Header Ads

Brilha a base rubro-negra

Pra ser sincero, tem muito tempo que o Flamengo não passa confiança como está passando agora. Na verdade, particularmente eu nem me lembro quando foi a última vez. Muito provavelmente na arrancada pro título da Copa do Brasil de 2013 depois de mandar o Cruzeiro para casa. Muitos podem dizer que "empolgou" ou então lembrar sarcasticamente do "deixou chegar" ou do "cheirinho", porém o que vemos hoje é um outro Flamengo, diferente até mesmo do Flamengo do início do ano, do Campeonato Carioca. Parece que geral resolveu jogar bola e brigar por pelo menos um título de expressão nessa temporada. É o mínimo que a Nação Rubro-Negra merece, há pelos menos dois anos. Até porque o time joga bem, tem um padrão de jogo, parou com as 764 bolas alçadas na área por jogo, agora toca muito bem a bola até achar a oportunidade de finalizar. Não seria absurdo dizer que o time mudou da água para o vinho. Flamengo emplacou a terceira vitória seguida no Brasileirão, a primeira fora de casa contra o até então líder Atlético Mineiro, em casa contra o equilibrado Bahia e ontem foi a vez do atual campeão Corinthians ser a vítima do Mais Querido.

Foto: André Mourão / Instagram (@andrellmourao)
O primeiro tempo foi de amplo domínio do time rubro-negro. Flamengo manteve altíssima posse de bola, tomou o controle e propôs o jogo desde o primeiro minuto naquela mesma lógica de que é identitário do Flamengo jogar pra frente e dominando a peleja. Corinthians se viu acuado durante boa parte da etapa inicial e não é exagero nenhum dizer que apenas assistiu o Flamengo jogar. O nome de Diego Alves só foi mencionado no jogo já perto do fim do primeiro tempo num chute de fora da área de Jadson que acabou se machucando em decorrência do arremate. Roger entrou em seu lugar e aí sim o alvinegro começou a entrar na partida, oferecendo algum perigo a meta do Mais Querido, porém a zaga e o arqueiro rubro-negro estavam muito seguros - como vem sendo seguros - e souberam lidar com as estocadas do Corinthians. É impressionante como a zaga do Flamengo, mesmo que desfalcada com os titulares, vem jogando extremamente bem. Rhodolfo é um zagueiro experiente e dá conta do recado, mas o que deixa mais feliz o amigo que vos escreve são as atuações de Léo Duarte, mais uma cria da Gávea jogando muito bem. Fica o questionamento sobre o porquê do Flamengo por tanto tempo não ter dado a chance para os jogadores da sua categoria de base que já mostraram diversas vezes sua identificação com o clube. Quem também começa a se identificar com o clube é Diego Alves e que vem tendo desempenho monstruoso na meta rubro-negra. Não podemos esquecer também de Renê, lateral esquerdo que no começo foi muito contestado mas que vem ganhando consistência, sendo muito seguro na defesa e apoiando bem no ataque.  

O segundo tempo não foi diferente. Grande domínio do rubro-negro da Gávea, sempre propondo o jogo contra um Corinthians que deixou bem claro que veio para empatar ou para tentar arrancar a vitória com uma bola no contra ataque. O tempo passava, Flamengo rodava a área do adversário, finalizava e nada do gol sair. Com certeza passou pela cabeça de muitos rubro-negros o cenário do jogo contra o Atlético Mineiro e que agora estávamos no lugar do time mineiro nessa briga entre ataque e defesa, com o time visitante esperando um vacilo pra o contra ataque mortal. Porém, Pedrinho, o único desafogo do Corinthians, foi substituído e a partir daí eles não tiveram mais a saída pro ataque, já que no meio campo o Flamengo foi soberano em toda a partida, com excelente partida de Jonas, Diego, Éverton Ribeiro e, principalmente, de Vinícius Jr e Lucas Paquetá. Dupla de jovens jogadores da base rubro-negra que vem jogando o fino da bola nesse brasileirão. A partir daí, o gol que parecia que sairia naturalmente, acabou dando as caras com a entrada de outra cria da base rubro-negra.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo
Primeiro vale se perguntar por que o Dourado não foi substituído antes? Aliás, a melhor pergunta a ser fazer é por que o Dourado foi contratado? No início já ficava um ar de contratação desnecessária, ainda pelo valor que foi investido, mas como foi contratado a torcida deveria abraçar o cara e incentivar. O começo da sua caminhada com o Manto Sagrado foi muito boa, marcando gols em jogos importantes até, porém não marca a ?? jogos e vê a pressão da arquibancada aumentar. Na verdade Henrique Dourado não é tão ruim quanto as pessoas imaginam e falam, o problema todo é que o estilo de jogo dele não combina com um time que roda a bola como o Flamengo. Ele não tem qualidade no pé pra fazer o pivô nesse time, e não sabe sair da área. O estopim para o fim da paciência da torcida e de Maurício Barbieri com Dourado foi num contra ataque em que tínhamos a vantagem de três contra dois e o centroavante passou a bola exatamente nos pés de Baubuena.

Felipe Vizeu entrou e bastou alguns minutos em campo pro Flamengo ganhar mais rotatividade no ataque. Mais alguns minutos e o gol saiu, dos pés da cria rubro-negra depois de ótima defesa de Walter num lindo chute de Paquetá. Onde estava Vizeu nesse meio tempo que foi negociado com a Udinese? Alguns meios de comunicação falavam de uma contusão, outros de que era uma divergência do Flamengo com os seus empresários. O importa é que ele entrou e decidiu, mas deixa uma ponta de tristeza e insatisfação já que depois da Copa do Mundo estará em rumo para Udine enquanto Dourado ficará no Flamengo, recebendo um salário absurdo pro que ele vem rendendo. Ou o ceifador volta a fazer gol, que foi o grande motivo pra que ele fosse contratado, ou a torcida mais imediatista do planeta terra vai começar a ficar sem paciência. Se já não está, né?

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo
O importante é que a vitória veio, são mais três pontos e liderança isolada na nona rodada do Brasileirão e com quatro pontos de vantagem para o segundo colocado. Mas não é somente uma simples vitória. Mais uma vez brilha a base rubro-negra, de jogadores criados no Flamengo com profunda identificação com o clube. Léo Duarte, Lucas Paquetá, Vinícius Jr e Felipe Vizeu. Mas no geral, o time todo vem jogando bem, independente do estilo de jogo imprimido, seja ele propondo o jogo ou reagindo. Flamengo tem o melhor ataque da competição e dentre os clubes da série A é o time que menos perdeu no ano, foram quatro derrotas sendo que apenas uma delas foi com o time titular, ainda no Campeonato Carioca para o Botafogo. Ainda podemos acrescentar que naquela ocasião o time não vinha jogando tão bem quanto agora. É difícil fazer gol no Flamengo e é difícil ganhar do Flamengo. Quer queiram os adversários ou não. O próximo confronto do Flamengo é também pelo Campeonato Brasileiro, na quinta feira contra o Fluminense no Mané Garrincha, em Brasília.

No mais, saudações rubro-negras!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.