Header Ads

Lembranças, emoção e vitória Chapecoense

A noite da terça-feira (7) será inesquecível para o torcedor da Associação Chapecoense de Futebol, uma noite memorável, em que o mesmo clube que há tão pouco tempo brigava por um calendário cheio, e que hoje estreava pela Taça Libertadores da América.

Juan Barreto/AFP
Jogando na Venezuela, o Verdão mostrou superioridade, levando no peito o brasão de Campeão da Copa Sul-Americana, e acompanhado de 71 estrelas espalhadas pelo céu, uma noite de lembranças, lindas defesas de Arthur Maia, como Danilo fez, as jogadas em velocidade de Tiaguinho, nos pés de Niltinho, os belos cruzamentos de Dener, representado hoje em uma noite mágica do lateral Reinaldo, a Chapecoense garantia sua primeira vitória na maior competição da América, com gols de Reinaldo e Luiz Antônio, com placar de 2x1.

Com desfalques de Rossi e Amaral, Vagner Mancini parece ter aprovado a atuação do volante Moisés Ribeiro, que voltou a jogar após grave contusão no joelho, jogando com três volantes e três atacantes, a Chapecoense impôs o ritmo da partida.

Aos 16 minutos um lance polêmico revoltou a torcida Chapecoense, Niltinho disparou em velocidade, mas ao finalizar foi derrubado dentro da área de Vega, o árbitro Equatoriano mandou o jogo seguir. Ai começava a inspiração do Verdão, que só não abriu o placar aos 18 minutos, porque o goleiro da equipe Venezuelana fez um milagre na cabeçada de Girotto. Só dava Chapecoense, foi assim que aos 32 minutos, Reinaldo cobrou falta sem ângulo, e mesmo assim jogou a bola no fundo das redes de Vega, marcando o primeiro gol do Verdão na competição.

Sem alterações na segunda etapa, quem precisava do resultado eram os donos da casa, e foi assim que iniciou a parte final da partida, com os Venezuelanos por muito pouco não empatando o placar aos 4 minutos, em chute de Orozco, que passou por cima do travessão de Arthur Moraes.

Quando parecia que o Zúlia iria pressionar e empatar a partida, aos 23 minutos coube a Luiz Antônio, recebendo de João Pedro, chutar de fora da área, sem chances para Vega, ampliando o placar para a Chapecoense.

A torcida em Chapecó vivia momentos inesquecíveis, em sua estreia de Libertadores, em um ano de reconstrução total do clube, uma vitória jogando na Venezuela. Mas como todos sabem, nada na Chapecoense é conquistado sem sofrimento, aos 32 minutos, depois do cabeceio de Zambrano, Arango desviou e diminuiu o placar.

O gol enlouqueceu a torcida que lotou o Estádio Pachencho, viu aos 40 minutos, a Chapecoense por pouco não liquidou a fatura, depois de bela jogada de Reinaldo, a bola sobrou para Apodi chutar de primeira, a bola explodiu no travessão de Vega.

A resposta dos Venezuelanos veio três minutos depois, Arango acertou belo chute de fora da área, quase marcando um golaço, se não fosse Arthur Moraes fazer linda defesa e espalmar em escanteio. Restavam poucos minutos, até que o apito final fez tanto jogadores e torcida em Chapecó, fazer uma linda festa, relembrando momentos mágicos vividos nos últimos anos.

Agora a equipe troca a chave, voltando totalmente à cabeça na disputa do returno Catarinense, quando enfrenta o Inter de Lages, no Estádio Tio Vita, no próximo sábado (11). O próximo compromisso na Libertadores já é na próxima quinta-feira (16), quando recebe na Arena Condá, o Lanús, às 19h30min.

Como é rica a história da Chapecoense, o espírito de Condá está presente, e mostramos que nada foi em vão, o Verdão honrou 71 vidas, e voltou honrar o Estado Catarinense e o Brasil.

Marcelo Weber || @acfmarcelo 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.