Header Ads

Flamengo jogou como nunca, mas falhou como sempre

O conto de fadas foi breve, 100% de aproveitamento do Zé Ricardo durou apenas dois jogos. Domingo (05/06), no Mané Garrincha, em Brasília, o Fla perdeu sua segunda partida no campeonato, porém, fez uma partida muito boa. A torcida foi o principal destaque da tarde, tanto para o lado positivo quanto para o negativo.

Torcida mista no Mané Garrincha. Bela iniciativa que promove uma linda festa (foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
Antes de falar sobre o jogo, gostaria de demonstrar o total repúdio às cenas lamentáveis durante o intervalo de jogo. Onde uma parte da organizada do Palmeiras partiu para o confronto com uma organizada do Flamengo dentro do estádio, colocando em risco a vida de torcedores e até de crianças. Devido ao confronto, a partida teve o início do segundo tempo atrasado, pois até os jogadores sofreram com o spray de pimenta utilizado pela polícia para afastar os brigões. Infelizmente, essas tristes cenas estragaram a linda festa que faziam as duas torcidas, com setores mistos para curtir com os familiares e setores destinados às organizadas que apoiam incondicionalmente o time. Foram 30 presos durante o ocorrido e um torcedor do Flamengo se encontra internado em estado grave.

Torcedores de Palmeiras e Flamengo se protegendo do spray de pimenta utilizado durante a briga. (foto: Fred Gomes)
Vamos ao jogo. Apesar da derrota o Flamengo fez uma boa partida. Zé Ricardo voltou a utilizar o questionável 4-3-3, deixando Mancuello novamente no banco. A formação foi a mesma, mas a atitude foi outra. Ao invés de ter a falsa posse da bola, o rubro-negro preferiu jogar no contra-ataque (até pelas características do time do Palmeiras), o que parece ser a melhor opção para um time de velocistas. A partida começou promissora para o Flamengo, se não fosse um velho problema, a zaga.

O problema da zaga tem um nome, César Martins. O zagueiro havia sido afastado pelo Flamengo, porém a falta de planejamento do time o trouxe de volta, após perder Wallace (também afastado) e Juan (por contusão). No jogo do ultimo domingo, César Martins logo no início deu um passe açucarado para Tchê Tchê achar Gabriel Jesus e abrir o placar para o verdão.

O Flamengo não se abateu e na sequencia Alan Patrick, jogador mais lúcido e regular do rubro-negro, fez um golaço para empatar a partida. Após os gols relâmpagos o jogo ficou mais morno, o Palmeiras tomava a iniciativa e o Flamengo tentava criar as chances no contra golpe. Só no 1º tempo o rubro-negro criou mais chances que no ultimo jogo contra o Vitória, mostrando que é melhor jogar no contra-ataque que ter uma posse de bola sem nenhuma criação. O Flamengo não tem nenhum armador de fato, mas tem pelo menos quatro velocistas no elenco. Não precisa dizer mais nada né?!

Alan Patrick comemorando seu golaço de empate. (foto: Gilvan de Souza/Flamengo) 
No segundo tempo, após os efeitos do spray de pimenta passarem, o jogo foi retomado e o Flamengo até começou melhor. Mas o velho problema da zaga continuou, aos 19 minutos o jovem Léo Duarte - que pela falta de planejamento da diretoria foi lançado as pressas no olho do furacão - falhou e acabou colocando a mão na bola dentro da área, para sua sorte o juiz não marcou nada, causando a revolta dos palmeirenses. Entretanto, Léo Duarte voltou a falhar na marcação, deixou Gabriel Jesus na cara do gol e César Martins fez uma linda defesa. Pênalti para o Palmeiras, César Martins expulso e cobrança convertida por Jean.

Após o segundo gol e com um a menos, o Fla perdeu forças e ânimo de reação. A equipe paulista apenas controlou até o apito final. Em uma das poucas partidas convincentes do Flamengo, a equipe é penalizada por falhas individuais da dupla de zaga. O jogo de domingo mostrou duas coisas já evidentes. Primeiro, o Flamengo precisa urgentemente de um bom zagueiro - e não, Rafael Vaz não é nem de longe o nome ideal - e segundo, com um time de velocistas sem nenhuma técnica, é melhor jogar no contra-ataque, com uma marcação forte no meio e saídas em velocidade, que ficar tocando bolas de lado, errar passes de 2 metros e levar bola nas costas da defesa.

O Flamengo terá uma semana inteira para treinar e se preparar para o próximo confronto, contra o Figueirense no Orlando Scarpelli. Zé Ricardo parece ter encontrado a maneira ideal de jogar, basta agora aperfeiçoar. Com o treinador e o time fazendo sua parte, falta apenas à diretoria cumprir seu papel e trazer um bom zagueiro para ajudar o trabalho de Zé Ricardo. Se o rubro-negro repetir a atuação do ultimo jogo e contar com a ajuda dos zagueiros, tem boas chances de surpreender o time catarinense. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.