Header Ads

Os deuses premiam quem joga bola



Eram 2 minutos de arquibancada quando um companheiro pergunta: 

"Você sabe quem é o juiz? E se é bom?"

Eu não fazia ideia. Aos 5min ele já respondeu. E o Inter se mostrou ao que veio.

Falta na lateral da área. Sóbis ficou uma vida enrolando pra bater, e o juiz deu trela. Quando cobrou, isolou a bola por cima do gol.

Assim seria o Inter durante 75min.

Aos 15, nada mais nada menos que QUATRO jogadores do Inter já haviam caído em algum momento. A estratégia era essa: não jogar; quando estiver com a bola, não atacar e deixar o tempo passar. Por isso, entrou com dois retentores de bola e não com dois velocistas nas pontas. O jogo era bicar pro Guerrero matar e trazer o time.

Aqui começa a vitória do Flamengo. Sabendo da importância dos pivôs de Guerrero, o rubro-negro colocava sempre dois jogadores juntos pra disputar a bola com o peruano. A coisa era tão importante que eu e meus companheiros fazíamos um placar só das disputas aéreas envolvendo Guerrero. O atacante foi jantado pela zaga rubro-negra.

No ataque, o time veio pouco inspirado. Everton Ribeiro sem ritmo e Arrascaeta debilitado (essa é a palavra) pouco criavam. Ameaçou de verdade apenas no final do primeiro tempo. Pra quem via de fora, deve ter sido um jogo chatíssimo.

Sai o uruguaio e vem Gerson. De início nada muda. Em dado momento o Inter quis tanto enrolar o jogo que arrumou cinco laterais seguidos. Era jogo pra ser cirúrgico nas oportunidades.

"Eu só queria que tivesse jogo", soltou um rubro-negro aleatório na arquibancada.

Foi lá pelos 20min do segundo tempo que percebi. Era um jogo de quartas de final de Libertadores e eu não estava desesperado. Meus colegas não pareciam amedrontados e não havia o clima de apreensão na arquibancada. Estranhíssimo.

Lembrei da mensagem de um amigo na véspera do jogo. "Cara, estou completamente otimista pra esse jogo. O que está acontecendo?"

É o que eu digo. No íntimo, o rubro-negro já entra no Maracanã sabendo como aquilo vai terminar.

Naquele jogo chato, modorrento, nervoso e burocrático, em que o Flamengo rodava, rodava, rodava e não achava espaço, foi em um dos únicos momentos que o Inter subiu o time que o destino foi selado. Everton Ribeiro, mal na partida, enxergou espaço em profundidade pra lançar Bruno Henrique. Disputa com zagueiro que sobra pra Gerson. Toque genial pra deixar o maior peladeiro do Brasil sem goleiro e colocar pra dentro. Flamengo 1x0.

É isso. Estava feito. O próximo era com a gente.

A massa tinha passado o jogo todo burocrática e irritada. Justamente pela falta de jogo. Mas ninguém, absolutamente ninguém, faz festa como nós. Quando a massa subiu a voz eu já sabia que o segundo vinha. 

Gabriel lançou de novo Bruno Henrique que deslocou Cuesta com um e toque e Lomba com um tapa. Flamengo 2x0.

Dali pra frente era só alegria. Nos últimos 10 minutos o Inter jogou tudo que não jogou o resto do tempo. Quem dera tivesse jogado assim o tempo, teríamos tido um jogo de verdade. Mesmo sem brilho, o futebol premiou quem buscou a vitória o tempo todo. No final, Nico Lopez perdeu gol feito em paçocada de Pablo Marí e ali o futebol foi justo como poucas vez ele é. O Inter não merecia o gol.

Festa, festa e festa. 

"Quanto tá a cotação do dólar mesmo? Será que a LATAM já tá fazendo promoção de passagem?". Alguém disse isso na arquibancada. Não sei quem fui.

O Flamengo é Flamengo quando joga pra frente. Ponto. 

E que seja semana que vem. Tomara que não jogue com regulamento embaixo do braço e só enrolando. Um gol feito lá pode ser o gol da vaga. A semifinal nunca esteve tão perto.

Que continuemos merecendo e jogando assim, e que os deuses continuem nos recompensando.

Apenas tentem não cruzar conosco amanhã. O flamenguista dorme essa noite como o ser humano mais feliz do mundo.

No mais,
Saudações Rubro-negras

(Fonte: Alexandre Vidal/Flamengo)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.