Header Ads

Buffon, Barcelona e Sampdoria

Você com certeza já ouviu a seguinte frase: “quem quer ser campeão não pode escolher adversário”. Pois é, seja na Champions, na Copa do Mundo, na Libertadores, enfim, em qualquer competição que tenha uma fase eliminatória alguém solta essa pérola. Para você, ela faz sentido? Para mim, apesar do espírito da frase residir no óbvio, prefiro ignorar e pensar na realidade.

Em meu texto passado disse que: “sou mais conservador em dizer que, na ordem, preferia não enfrentar (neste momento) Barcelona, Bayern, Real e Atlético”. Justamente o pior adversário dos que elenquei será o nosso. Pelo histórico recente, não é absurdo que os cronistas apontem (com méritos) o Barcelona como favorito. Cabe a nós, em campo, provar o contrário.

Eu preferiria enfrentar o Leicester e Borussia. Acredito que mais o aurinegro do que o inglês. Entretanto, penso que se tem um bom momento da temporada para enfrentar o Barcelona, esse momento é agora. A análise deste confronto, deixo para um momento mais próximo ao dos embates.

O maior goleiro da história agora é o jogador que mais atuou com a camisa da Juventus no Campeonato Italiano. Foto: página oficial da Juventus no Facebook
Antes de pensar no time catalão, temos jogos importantes do campeonato e da copa. O primeiro jogo após o sorteio da semana passada foi ontem, 19, contra a Sampdoria no tradicional Luigi Ferrari, em Gênova. Gênova é uma cidade muito importante, banhada pelo Mar da Liguria e historicamente, o porto genovês é um dos principais de toda a Europa, sendo fundamental na dominação da navegação no Mar Mediterrâneo durante toda a Idade Média.

Allegri continuou com o 4-2-3-1, mexendo na escalação do time, rodando o elenco. Entramos em campo com: Buffon; Dani Alves, Barzagli, Rugani, Asamoah; Khedira, Pjanic; Cuadrado, Dybala, Mandzukic; Higuain. Barzagli havia ficado de fora dos titulares nos últimos jogos por opção, teve nova oportunidade para mostrar seu futebol sempre confiável.

Do outro lado tínhamos um velho conhecido da torcida: Fábio Quagliarella, crescido em Nápoles, venceu três scudetti conosco e sempre teve uma relação respeitosa com a torcida bianconera e uma relação mais turbulenta com a napolitana (Fábio era torcedor napolitano, e teve alguns problemas pessoais que ajudaram o Napoli a negociá-lo com a Juventus).

Logo aos 6 minutos do primeiro tempo, Asamoah cruzou pela esquerda e Cuadrado mergulhou, ganhando do zagueiro da Samp, abrindo o placar da partida. O colombiano se encontrou na nova posição e vem fazendo bons jogos, sendo importante tanto ofensivamente quanto defensivamente.

"Gigante", Cuadrado sobe mais alto para marcar o único gol da partida. Foto: Juventus.com
Após isso tivemos outras oportunidades, como a de Higuaín em falha da defesa, a Sampdória teve chances com Quagliarella (tentou duas bicicletas), Praet incomodou, mas apesar do bom jogo do time genovês, a consistência da Juventus falou mais alto. Fomos incompetentes também ao não saber matar o jogo nos contra-ataques oferecidos pelo time da casa, motivo de insatisfação de Allegri.

A vitória magra da Juventus foi importante, pois Roma e Napoli também venceram seus confrontos. Nosso próximo jogo é contra o Napoli, no San Paolo, no dia 02 de abril, após as datas FIFA. O duelo promete ser quente, a diretoria do time do sul fez algumas promoções, o estádio estará lotado e esta poderá ser a primeira oportunidade dos torcedores verem o retorno de Higuaín com a camisa bianconera.

Um ponto negativo será a dificuldade do elenco e da torcida da Juventus na sua estada em Nápoles. Cogita-se que o time possa permanecer em local um pouco mais afastado da cidade, para que não haja problemas com a torcida. Esperamos que não tenhamos cenas que manchem o espetáculo.

A temporada vai afunilando e os grandes jogos estão na nossa frente. Allegri tem a tarefa de fazer com que o time continua evoluindo, sem correr riscos de lesionar um jogador e perdê-lo para o restante da temporada. Dybala acabou saindo no jogo de ontem, pois sentiu algo na coxa. Pelo que parece não é lesão e foi mais uma precaução. Melhor assim.

Super Gigi Buffon

O maior goleiro da história do futebol acaba de bater mais um recorde: Buffon é o jogador que mais atuou na Série A vestindo a camisa do time mais vitorioso da Itália. São 39.681 minutos jogados, em 446 jogos, estreou com nossa camisa em 26/08/2001 contra o Venezia, tem sete títulos italianos, incríveis 214 jogos sem sofrer gols, 11 vezes o goleiro do ano do campeonato e na temporada de 2015/2016 ficou 976 minutos sem sofrer gols.

Buffon ultrapassou o não menos lendário Giampiero Boniperti, que tem 39.680 minutos jogados na Série A com a camisa bianconera e já havia passado o terceiro colocado Gaetano Scirea, que tem 33.328 minutos. Todo o respeito e gratidão pelos jogadores do passado e do presente que fizeram a história da Juventus. Que nos fizeram amar este clube!

Fino alla fine, FORZA JUVENTUS!

FORZA SUPER BUFFON!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.