Header Ads

Uma supremacia intransponível: Hala Madrid e rumo a Cardiff

Para os amantes do futebol, a aquisição do título deste texto pode soar redundante — mas por quê? Bom, supremacia já é uma palavra que designa algo de total superioridade, algo incontestável, hegemônico e outros adjetivos do cônjuge. Sendo mais direto: Algo bem difícil de superar.

Intransponível é algo invencível, insuperável. Utilizei os dois termos para definir o Real Madrid da atual temporada, que num âmbito geral, é a melhor equipe do mundo. Pode parecer exagero, mas um time que marca pelo menos um gol há mais de 60 jogos consecutivos, está em mais uma final de Champions League (a 15° de sua história), briga veementemente pelo título do Campeonato Espanhol e é o grande candidato ao título, me desculpem, mas esse time dispensa argumentações.

Reeditando a final da Champions League da temporada 1997/1998, o Real Madrid mais uma vez terá como adversário a "Velha Senhora". Naquela ocasião, fomos campeões e havíamos conquistado a 7ª taça da Uefa Champions League - com gol do saudoso e grande ídolo do futebol do Leste Europeu, também ídolo na equipe merengue, Predrag Mijatović. 

(Foto: Facebook/ Real Madrid C.F.)
Eu poderia, por exemplo, citar as atuações contra o Bayern de Munique, contra o Atlético de Madrid ou contra a Napoli. Mas aquele que vos concebe esse texto será bem mais direto com as pretensões da equipe merengue.

Fomos diversas vezes subestimados por demonstrar um futebol apático em meados do começo do ano de 2017. Mas aí você me pergunta: "Como uma equipe que emplacou aquela sequência de vitórias e jogos sem perder apresentava um futebol ruim?".

Bom, simples. Ao torcedor merengue que acompanhou todos (ou quase) jogos do Real Madrid na temporada, entrará em um consenso comigo. A equipe merengue passou a destoar dos rivais de maneira com que demonstrasse uma notória superioridade, quando foi eliminado da Copa do Rei. Após perder para o Sevilla por 2-1 no Ramón Sánchez Pizjuán e cair por terra a longa invencibilidade que havia construído, a equipe posteriormente viria a ser eliminada da Copa do Rei, para o Celta de Vigo. Ali já começou o sentimento de declínio na temporada. Um eventual fracasso na La Liga e na UCL já eram estimados.

O Real Madrid é gigante demais, meus amigos. Não se deixou abater pelas falácias alheias, eliminou a fortíssima equipe da Napoli na Champions League e conseguiu manter o bom rendimento no decorrer da temporada. Hoje, é indiscutível a ascensão da equipe no quesito "bola jogada". Engrenou e muito mais forte. Com uma ótima equipe, um elenco recheado de boas opções e com reposição em cada flanco do campo, a equipe destoou dos rivais no campeonato nacional e veio a imperar na Europa eliminando equipes colossais como: Bayern de Munique e Atlético de Madrid.

(Foto: Facebook/ Real Madrid C.F.)
No dia 03 de junho disputaremos mais uma final de Champions League em nossa história. A Juventus, nosso adversário na final, sobrou nesta edição da UCL e também sobra constantemente na Série A Tim (ou Calcio, como preferir). Seus pontos fortes que valem ser ressaltados são: O esquadrão montado por Massimiliano Allegri na zaga, formado por Chiellini, Barzagli e Bonucci, a boa distribuição tática em campo, um jogador incisivo e agudo como o Dybala, que pode ser perigoso e fatal na partida, e por aí vai. Irei poupar elogios e dispensar reverências. Encaminhando para sua segunda final de Champions League, o técnico italiano vem fazendo um ótimo trabalho, e, além de ter uma defesa sólida e compacta (a melhor da competição), consegue também ser impecável ofensivamente.

Voltando para o intuito do texto, exaltar o Real Madrid e toda sua ascensão na temporada (não só como na temporada, como desde sempre foi regente na Europa). Dentre as boas notícias, vêm as más: A nossa equipe pode não contar com Daniel Carvajal na final, pela lesão sofrida contra o Atlético de Madrid, no Santiago Bernabéu. Além disso, se despedirá do meia colombiano James Rodríguez (que provavelmente irá se transferir para o Manchester United) e também o zagueiro, ídolo, capitão e um dos melhores zagueiros da última Eurocopa, Pepe (que tem como provável destino a Internazionale).

Encerro este texto feito numa tarde de terça-feira (16), de um torcedor merengue apaixonado, confiante em sua equipe e almejando o sonhado doblete, que não conquistamos desde o final da década de 50. A próxima partida da equipe merengue é amanhã (17/05), contra o Celta de Vigo, válido pelo Campeonato Espanhol. Jogo que havia sido adiado e será reposto nesta quarta-feira.

#HalaMadrid
#HastaElFinal

Por: Kayo Henrique | | Twitter: @Heenrique010

Um comentário:

Tecnologia do Blogger.