Header Ads

Outra regra da Série B: Vencer em casa e progredir

Para não perder o costume: A cidade cuja alcunha de "Pequena Londres" faz cada vez mais sentido proporcionou um clima de chuva e frio aos torcedores. Em um primeiro de boas chances, pode-se notar progresso e estabilidade do time.

Mais uma vez, a chuva fez com que o gramado do Estádio Municipal Jacy Scaff (o popular Estádio do Café) ficasse encharcado e atrapalhasse as ações do Tuba. No primeiro tempo a equipe mantinha a posse de bola, fazendo a redondinha circular entre os volantes e demais defensores; a equipe ainda enfrentou alguns problemas na primeira etapa pra chegar de forma mais aguda ao ataque, principalmente porque Paulinho Moccelin e Zé Rafael enfrentavam dificuldades para jogar. O Tupi por sua vez se segurava e abafava os lances mais ofensivos do Alviceleste Paranaense e tentava sair no contra-ataque, que (em sua maioria) eram parados com faltas.

Foto: Robson Vilela
Na volta para o segundo tempo Cláudio Tencatti resolveu mexer e tentar dar mais mobilidade ao meio que pecava nos últimos passes entrou o estreante Rondinelly na vaga de Zé Rafael. Após a mexida o time fazia com que a bola passasse no pé de Rondinelly e Rafael Gava em todas as jogadas, o primeiro movimentava infiltrações rápidas dos atacantes e o segundo dava velocidade ao jogo, trazendo os laterais para o ataque e forçando o jogo mais pelas beiradas com Jô e Paulinho. O Tubarão que já havia melhorado sua postura nas quatro linhas (esta melhora tem sido progressiva, isto é, de um jogo ao outro), decidiu fazer mais uma substituição; com intuito de dar mais velocidade à troca de passes e garantir uma aproximação maior do setor com o ataque. Tencatti chamou Marcelinho (este também fez sua estreia com a camisa Alviceleste) e tirou Paulino Moccelin do jogo. A substituição surtiu efeito e Jô que já tivera algumas chances, estava cada vez mais próximo da área e consequentemente do gol.

Até que em uma jogada vinda da lateral direita e rebatida entre o goleiro e Keirrison, surgiu a oportunidade e Jô deixou a sua marca definitiva, foi só empurrar para o fundo das redes. Neste mesmo lance, coube também chamar a atenção para um incidente de grandes proporções, o goleiro Rafael Santos saiu abafando o chute do K99 e no meio do caminho, acabou encontrando a perna de Formiga (lateral da equipe mineira). De imediato o goleiro se levantou desesperado e sequer se importou com o fato de ter levado gol, enquanto os jogadores da casa comemoravam, ele parecia estar em choque na lateral do gramado vendo a ambulância entrar em campo e levar o companheiro de defesa para o hospital. O jogo seguiu, e como o Tupi já havia promovido suas três substituições ficou desfalcado de um jogador. O Alviceleste ainda tentou algumas jogadas de velocidade, estas eram atrapalhadas pelo campo encharcado ou pela corajosa defesa carijó.

Foto: Robson Vilela/Lance da lesão do lateral carijó
Se na partida passada (contra o paranito), o Londrina demonstrou um ótimo posicionamento, uma grande capacidade de marcar em cima, pressionar o adversário e ser agudo de diversas formas, nesta contra o Tupi não fora diferente. Desde o primeiro minuto, a linha de zagueiros do Londrina era adiantada e só recuava quando surgia uma falta em que a bola seria alçada na grande área defensiva. O modelo de apenas um volante e três atacantes deu certo, com apenas dois fatores que em breve deverão ser corrigidos: Paulinho Moccelin e Zé Rafael têm errado muitos passes e perdido algumas jogadas que não são costumeiramente perdidas, a mão de Tencatti provavelmente fará a diferença neste caso, explorando ao máximo os recursos de amos os atletas e obviamente potencializando as ações ofensivas. A vitória empurrou o Destemido Tubarão à 11ª posição.

Londrina (1) x (0) Tupi teve público de 2015 pessoas, com alta no número de corneteiros, que ao ficarem sabendo que as cadeiras estariam abertas foram correndo para o estádio.

O Londrina veio a campo com Marcelo Rangel, Igor Bosel, Sílvio, Matheus e Léo; Germano, Rafael Gava e Zé Rafael (Rondinelly); Paulinho (Marcelinho), Jô e Keirrison; esteve sob o comando de Cláudio Tencatti.

O visitante, sob o comando de Ricardo Drubscky foi escalado com Rafael Santos, Formiga, Heitor, Rodolfo Mol e Bruno Costa; Recife, Rafael Jataí, Henrique (Rubens) e Jonathan (Marcos Serrato); Thiago Silvy e Giancarlo (Michel Henrique).

Próxima partida:

Ceará x Londrina - Castelão - 07/06 às 21h30min
Tupi x Oeste - Helenão - 07/06 às 19h15min

Vitor Guimarães || @VitorBatata3
Linha de Fundo || @SiteLF

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.