Header Ads

O mister do Flamengo


A sensação no momento em que Abel caiu era de que o Flamengo tinha jogado a temporada no lixo. Muito pontos atrás do Palmeiras com poucas rodadas e um time totalmente desarrumado. Uma verdadeira terra arrasada.

Mas esse foi o Flamengo antes de Jesus. Depois dele, seria outro ano.

Apresentado na final da Champions League, o português passou de desconhecido à depósito de esperança. Passei o pré copa América, período de treinos de Jesus, vendo vídeos e pesquisando sobre o homem. Lembro de conversar com um amigo às vésperas dos primeiros jogos e dizer: "Ou os jogadores não vão entender a proposta, ou o Flamengo vai ganhar tudo".

No caso, seriam os dois. A dificuldade do início rendeu memes sensacionais como "Tá mal, Arão", uma eliminação na Copa do Brasil e duas derrotas doídas. A exigência física provocou uma série de lesões nos primeiros jogos. 

Mas depois do Emelec, o dia do primeiro milagre de Jesus, quando passamos em um mata-mata de Libertadores após 9 anos, tudo andou como ele queria.

Revolucionou o futebol no Brasil. Um volante só. Volta do 4-4-2. Dupla de ataque sem referência. Zagueiros na linha de meio de campo. Mudança de posição de jogador. Fazia 1x0 e continuava atacando. Não poupava jogador em nenhum jogo. Deu prioridade ao brasileiro. Era tanto choque que me peguei dizendo várias vezes que o velho era maluco.

Fez de tudo e mais um pouco. Aos comentários xenofóbicos, respondeu com uma aula de futebol e escancarou o baixo nível dos técnicos brasileiros.

Jesus construiu um time demolidor. Agitado como ele mesmo na beira do gramado. Inquieto, intolerante ao erro, que se recusa a perder. Vencedor, como sempre cobrou.

Aprendeu rápido onde estava e fez tudo aquilo que a torcida sempre quis. E aprendeu que não existe recompensa maior do que o carinho dela. Depois de dois jogos, sendo um aquele 6x1 fantástico contra o Goiás, a torcida já entrava o canto, irreverente como todo carioca deve ser.

E vale a lembrança. A torcida do Flamengo sempre foi famosa por raramente cantar nome de técnico. Jesus fez voltar um Flamengo de tradições milenares e a empolgação que trouxe criou felicidade na arquibancada. A torcida voltou a cantar o nome dos jogadores e, no final de tudo, vinha o canto que será eternizado na história rubro-negra.

Técnicos virão, técnicos irão. Mas só, sempre será, o mister do Flamengo.

"Olê! Olê! Olê! Olê! Misteeeer! Misteeeer!"

No mais,
Saudações Rubro-negras.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.