Header Ads

A previsível imprevisibilidade do Palace

Benteke comemora um de seus gols na vitória do Palace.
Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.
O Crystal Palace vem se notabilizando esta temporada por ser "constante" e "imprevisível". O time londrino iniciou a temporada sendo derrotado nas duas primeiras rodadas da Premier League. Seguiu-se, então, um período de invencibilidade, com três vitórias e dois empates. Na sequência, as águias amargaram seis rodadas sem marcar ponto algum. Neste sábado (03), jogando em casa, quando as expectativas eram alarmantes, foram feitas as pazes com a vitória e de maneira retumbante, 3 a 0 diante do Southampton.

A temporada do Crystal tem sido uma gangorra de emoções, da euforia com a boa sequência e o estabelecimento na parte alta da tabela à inquietação com a série de derrotas e a consequente proximidade com a zona do rebaixamento. Para o confronto da vez em Selhurst Park, o desafio era contra o décimo colocado do certame.

Na história da Premier League, o retrospecto entre as equipes não inspirava muita esperança àquele torcedor mais apegado aos números. Antes deste embate em questão, ocorreram 14 jogos e Palace conseguira vencer apenas em uma ocasião na temporada passada, mais precisamente no dia 12 de dezembro de 2015, além desse triunfo houveram outros 4 empates e ainda 9 vitórias do Southampton. E esse domínio total no confronto para os Saints é que provocava um certa preocupação. 

O comandante Alan Pardew elegeu para iniciarem os trabalhos do Palace: Henessey, Tomkins (Kelly), Dann, Delaney, Ward, McArthur (Flamini), Ledley, Townsend (Sako), Puncheon, Zaha e Benteke. Tomkins se encarregou de fazer o setor direito da defesa, deslocando Ward mais uma vez para a esquerda, com isso, Delaney entrou no setor defensivo central. Quem também ganhou um lugar na rotação da vez foi Ledley.

Com minuto de silêncio ensurdecedor em homenagem ao fatídico voo dos guerreiros de Chapecó, que com o apito do árbitro Neil Swarbrick transformou a consternação geral em aplausos em memória dos grandes chapecoenses.  Com a bola rolando, o Palace recebeu um "presentaço" da defesa visitante, que se atrapalhou tendo como ato principal a furada do goleiro Foster, que deixou Benteke na boa para abrir o marcador favorável às águias, quando eram jogados 33 minutos do primeiro tempo.

Tomkins completa a jogada do 2º gol.
Reprodução/Twitter oficial do Crystal Palace.
Logo depois, o Palace chegou ao segundo gol, Tomkins aproveitou mais uma bobeada da defesa dos Saints, que após um escanteio da esquerda, não afastou a bola da zona de perigo, deixando o defensor do Crystal livre na pequena área para completar para o fundo das redes de Foster, com 36 minutos as águias já venciam por 2 a 0.

Na frieza dos números da partida, o Palace teve menor posse de bola, chutou menos a gol, trocou menos passes e rebateu a bola por um maior número de vezes que os adversários. Porém, o que os números não contam são a efetividade do Palace, a frieza, para estabelecer aqui uma espécie de trocadilho do próprio prologo do parágrafo, soube jogar da maneira necessária para vencerem e deixar a parte mais temida da tabela de classificação. Em quatro finalizações em direção ao gol, foram três gols.

E o terceiro gol chegou mais uma vez pelos pés de Benteke, que após o bate-rebate aproveitou cruzamento de Puncheon, para dar números finais ao confronto, válido pela 14ª rodada da Premier League. Finalmente chegou ao fim a sequência indigesta, após seis jogos estacionado com a mesma pontuação, o Palace alcançou os 14 pontos, se estabelecendo em 13º na classificação geral, podendo ainda ser ultrapassado pelo Boro e igualado pelo Hull, (4V - 2E - 8D).

Próxima partida do Crystal Palace pela Premier League:
10 de Dezembro - 13h00min (hora Brasília) - KCOM Stadium.
Hull City x Crystal Palace.

Ps: Meu primeiro texto após o homicídio envolvendo os jogadores da Chape, foi difícil escrever, e está sendo difícil retomar o foco, conseguir ver algum jogo de futebol até o fim. O verde da Chape e o verde da esperança tem se expandido (menção ao hino do clube) por todo o mundo e jamais serão esquecidos. Uma equipe que mobilizava o Brasil, por ser carismática e por estar escrevendo uma linda história no futebol nacional, a história da grande Chape não se findará aqui, continuará crescendo e esses campeões retornaram para nunca mais saírem de nossos corações. Força aos familiares e a cidade. #ForçaChape.

Reprodução/Twitter oficial da Chapecoense.
Por: @carlosjr92educa
Carlos Alberto de Sousa Júnior - Colunista do Crystal Palace

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.