Header Ads

Coisas que a carência faz.

Na foto, Caio Henrique, um dos reforços para 2019 [FFC]

Escapamos de cair com muito mais dificuldade do que se imaginaria, tendo em vista que o ano parecia mais ou menos encaminhado apesar do time e do técnico não serem ideais. A crise está por toda a parte, ídolos saíram. Não há mais referências morias e técnicas no time. Temos Digão, que é cria da casa e deverá ser o capitão. Temos Pedro, que assim que provar não ser um sucesso de apenas uma temporada será vendido para cobrir nossas dívidas. Há algumas esperanças, mas de resto é terra arrasada. Falta um dia para o Carioca começar e não há maior cego no tiroteio que o Fluminense.
No que se apoiar em momentos de especulação, terror e experimentação? Experimentação, pois não bastasse o time ser duvidoso, temos como técnico o candidato a ser Marcelo Bielsa brasileiro, o revolucionário que ainda não confirmou seus feitos de forma longeva ou ao mesmo com um título: Fernando Diniz. Em meio a essa terra arrasada Fred está querendo voltar ao Fluminense, mas ainda prefere receber em dia por enquanto. Mantivemos jogadores importantes como Gilberto, Rodolfo e mantivemos nossa cota de jogadores do Criciúma com o Marlon.

Eu juro que queria entender a torcida o que faz pensar que Nenê, um jogador que parece ter um histórico de desestabilizar times quando as coisas não vão do jeito que ele quer, que ainda desperta rancor de palmeirenses por aparentemente ter abandonado o barco em 2002, o que me leva ao ponto que ele tem 37 anos. Será velho demais, caro demais, não creio que renderá o bastante ao longo da temporada para a dor de cabeça que causará. Aí temos Paulo Henrique Ganso. Quase todos acharam que ele seria o de mais sucesso quando surgiu com Neymar, eu estava entre eles e me enganei redondamente. Ele está vindo pra cá por pura falta de opção. Nenhum time que se dê ao respeito faria uma proposta ou teria dinheiro pra pagar seu salário, tendo em vista seus últimos anos. Tanto é que pro Santos ele não pode voltar, o Sampaoli está lá e os dois não deram certo trabalhando no Sevilla(vendo melhor o estilo de trabalho do Sampaoli, consigo entender bem os motivos), o São Paulo em tese não o quer de volta de acordo com sua esposa, que quando perguntada sobre ele ir pro Rio de Janeiro simplesmente respondeu "seja o que Deus quiser". Ela entregou pra Deus. Nós viramos o que sobrou pra hoje.

Nós viramos o que sobrou pra hoje para um jogador que não conseguiu se firmar nem em um time pequeno do campeonato francês. Um jogador que nunca teve lá ímpeto e agressividade jogando, sem falar na inexistente recomposição defensiva. O que muitos chamariam de sem sangue. Aí ele vai pra um time com uma torcida cansada, com esperanças perdidas, com gente que reclamava do Conca ser um argentino que não dava carrinho, com gente que bateu no Diguinho, que nunca foi um primor no futebol mas nunca lhe faltou vontade(o que as vezes foi sua ruína e a dos times que jogou, mas isso é um detalhe no momento). Aí eles querem contratar o Ganso. A menos que eu esteja bem errado, e espero que eu esteja, a torcida vai engolir esse meia paraense e não sobrarão nem penas pra fazer travesseiro.

Só queria saber onde anda a equipe de scouting do Fluminense, que teve meses pra achar uns meias no mercado sulamericano sabendo que é nossa posição mais frágil e não sondou ninguém.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.