Header Ads

Sob pressão, Tupi vence na base da superação

Na última sexta-feira (08), o Tupi voltou à atuar em casa, pela 15ª rodada da Série B. Após uma sequência de dois jogos fora e duas derrotas, o Galo Carijó buscava a reabilitação e só uma vitória poderia dar mais tranquilidade ao time, que entrou em campo muito pressionado pela torcida.

O Tupi voltou a vencer pela Série B (Foto: Reprodução/ESPN)
Contudo, a partida não seria nada fácil e o adversário era o Ceará, que também precisava da vitória para assumir a liderança provisoriamente. Mesmo sem apresentar um futebol convincente, o que não é de suma importante diante de um adversário forte, o Tupi conquistou a vitória de virada. Com o resultado, o time mineiro chegou aos 12 pontos e subiu três posições, porém, os jogos de sábado deixaram o time na 19ª colocação.

O JOGO

Apesar de atuar em casa e com a enorme necessidade de vencer, Estevam Soares optou por uma formação bem cautelosa e escalou quatro volantes, o Tupi foi a campo com Rafael Santos; Wesley Douglas, Rodolfo Mol, Gabriel Santos e Bruno Costa; Renan Teixeira, Rafael Jataí, Marcos Serrato e Gabriel Sacilotto; Jonathan e Rubens; alinhado no tradicional 4-4-2 que se transformava em um 3-5-2 quando um dos volantes  Renan Teixeira  fazia a função de terceiro zagueiro. 

Dessa forma, os laterais, teoricamente, teriam mais liberdade para subir, assim como os volantes. No entanto, na prática isso não ocorreu, o Tupi começou o jogo tendo  ainda mais  dificuldades para criar e também deixou espaços no setor defensivo. Bastou apenas a primeira boa movimentação do adversário para quebrar a marcação carijó. Logo aos 9 minutos, Wescley recebeu de Richardson e tocou por cima de Rafael Santos, para inaugurar o marcador.

Após o gol, a estratégia foi por água abaixo e obrigatoriamente o Tupi teve que propor o jogo. Para isso, o técnico acertou a sua equipe e Bruno Costa passou a exercer a função de terceiro zagueiro, enquanto Renan foi adiantado. A mudança surtiu efeito e o time passou a se comportar melhor defensivamente. Porém, os jogadores parecem ter sentido a pressão e começaram à cometer erros grotescos de passes e domínio, o que deixou a torcida ainda mais irritada. O Ceará não aproveitou do momento e não ampliou.
O Galo Carijó buscou o empate ainda no primeiro tempo (Foto: Bruno Ribeiro/globoesporte.com)
A primeira chance do Tupi surtiu da bola parada e foi bem aproveitada. Aos 27', Jonathan cobrou escanteio, a defesa afastou parcialmente, Gabriel Sacilotto chutou mascado e a bola sobrou para Rodolfo Mol, que girou e bateu no cantinho. 1 a 1. 

O empate animou o time da casa, que balançou as redes novamente 3 minutos depois do primeiro, porém, o árbitro marcou uma falta em cima do goleiro e anulou  de forma equivocada  o que seria a virada. No restante do primeiro tempo, o time seguiu buscando mais o gol, sem sucesso. As equipes voltaram para o intervalo com o empate, que seria ruim para ambos. 

A etapa complementar começou diferente. Mesmo sem nenhuma substituição, o Tupi teve outra postura e adiantou as suas linhas, impondo mais dificuldades ao adversário. O Ceará, por sua vez, não teve mais tanta facilidade para trocar passes no campo de ataque e abusou dos chutões. 

Com mais posse de bola, o time da casa passou a dominar a partida e foi quem buscou mais o gol. Estevam Soares notou que poderia vencer a partida e resolveu mexer na equipe: Rubens e Wesley Douglas  este por lesão  deram lugares à Vinícius Kiss e Thiago Silvy. Apesar de ter ganhando em movimentação e velocidade, a equipe não conseguiu envolver a marcação, fazendo o goleiro adversário ser pouco exigido. A última cartada foi a entrada de Thiaguinho no lugar de Gabriel Sacilotto.


O Tupi conseguiu a virada no fim (Foto: Felipe Couri/tupifc.esp.br)
Parecia que o cenário não mudaria, entretanto, as melhores chances do segundo tempo surgiram a partir dos 40 minutos. A primeira delas foi do Ceará, em um escanteio Valdo teve uma grande chance na pequena área, mas furou. No lance seguinte, o Tupi ligou um contra-ataque, Thiaguinho tocou para Thiago Silvy, o atacante não conseguiu dominar e a sobra ficou para Marcos Serrato, que finalizou da entrada da área e a bola tocou na trave antes de entrar. 

Sem muito tempo para reagir, o Ceará só teve mais uma chance. No último lance, Felipe acertou um chute a queima-roupa e Rafael Santos  mesmo com muitas dores  conseguiu evitar o empate, garantindo os três pontos.   

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr

3 comentários:

  1. Perfeita a analise do repórter, isso é difícil de acontecer, tanta consciência e profissionalismo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.