Header Ads

Dybala, o pendulo entre linhas defensivas e o sucesso europeu pra Juventus

Dybala decidiu contra um compacto Milan (foto: LaPresse)
As rodadas vão se passando, o caldo vai engrossando no futebol do velho continente e semana após semana nos aproximamos do fim da temporada 2016/2017, sobretudo para os grandes que ainda disputam troféus nacionais e continentais. Na Juventus a luta pelas três frontes segue firme, +11 perante a Roma na Serie A e dupla vantagem sobre Napoli e Porto por Coppa Italia e UEFA Champions League, respectivamente pela semifinal e oitavas de final destas competições. E para avançar nestas, além dos gols, sobretudo de Higuain e da tradicional defesa sólida, a Juventus tem um elemento entrelinhas que será fundamental para o final do ano futebolístico: Paulo Dybala.

O jovem argentino é um talento enorme, todos sabem, e com a mudança tática de Massimiliano Allegri desde janeiro do 3-5-2 e mudanças à época para 4-3-1-2, o ex-Palermo joga agora mais longe do gol, mas quase como um antigo meia de ligação (ou como os cada vez mais raros trequartista no Calcio) no 4-2-3-1, jogando atrás de Higuain e livre para se deslocar sobretudo para ser opção para o criador Pjanic mas para Dybala as coisas não tem sido fáceis. A lesão muscular sofrida contra o Milan no primeiro turno deixou o camisa 21 de fora de diversas semanas do time bianconero e com a nova função e sem 100% da forma física, a adaptação é gradual.

Os gols têm vindo por conta do enorme capacidade de bater na bola seja com a esfera redonda ou parada e no aspecto de movimentação, Dybala tem jogado entre as linhas defensivas dos adversários da Juve. De maneira comparativa, Higuain é o homem gol, Mandzukic é opção na ponta esquerda que usa do físico e recompõe o meio como um totem difícil de ser superado, Cuadrado pela direita é o corredor que dribla e superam adversários usando disto enquanto Paulo precisa se adaptar a movimentação alta, média, baixa, compacta, espalhada ou não dos adversários fazendo movimentos diferentes jogo após jogo o que é difícil de fato. Esta adaptação que tem ocorrido bem e gradualmente, além de quem sabe obter a melhor da forma e desempenho enquanto os demais adversários tendem a estar em declínio nesse período da temporada pode ser o trunfo da tetra campeã italiana em busca do sonhado título europeu... Não basta querer, mas poder fazê-lo e tendo um ponto brilhante, como é A Joia Dybala permite que a Juve grite seu nome como combatente aos troféus desejados mais uma vez.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.