Header Ads

Vencer é o melhor remédio

Depois do empate frente ao Náutico, as críticas ao time do Bahia subiram a fervura do cozimento à batata de Doriva – pelo menos entre a torcida e nas redes sociais. Mesmo com a negativa de Ney Pandolfo não restavam dúvidas que qualquer resultado que não fosse o triunfo contra o Paysandu na aprazível noite da sexta soteropolitana detonaria de vez uma crise e os questionamentos à permanência do ex-volante como treinador ganhariam mais força e eco nos corredores do Fazendão.

Por isso havia, além do clima de tensão no ar, certa curiosidade sobre o sistema de jogo e a postura do Bahia em campo. Com treinos secretos e muita especulação pela imprensa a equipe foi confirmada com o retorno de Danilo Pires no lugar do criticado Luisinho.

Na prática nenhuma novidade no sistema de jogo. Bahia manteve o 4-2-3-1, porém com outra postura em campo. Linha defensiva baixa, marcação em bloco médio e postura pouco agressiva para a retomada da posse de bola. O time até bloqueava as linhas de passe do adversário para dificultar a saída de bola, porém sem a habitual compactação para diminuir os espaços no campo. Se por um lado isso gera um latifúndio para o adversário construir o jogo, isso também diminui o desgaste da equipe e a exposição à bola longa do rival.  Em diversos momentos Juninho avançava para diminuir espaço e quase que reconfigurava o time no 4-1-4-1. Movimentações que não mudavam o plano de jogo da equipe: Tentar construir sem oferecer espaço no seu campo defensivo para que os atacantes pudessem correr às costas da defesa.

Isso dificultava a articulação entre meio e ataque. Com jogadores espaçados era mais difícil ultrapassar, triangular e aproximar do companheiro para tentar uma tabela. Até porque o Paysandu fazia uma marcação forte que negava espaços e apelava para faltas no intuito de não permitir a fluidez do jogo [Bahia também usou esse recurso]. Jogo ficou PICOTADO e MODORRENTO, já que o tricolor não acelerava os passes na fase ofensiva e não conseguia ter volume de jogo.

Quando a torcida já começava a se IMPACIENTAR, o lance que muda todo panorama da partida – e talvez do próprio futuro de Doriva: Reposição de Lomba para o campo de ataque encontra Hernane que trabalha bola com Danilo, que passa para Juninho. Nesse momento abre-se um CLARÃO no corredor esquerdo da defesa do Papão e Hayner tem toda liberdade do mundo para alçar a bola na área; Danilo infiltra e arrasta a marcação. O cruzamento não sai perfeito, mas o lateral esquerdo Lucas desvia o suficiente para deixá-la à mercê de Danilo que emenda uma belíssima BICICLETA, inapelável para Emerson.  Vantagem do Bahia que agora poderia colocar em prática o modelo de jogo favorito de Doriva.
 Logo após o gol o Bahia ‘recolhe as linhas ofensivas’ oferece campo e bola ao Paysandu e compacta-se defensivamente. Agora reconfigurado num 4-4-2 sem a bola, com  Cajá ao lado de Hernane no ataque – com o objetivo de ter qualidade para articular o contragolpe mais próximo do campo ofensivo quando da retomada de posse.
Na volta da segunda etapa Doriva trocou Edigar – sentindo lesão – por Luisinho, uma mudança que não alterou posicionamento nem o modelo do Bahia em campo. Equipe manteve a cadência nos momentos com a bola e ofereceu campo ao rival sem pressionar pela retomada de posse. Modelo extremamente reativo e que sempre foi característico do trabalho de Doriva. Jogar no erro do adversário e explorar o contragolpe como principal alternativa de ataque. Isso refletiu diretamente nas estatísticas da partida; pela primeira vez na série B o time teve menos posse de bola [45%] jogando na Fonte Nova. A vantagem no placar permitia essa estratégia e procurava minimizar os riscos.


Nada indicava mudança no cenário da partida até que o Bahia processou a segunda mudança na equipe. Cajá – que não é pai-de-santo, mas acertou bons passes - deu lugar ao estreante Régis que provou que é ILUMINADO. No primeiro contra ataque com sua participação, recebeu bola de Hernane e foi derrubado por Emerson quando limpava o lance para concluir. Pênalti indiscutível e expulsão do goleiro pelo segundo amarelo no jogo. Infração cobrada  com extrema categoria pelo Brocador e jogo definido.

Definido porque a partir deste momento o Bahia apenas ‘cozinhou’ a CONTENDA. Hernane saiu para o retorno de Thiago Ribeiro ao time e neste momento existiam tantos espaços que até ele conseguiu produzir algo: Deixou Régis em condição de marcar sem goleiro embaixo das traves mas o meia conseguiu desperdiçar; outro lance para entrar na coleção do INACREDITÁVEL ESPORTE CLUBE BAHIA nesta série B. Como parece ser, de fato, alguém ILUMINADO, Régis ainda teve oportunidade de se redimir em outra penalidade máxima cometida pelo goleiro do Papão, desta vez o reserva Marcão. Outra cobrança segura e, enfim, o Bahia sacramentava um triunfo sem o tradicional sufoco no quarto final do jogo, algo que a torcida sequer se lembrava mais.



Com o resultado a equipe subiu temporariamente para a terceira colocação e só sai do G-4 caso Criciúma e CRB vençam seus compromissos fora de casa contra Oeste e Avaí, respectivamente. O próximo desafio é contra o Goiás no Serra Dourada, outro choque de gigantes em que pese a má fase do esmeraldino que enfrenta o Vasco no fechamento da rodada.


NOTAS SOBRE ELA [A GOLEADA]

- Danilo voltou ao time e à sua posição original em grande estilo. Marcou seu segundo gol na série B e mesmo sendo o jogador com mais finalizações erradas da competição comprovou sua importância para o lado direito da equipe. O gol de bicicleta certamente entrará no rol dos mais belos do certame;

- Feijão é o jogador mais regular do Bahia na temporada. Porém contra o Papão ele ESMERILHOU.  Foi o líder em desarmes [4] errou apenas UM passe de 40 – quesito onde é o jogador de meio/ataque com maior índice de acerto 93,1%. Tem sido perfeito nas inversões de bola e nos passes em profundidades, com ótimo número de passes para finalização [4] – mesma quantidade de Hernane e um a menos que Luisinho.

- Régis foi uma ótima notícia da noite: Entrou ligado no jogo, mostrou mobilidade e boa condição física. Teve personalidade para pedir para bater o pênalti após perder um gol incrível. Cartão de visitas ótimo, mais uma opção de quilate para o plantel.

- O futebol é SORDIDAMENTE sorrateiro. Bahia fez primeiro tempo sofrível, estava se enrolando dentro da própria estratégia, mas viu tudo mudar graças a um gol.  Daí a importância de melhorar a eficiência: Time passou da CENTENA de finalizações [103] em apenas SEIS jogos para marcar NOVE gols.  Ainda são mais erros [61] que acertos [42], mas o equilíbrio já apareceu na balança desde o confronto contra o Vasco.  Sinal de evolução em um índice decisivo, como ficou provado contra o Paysandu.
Aréa mostra equilíbrio entre finalizações certas/erradas. Ideal é gráfico verde acima do vermelho.
 Fonte estatística: Footstats

ALEX ROLIM - @rolimpato - #BBMP






Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.