Header Ads

Joias da base e a camisa rubro-negra

Toda pessoa que faz parte do universo do futebol, principalmente o nacional, já deve ter ouvido a frase "craque o Flamengo faz em casa". Tantos anos aguentando cirinos e marcios araujos sem dar espaço pra base, agora quando o time está cheio da grana e contratando Deus e o mundo quem decide é a prata da casa. Futebol é um negocio muito louco, principalmente quando se trata de Flamengo.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Não adianta. Os clubes brasileiros têm que aprender essa receita de confiar mais na categoria de base. A base tem que ser pensada como alternativa e por mais que as contratações ajudem com a experiência, e o Flamengo investiu alto nelas, quem decidiu na hora que o time precisava de algo diferente foi as crias da casa.

O placar agregado foi 4-1 para o Flamengo e nessas duas partidas, podemos dizer, que os quatro gols vieram de jogadores da base: três de Felipe Vizeu e um do veterano Juan que também é criado na Gávea, aliás, Juan é um monstro na zaga! Mais uma atuação impecável do capitão rubro-negro. Além disso, Flamengo ontem teve uma alma de Copa, de time copeiro. E aonde ele conseguiu isso? Nos jogadores da base, jogadores que são identificados com o time.

Toda essa reflexão nos deixa uma pergunta: quantos outros jogadores o Flamengo poderia ter aproveitado melhor se o trabalho feito na base fosse mais sério? A gente percebe muitas vezes que os clubes brasileiros em geral contratam pra dar satisfação pra sua torcida, pra querer ser campeão no início do ano. Porque o Flamengo não começa a apostar fortemente na sua base que é muito vencedora? São jogadores de fato muito talentosos.

E como que o Flamengo está conseguindo chegar na final da Copa Sulamericana pra brigar pelo título?

Por causa das contratações que o Flamengo fez? Quem está decidindo agora pro Flamengo?

Foi o Berrío? Guerrero? Diego que não jogou bem e Éverton Ribeiro assistiu o jogo dentro de campo? Não.

Foi o César que estava há dois anos sem jogar. Acabou entrando numa fogueira daquelas que é ser arqueiro do Flamengo nesse momento, não se intimidou e pegou um pênalti, decidindo a partida; foi o incansável Paquetá; e foi o Vizeu que mostrou mais uma vez que tem personalidade e não te medo de tentar jogadas ousadas como no primeiro gol de ontem.

São esses jogadores que sabem o que é ser Flamengo, que se identificam com o clube. Foi com as jóias da base que o Mais Querido mostrou o poder da sua camisa frente ao Junior Barranquilla na Colômbia. 

No mais, saudações Rubro-Negras!

por Matheus Morais
@danosmorais_

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.