, Neto e Lemina. Obrigado pelos serviços prestados e como diz o ditado: “a porta da rua é serventia da casa”.  Agora somos a Juventus de Douglas Costa, Wojciech Szczęsny, Mattia De Sciglio e Federico Bernardeschi. A janela de transferências não acabou, outros podem ir e outros podem chegar, mas junto a estes, continuamos a ser a Juventus de Buffon, Chiellini, Barzagli, Pjanic, Marchisio, Dybala (agora com a camisa 10 e benção de Alessandro Del Piero), Mandzukic e Higuain.

Nosso primeiro desafio do ano é enfrentar a Lazio pela Supercopa da Itália, no próximo domingo, 13, no Estádio Olímpico da capital italiana. Lazio que é velha conhecida, batemos na final da Copa da Itália, possui um bom time comandado por Simone Inzaghi e tem um trio que a Juventus observa muito de perto: o zagueiro holandês Stefan de Vrij (com contrato que expira em julho de 2018), o sérvio Sergej Milinković-Savić (ótimo meio-campo, seria minha opção n.º 01 para próxima contratação, que só sairá com bom investimento) e o ponta hispano-senegalês Keita Balde Diao (jogador muito comentado para uma saída não apenas para a Juventus, mas que vê Torino como seu lugar preferido).

Se iniciei com uma frase de Fiori Gigliotti, encerro com uma frase do eterno presidente Avvocato Agnelli: “Vincere non è importante, ma è l’unica cosa che conta”.

Fino alla fine, FORZA JUVENTUS!


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.