Header Ads

Boa derrota? Podemos dizer que sim

Entrar com três volantes lentos, com laterais que não marcam muito bem e uma defesa lenta já não era um bom sinal. E para piorar, a formação do São Paulo estava genial. Dorival percebeu que o CRB fecharia o meio, então sacou Nenê e Diego Souza, mesmo sendo dois grandes jogadores, mas a velocidade com eles seria nula.
Então Dorival colocou Valdívia, Marcos Guilherme e Brenner na linha ofensiva. O apoio dos meio-campistas e dos laterais ajudou bastante e os espaços abriram, e o resultado não foi bom, mas também não foi ruim.

Foto: Folhapress
Com três volantes em campo, era nítido que o jogo do São Paulo seria todo nas alas. Dito e feito, foi o tipo de jogo em que os laterais não conseguiam ser efetivos na marcação, não aguentariam a pressão, e os volantes não conseguiam deixar a saída de bola com qualidade, sempre errando passes ou dando chutão.
O CRB foi totalmente inofensivo no primeiro tempo, as únicas jogadas perigosas eram com Edson Ratinho, mas mesmo assim não eram tão efetivas. Tudo parecia bem, mas Feijão cometeu pênalti logo no início do jogo, mas Cueva perdeu a chance aos 6'.
Então o Tricolor explorou e conseguiu chegar pelos lados, e encontrou no lado esquerdo da defesa Alagoana uma brecha. Foi por lá que o São Paulo conseguiu começar a jogada do primeiro gol, em que Valdívia aproveitou rebote no meio da área aos 34', e no segundo gol em que Valdívia armou pelo meio e encontrou Militão passando ao lado de Diego (que só olhou) para marcar na saída de João Carlos aos 40'.

Segundo tempo

Com o cansaço dos jogadores de frente, Dorival colocou em campo dois jogadores que chegaram como reforços para titularidade. Nenê e Diego Souza. Era nítido que essa perda de velocidade beneficiaria o CRB.
Juliano e Juninho Potiguar entraram, Willians Fernandes e Willians Santana saíram, respectivamente. Isso fez com que o Galo melhorasse a qualidade do passe no meio e aproveitasse a perda de velocidade do São Paulo, que não tinha mais tanto apoio defensivo dos jogadores de frente.
Então Juninho Potiguar acelerou mais o jogo do Galo. Ratinho também foi bastante utilizado e foi o melhor em campo da equipe. Em um lance, após cruzamento de Edson Ratinho, o atacante Juninho Potiguar não fez o gol por pouco.
A derrota então ficou até boa, e cabe ao CRB saber ser efetivo no jogo da volta.

Dá pra passar?

A vantagem não é tão grande quanto parecia que seria, mas mesmo assim é uma vantagem perigosa por se tratar de uma equipe grande do outro lado. Tem que pressionar, não ir com três volantes novamente. Se o primeiro gol acontecer, o "fogo" tem que se manter para que a torcida "faça" o segundo gol.
Claudinei, Márcio Passos, Leílson, Rafael Bastos e Mazola podem estar disponíveis para o jogo da volta, que só irá acontecer daqui à 14 dias em Maceió.

Ficha técnica

João Carlos; Ayrton, Boaventura, Anderson Conceição e Diego; Feijão, Willians Fernandes (Juliano), Serginho e Edson Ratinho; Willians Santana (Juninho Potiguar) e Neto Baiano.
Treinador: Mazola Júnior

Próximo jogo

O Galo volta à campo no domingo (4) no Clássico das Multidões no Estádio Rei Pelé. O mando de campo pertence ao CRB, e Mazola poderá contar com a estreia dele mesmo (HAHAHAHAHAHA), quer dizer, o treinador Mazola Júnior terá a disposição o atacante Mazola.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.