Header Ads

A perfeição de um time mediano

Quero falar um pouco do que aconteceu em campo ontem. Neste domingo, o time se portou muito bem na primeira etapa, estava compactado e muito coeso, coisa que era difícil de ver. É até difícil acreditar que o time do Internacional está cada vez mais forte em disputas fora de casa, com a presença de dois volantes mais fixos, o Inter "estacionou o ônibus" na frente da área e mostrou que não iria tomar gol. Já na parte ofensiva com a presença de quatro jogadores jovens, propôs uma correria gigantesca pelos lados de campo.

No segundo tempo o time amaçou o Santos, que mal saiu para jogar pois via que o Internacional iria fazer gol mais cedo ou mais tarde. O time do Argel joga por uma bola, joga pelos três pontos. E foi assim que aconteceu, Aylon e Alex entraram em campo e, no pouco tempo que tinham, apresentaram o essencial. Alex fez um cruzamento/passe na cabeça de Aylon, que cabeceou como gente grande.

Aylon, de jogador não necessário para o clube à 12° jogador do time
Aylon é um jogador que merece muito espaço no Inter, eu já dizia desde o ano passado que ele é um baita jogador e que merece titularidade. Ele é estrela, assim como foi Andrézinho e Damião, e na hora do aperto ele resolve. Ele parece ser todo atabalhoado, todo estranho, mas consegue fazer gols; leva os jogadores adversários, cria espaços. Claro que Aylon não é um craque, mas a sua dedicação é nota 10.

O homem da casamata é outro que dia após dia mostra para todos os torcedores que o Inter tem um elenco que está sofrendo reformulações, porém ele é o cara que tem capacidade de gerir essa equipe. Ele mostra que o Internacional sabe enfrentar os grandes, consegue fazer o time render fora de casa, por mais que não tenha feito nenhuma partida boa em casa, como visitante tem montado uma maneira de fazer o colorado ser um time bem superior aos fortes e realmente candidato ao titulo.

Mas a hora é de fazer exatamente o que o Argel gosta de dizer em todas as coletivas: "Vamos ter os pezinhos no chão. Não somos favoritos a nada e eu não quero ser favorito. Vamos trabalhar para vencer". Obviamente a segunda colocação pode nos dar muita confiança, mas não podemos deixar isso subir a cabeça. Soberba não ganha nada. As próximas três batalhas serão com adversários fracos, devemos apoiar o time e ajudar o nosso treinador, ele mostrou agora que merece a chance de trabalhar com tranquilidade e com o nosso apoio.

Não existe time vencedor sem torcida forte.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.