Header Ads

Derrota e tabu não é quebrado na Arena Condá


Chapecó acordou neste sábado (9) respirando o futebol, logo cedo já víamos uma cidade vestida com as cores verde e branca, nos arredores da Arena Condá, amigos se reuniram para o famoso churrasco na concentração para a partida da tarde, está que valia muito mais que os três pontos, era a chance de derrubar a única equipe que ainda não havia perdido para o Verdão.


Caio Jr teve problemas para enfrentar o Timão, Rafael Lima contundido e Josimar suspenso desfalcaram a equipe titular, de positivo foram as voltas de Gimenez na lateral direita, e Dener na lateral esquerda, com Sérgio Manoel ganhando a vaga no meio, ao lado de Gil e Cleber Santana.

Com a bola rolando, não demorou muito para a primeira reclamação, Ananias foi derrubado por Pedro Henrique e ficou caído, o árbitro mandou o jogo seguir. O jogo erra pegado, muitas faltas e chegadas mais fortes de ambas as equipes.

A Chapecoense quase abriu o placar aos 14 minutos, quando Gil cruzou e Silvinho pegou de primeira, Cássio bem colocado fez grande defesa e salvou o Timão. Tudo seguia normal, até que o árbitro Ricardo Marques Ribeiro, que toda vez que pisa no gramado da Arena Condá, quer ser o centro das atenções, paralisou a partida, o motivo à faixa na torcida Corintiana com os dizeres “CBF Corrupção”. Após acabar a palhaçada do árbitro, a bola rolou e só não mexeu no placar no final do primeiro tempo, por que Luciano de forma precipitada chutou mal, para fora, a esquerda de Boeck.

As equipes voltaram sem alterações de jogadores, o que mudou foi a vontade do lado visitante em vencer a partida, enquanto do outro lado, víamos uma equipe sem nenhuma criação de jogadas, vivendo da marcação e torcendo para sair com um empate sem gols.

O resultado veio aos 2 minutos, quando Uendel cobrou falta e Balbuena mandou de cabeça para o fundo das redes, a sorte Chapecoense foi o auxiliar marcando impedimento, anulando o gol do Timão.

Com o andamento da partida, seguia pressão total de um Corinthians, encurralando a Chapecoense que seguia com medo de criar jogadas de perigo na meta de Cássio. E não demorou muito para a pressão do Timão ter resultado, Rodriguinho aos 14 minutos cortou a zaga e chutou, sem chances para Boeck, abrindo o placar na Arena Condá.

Só depois de levar o gol, o técnico Caio Jr parece ter percebido que tinha algo de errado, sacou Silvinho e mandou Arthur Maia para campo, tentando resolver o problema na criação de jogadas.

O jogo foi novamente paralisado pelo arbitro, quando a torcida Corintiana ascendeu sinalizadores nas arquibancadas. A bola voltou a rolar depois de quatro minutos, com uma novidade no lado Chapecoense, Martinuccio fora dos gramados desde 2014, fez sua estreia ao entrar no lugar do volante Gil.

A única jogada de perigo Chapecoense tem sido com a bola parada, e foi assim só não empatou a partida, por que a trave ajudou o goleiro alvinegro. Martinuccio cobrou falta, Kempes desviou e Thiego pegou de primeira, explodindo na trave e se perdendo em tiro de meta.

Quando todos já esperavam o fim melancólico da partida, foi a vez de Marquinhos Gabriel aparecer e dar números finais no placar, Fagner fez belo lançamento, o meio e a defesa Chapecoense ficaram só olhando, e a bola caiu nos pés do meia, que saiu cara a cara com Boeck, finalizando por cima e para o fundo das redes.

Se você pensava que nada poderia ficar pior no lado Chapecoense, estava enganado, Thiego o único jogador que demonstrou vontade na partida e único que tenta ajudar tanto defensivamente, quanto no setor ofensivo, foi expulso pelo árbitro após receber segundo amarelo.

Sem tempo para mais nada, foi só aguardar o apito final do árbitro para novamente uma derrota sobre o Corinthians, aumentando o tabu e ligando de vez o sinal vermelho contra o rebaixamento, e seguindo como a defesa mais vazada da competição, agora com 25 gols sofridos, em 14 partidas.

A Chapecoense com o resultado permanece temporariamente em 11° lugar com 18 pontos, e na próxima rodada viaja no domingo para Florianópolis para enfrentar o Figueirense, no Orlando Scarpelli, às 16h.

Foi a primeira semana cheia que Caio Júnior teve para conhecer e preparar a equipe para o duelo deste sábado. No papel falou bonito na sua apresentação, conseguiu um grande resultado diante do Cruzeiro, mas duas derrotas seguidas mostraram que existem muitas coisas a serem mudadas. Bruno Rangel continua sendo o artilheiro dos pênaltis, sofre com a falta de criação de jogadas e se mantém um peso morto no ataque.

É hora de mudança, tanto dentro de campo, quanto nas arquibancadas, para muitos “torcedores” a Chapecoense é um ponto turístico de Chapecó, só serve para trazer grandes equipes para cá. Só vai existir mudança dentro de campo, quando a população Chapecoense entender o que é torcer, e o que é futebol.


Marcelo Weber || @acfmarcelo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.