Header Ads

O drama do Palace parece não ter fim

Com a pausa para as datas FIFA, Alan Pardew teve tempo para pensar na estratégia a ser utilizada para interromper a sequência negativa dos "reds and blues" em jogos da Premier League. O desafio válido pela 12ª rodada da competição, porém, seria nada menos que o Manchester City de Guardiola. Nas últimas três partidas entre as equipes, foram três vitórias dos Citizens. O jogo da noite londrina de sábado (19) em Selhurst Park, colocou times em posições antagônicas frente a frente.

Palace presta homenagem antes do início da partida.
Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace. 

O evento se iniciou em condolências e homenagens, as equipes prestaram um minuto de silêncio às vítimas de um acidente de trem em Croydon, região das águias. Além disso o Palace contribuirá com o fundo de assistência das famílias e complementando as homenagens, aos 19 minutos foi planejado um minuto de aplausos para o fã das águias de mesma idade envolvido no incidente, Dane Chinnery. 

Em relação ao confronto, as águias chegaram para a partida em casa com um retrospecto um tanto quanto indigesto: nas últimas quatorze partidas em Croydon, portanto 42 pontos disputados, o Palace conquistou apenas 11. Com essa estatística calamitosa e já a quatro rodadas saindo derrotados do gramado, o Crystal foi para o confronto diante do City.

Pardew mandou a campo um Palace titular conhecido dos torcedores: Hennessey, Ward, Dann (capitão), Tomkins, Kelly (Sako), McArthur, Cabaye, Townsend (Wickham), Puncheon, Zaha e Benteke (Lee). A única ausência sentida foi a do goleiro francês, Mandanda. Lesão no joelho deixará o arqueiro fora de combate em novembro. 


A partida demorou a entrar no ritmo Premier League. Os primeiros instantes do embate foram sonolentos, muito truncado e com a marcação principalmente do Palace, diminuindo a velocidade da partida. Em contra-partida, a dinâmica que se apresentava, poucas oportunidades foram criadas.


Fernandinho chega na marcação em Cabaye.
Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.

Na parte final da metade inicial, o Manchester City começou a utilizar o lado direito, setor no qual encontraria facilidades para construir as jogadas durante todo o confronto. Pelo lado do Palace, Puncheon se transformava na melhor alternativa ofensiva diante da pouca criatividade e imensa dificuldade em construir as jogadas. 

Apenas aos 39 minutos, quando Yaya Touré aproveitou a bobeada da defesa das águias, o placar foi inaugurado. Kelly saiu jogando errado e o City transferiu a jogada da direita para a esquerda, Aguero enxergou Touré na entrada de área. Ele tabelou com Nolito e bateu de perna direita contando ainda com desvio em Tomkins, para vazar o gol defendido por Henessey. E a história da primeira metade foi mesmo 1-0, City. 

Na volta do intervalo, Pardew promoveu a primeira alteração, colocando Wickham no lugar de Townsend. O jogo ainda se mostrava truncado, até que a mudança começou a surtir efeito e o Palace cresceu na partida, vivendo seu melhor momento até então. Em bela jogada individual pela direita, Zaha deixou dois marcadores para trás e abriu na esquerda para Puncheon, que cruzou na cabeça de Benteke e o belga obrigou Bravo a fazer excelente defesa.  


Wickham bateu a marcação de Zabaleta para marcar seu gol.
Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.
Com a boa chance construída, o Palace começou a pressionar mais e proporcionou espaços para um contra-ataque veloz, que vinha quase sempre pela direita. O cruzamento saiu e encontrou o desvio de Agüero na primeira trave, Hennessey defendeu parcialmente e Ward salvou em cima da linha. A jogada seguiu e saiu o gol das águias que conseguiu flutuar a bola da direita para esquerda até encontrar Wickham, que deslocou a marcação de Zabaleta e bateu de perna conhota no cantinho de Bravo. 

Com o gol foi iniciado o "modo Premier League", o jogo ganhou em intensidade, com oportunidades para as duas equipes. Aos 36', Benteke foi substituído e com ele também se foi o jogo do Palace, o arrefecimento foi nítido. O abatimento ofensivo do Palace foi punido aos 38 minutos. Depois do escanteio pela direita, a defesa não afastou o cruzamento rasteiro e a bola encontrou Touré, que na linha da pequena área para empurrar a bola para as redes do Crystal. Já aos 51', Zaha ainda fez boa jogada na direita e cruzou para Puncheon, que desviou a bola que passou caprichosa ao lado da trave direita de Bravo. Esta que foi a última chance de empatar e assim terminou o jogo: Crystal Palace 1-2 Manchester City. Decretando, assim, a continuidade da sina de quase sempre tomar gols no plural.

Após um ótimo início de temporada para as pretensões do Palace na Premier League, já são cinco derrotas de maneira consecutiva. O Crystal Palace que tomou gol em todas as partidas fica com os mesmos 11 pontos da 7ª rodada (3V - 2E - 7D).

Próxima partida do Crystal Palace pela Premier League:
26 de Novembro - 13h00min (hora Brasília) - Liberty Stadium.
Swansea X Crystal Palace.

Por: @carlosjr92educa
Carlos Alberto de Sousa Júnior - Colunista do Crystal Palace

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.