Header Ads

Vila Nova 2017: Um ano de aprendizados

Chegou ao fim mais uma temporada de altos é baixos para o Vila Nova. O clube com nova direção vinha para um ano com grandes definições e mudanças. O principal objetivo era brigar por título no Campeonato Goiano é um possível acesso no Brasileirão.

A campanha surpreendente do elenco dado a Mazola Júnior. A volta do clube a Copa do Brasil após 10 anos fora da competição, a queda para o Vasco no Serra Dourada. A vinda de Hemerson Maria e o planejamento para a Série B. O fraco desempenho da equipe na reta final do Brasileirão, o ataque inexistente é os vários erros em contratações durante todo o ano. Confira como foi o Vila Nova de 2017.

Campeonato Goiano: A campanha do elenco de Mazola Júnior 

(Foto: Reproduçao / Vila Nova FC).
O Tigrão teve um início de ano bem tranquilo, vindo de uma acessão à equipe foi reformulada em silêncio. Reforços foram chegando e algumas renovações foram feitas. De início no Campeonato Goiano parecia que seria o ano para o Tigrão. Líder isolado do seu grupo com a melhor equipe do campeonato até então. Mas, o time no segundo turno caiu muito de produção, com uma equipe bem limitada o técnico Mazola Júnior teve que tirar leite de pedra para colocar o colorado na briga novamente. E mesmo indo mal no segundo turno correu atrás do prejuízo para chegar às finais do estadual.

A equipe foi facilmente goleada pelo Goianésia é nas últimas rodadas do Goianão teve que suar bastante para voltar a briga. Foram três jogos diante do Aparecidense, dois deles nas semifinais. Vencendo o primeiro em Goiânia com certa tranquilidade. Mas, o segundo teve muita dor de cabeça é por bem pouco o Camaleão não levou essa vaga. Elisson foi o nome do jogo, defendeu pênalti que deu a vaga para o Tigre.

De volta à disputa por título do Campeonato Goiano o Tigrão teve pela frente o rival Goiás, mesmo adversário da sua última final onde o Tigre se consagrou campeão. Na primeira partida com diversas falhas é um apagão colorado o Vila Nova foi “atropelado” pelo rival, com gol contra o zagueiro Alemão abriu a porteira, foi um doloroso 3x0.

O título já tinha sido decido ali. Mazola Júnior sempre batia na mesma tecla pedindo algumas peças de reposição não foi ouvido pela diretoria e isso pesou na reta final de campeonato. O elenco mesmo limitado fez uma campanha bem acima do esperado, a força de vontade de muitos foi o que colocou o Vila Nova na disputa da final de estadual após 12 anos. Mesmo cometendo tantos erros Mazola Junior foi o principal responsável por essa campanha colorada. Com o vice-campeonato o Vila garantiu também sua vaga na Copa do Brasil de 2018.

A frente do Vila Nova em 20 partidas, Mazola Júnior foi vice-campeão goiano onde teve um aproveitamento de 45%. Foram sete vitórias, seis empates e sete derrotas. 

Copa do Brasil: A vergonhosa eliminação no Serra Dourada 

Com uma 'forcinha' do zagueiro colorado, Vasco ficou com a vaga na próxima fase da Copa do Brasil. (Foto: Globo Esporte).
Foram 10 anos sem disputar uma Copa do Brasil. O clube nos últimos anos não chegou às finais do estadual, isso o impediu que disputasse a competição. Classificado pelo ranking da CBF o Tigrão teve pela frente o Fast-AM, fora de casa. Com o empate o Tigre se classificou para a segunda fase. No jogo da segunda fase em Goiânia é diante do Vasco da Gama, o colorado foi eliminado. A partida estava equilibrada, o placar 1x1. Nos minutos finais após uma falha da zaga colorada o Vasco marcou seu segundo gol é ficou com a vaga na terceira fase.

De cara nova: A chegada de Hemerson Maria

(Foto: Reproduçao / Vila Nova FC).
Hemerson Maria chegou após o fim do Campeonato Goiano. Surpreendeu a todos, apesar da boa campanha de Mazola Júnior, a diretoria colorada achou melhor trocar de treinador antes mesmo do Brasileiro começar. O nome de Hemerson Maria chegou a especulado no início do ano antes mesmo de fechar com qualquer outro nome, mas a negociação não se concretizou. Campeão Brasileiro da Série B em 2014, Hemerson tinha muito que ensinar ao elenco o treinador também bateu na trave é por bem pouco não teve o acesso em mãos assim como o Vila Nova em 2008.

O técnico trouxe de volta não só o ânimo do elenco dentro de campo, mas também um respeito fora dele. O nome do novo treinador agradou boa parte da torcida, de cara nas primeiras rodadas deu um novo estilo de jogo a equipe, bem diferente ao de Mazola Júnior. Com tão pouco, Hemerson Maria foi levando a equipe até o G-4 e por lá permaneceu por 22 rodadas. E mesmo sem um final feliz na competição, Hemerson Maria teve seu contrato renovado com o Tigrão até o fim de 2018.

Campeonato Brasileiro da Série B: A campanha surpreendentemente do Tigre na competição

(Foto: Reproduçao / Vila Nova FC).
Sempre pregando cautela na busca por reforços a diretoria trouxe reforços pontuais. Não foi tudo como o torcedor esperava, sem um ataque ‘matador’ o Vila Nova apostou todas as suas fichas no meia recém-contratado Alan Mineiro. Mas, de nada adiantava ter um meia decisivo é não ter um ataque que decidia jogo. Em vários jogos do Tigre na Série B, esse atacante fez falta. E mesmo com tantas dificuldades a equipe tinha um líder na beira do campo. Hemerson Maria tirou leite de pedra, fez da sua equipe um grupo vencedor é por 22 oportunidades o Tigre se assegurou no G-4 da Série B. Equipe que mais permaneceu no grupo de acesso, mas como toda equipe erra o Vila também errou. Errou no momento que não se deveria, a falta de peças de reposição pesou. No primeiro turno o Vila parecia o mesmo da primeira fase do Goianão, lutou com todas as forças.

No primeiro turno em especial três partidas deixou o torcedor do Vila com os olhos brilhando: Goiás, América é Internacional. Apesar da bela vitória em cima do maior rival é de sua melhor partida até então, tudo foi manchado por uma vergonhosa briga nas arquibancadas. Isso causou ao Vila é ao rival uma pesada punição: Portões fechados. Pesou no bolso é no campo. A punição parecia ter sido levada para dentro dos gramados, o Vila Nova teve um apagão.

A equipe caiu muito de rendimento e com isso consequentemente a vaga no G-4. Dai em diante a equipe não rendeu mais como o esperado. Sem as peças certas para a reposição, o treinador colorado teve que se desdobrar para pode terminar o campeonato. Vila que por bem pouco não teve o acesso em mãos, terminou a Série B em 7º lugar com 58 pontos, igualando a 2008 quando o Tigre também deixou escapar o acesso nas últimas rodadas. A lição que fica para o próximo ano e tentar errar menos é preciso qualidade e não quantidade.

Durante todo o ano, a diretoria do clube tentou contratações pontuais tentando não errar. Não foi bem assim, o atacante principalmente foi onde se concentrou boa parte do erro. O planejamento era bem simples, ir atrás de um atacante que pudesse ajudar a equipe. Vila contava com nomes como, Moises, Tiago Adan, Marcelinho, Jenison, Vinicius Leite, Wallyson, Sandes Neto, Lourency, Stefano Yuri, Ruan, Alípio, Mateus Anderson é Marcos Paulo. E apenas Alípio teve um destaque a parte. Os demais não tiveram nenhum destaque, alguns nem se quer jogaram está Série B.

Os nomes para 2018 e o planejamento


Para 2018 o planejamento da equipe já começa a tomar forma já antes mesmo do ano acabar. A equipe para o Campeonato Goiano deve contar com no máximo 28 atletas, alguns nomes como os atacantes Ramon ex-Brasil de Pelotas é Reis ex-Boa Esporte, do meia Sergio Mota ex-Luverdense é do zagueiro Diego Giaretta ex-Criciúma já foram confirmados pela diretoria. Diretoria ainda negocia com o goleiro Lucas Perri de 20 anos, atleta do São Paulo. Segundo o próprio jogador, a negociação está próxima de se concretizar. O Vila que perdeu quase todos seus destaques após o fim do Brasileirão, ao todo 25 atletas deixaram o clube. Dos destaques da equipe apenas o volante Geovane permaneceu no Tigrão.

Confira os números do Vila Nova durante o ano:

60 jogos - 23 vitórias
                  20 empates
                  17 derrotas

63 gols feitos – média de 1,05 gols por partida
57 gols sofridos – 0,95 gol por partida
Porcentagens
Marcou em 65% dos jogos
65% dos jogos sofreu gol
Máximo de 3 vitórias seguidas
8 jogos sem perder
Marcas negativas – Máximo de duas derrotas seguidas e seis jogos sem vencer

Marcas individuais
Artilheiros – Alan Mineiro
                     Alípio

Que em 2018 os erros de 2008 é de 2017 não se repita, que diretoria e jogadores aprenda a lição. O Vila Nova precisa pensar grande. Não foi como esperávamos, mas bater na trave pode ter fazer crescer. Que tenhamos um belo ano pela frente. Vila que segue

Uma coisa eu te peço, joga com raça e paixão. Honra essa camisa, meu poderoso Tigrão”.

#VamosTigrão
#SempreVila

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.