Header Ads

Mais um baile no Maracanã

Já dizia o poeta, "Flamengo joga amanhã, eu vou pra lá. Vai haver mais um baile no Maracanã..." Claro que o Mais Querido já não conta com Zico, Adílio e Adão, porém o tão famigerado baile aconteceu, e aconteceu com a casa cheia. Uma festa tomou conta do Maracanã neste domingo. Flamengo mantém a maior média de público no Brasileirão e há de se perguntar: existe coisa mais bonita do que uma tarde ensolarada de domingo, com o Maracanã lotado e uma vitória acachapante do Mengão, fora o baile? Tenho minhas dúvidas. Flamengo mostrou força de um time que quer ser campeão brasileiro. O Rubro-Negro venceu o Sport por 4 a 1 e segue dando passos firmes em direção à disputa do título brasileiro de 2018.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Antes de falarmos dessa partida precisamos retornar a anterior, de quarta feira contra o Santos e nos perguntar como o líder do campeonato não conseguiu ganhar de um time quase indigente. Sinceramente não sei, até porque viemos outro Flamengo jogando nesse domingo contra o Sport e com essa vitória expressiva a forma do Flamengo vai voltando a se parecer com a do time pré Copa do Mundo. Falaremos disso no fim.

Mas sobre a partida em si, podemos começar com o show da torcida. Há quem diga que em jogos do Flamengo no Maracanã era necessário a cobrança de dois ingressos, já que temos dois espetáculos certos. O dos jogadores no campo e o da torcida na arquibancada. E não é nenhum exagero dizer que o Mais Querido joga com doze jogadores, sendo o décimo segundo a Nação Rubro-Negra, obviamente. Não é estranho também jogadores adversários, em suas estupefatas entrevistas concedidas a televisões e rádios, admitirem raivosamente, cheio de cóleras exaladas junto ao seu suor derramado em vão, de que a pressão vinda das bancadas do místico Mario Filho é uma coisa incomparável e que, de fato, a torcida joga junto com o time.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

E com o Maracanã inteiro ao seu favor, o Flamengo teve a iniciativa do jogo e abriu o placar com Réver após cobrança de falta de Diego. Poderia, e até que eu queria, rasgar elogios ao capitão do Flamengo nessa partida, contudo o beque vem falhando demais, principalmente nas bolas paradas. Novamente marcou a bola numa das jogadas do adversário e levamos mais um gol nas suas costas. Está na hora de pensar na sua titularidade já que, apesar do belo gol, a cada jogo que passa tem demonstrado que não está tendo futebol para ser titular. Rhodolfo é uma boa opção para jogar ao lado do jovem Léo Duarte, porém não consegue fazer uma sequência de jogos já que está constantemente no departamento médico. A dupla Léo Duarte e Matheus Thuller ainda é uma zaga de pouca experiência num setor que necessita dela, porém com tantas competições no ano, não vai faltar espaço ao Thuller que já demostrou personalidade pra daqui a um tempo assumir a titularidade da zaga Rubro-Negra. Então, no final do primeiro tempo o Sport empatava. 1 a 1.

Achou que o gol sofrido no fim da primeira etapa poderia baixar a vontade do Flamengo no segundo tempo? Achou errado, otário! O time Rubro-Negro voltou pro jogo ligado no 220 e logo no início aproveitou uma saída errada do Sport pra roubar a bola e, num cruzamento de Renê, a redonda sobra para Lucas Paquetá que a manda para o fundo do barbante recolocando o Flamengo na frente da peleja. Nesse ponto da partida o Sport começou a passar mal em campo e via como se um caminhão passasse por cima de si. Não deu tempo nem de assimilar o gol sofrido. Três minutos. Marlos Moreno arranca num contra ataque pelo meio e enxerga Éverton Ribeiro passando como um raio na direita. O lateral do adversário até que tentou cortar a bola num carrinho, mas o camisa 7 da Gávea num lance magistral o corta, o fazendo deslizar pelo relvado. E uma fração de segundo foi o tempo necessário para aquela olhada no goleiro um pouco adiantado e a batida consciente na gaveta, lá onde a coruja dorme. Flamengo 3 a 1 para o desespero do Sport. Daqui podemos mencionar que Marlos ontem fez sua estreia com a camisa do Flamengo. Sem medo nenhum posso afirmar que foi sua melhor partida desde que chegou ao Mais Querido, jogando como um ponta deve jogar, partindo pra cima do adversário, cortando pra dentro em velocidade e criando oportunidades pelos flancos. Dá até pra brincar que o colombiano ficou sabendo da contratação milionária que foi feita e que fatalmente seria titular na sua posição, então, resolveu jogar quase tudo que sabe!

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

A pressão era tanta que até o jogador mais experiente do adversário, que por sinal também era o mais experiente em campo, acabar falhando. Depois de ótima jogada, Éverton Ribeiro - melhor da partida e que vem demostrando o futebol que encantou e conquistou o brasil em 2013 e 2014 - tocou para outro colombiano, o centroavante Fernando Uribe, que chutou lascado mas felizmente aceito por Magrão. Flamengo 4 a 1. A bem da verdade, o time Rubro-Negro foi melhor em toda a partida, apenas descontando a falha da zaga no gol do Sport. O time pernambucano estava perdido praticamente na partida inteira, acuado com o futebol intenso que o Flamengo impôs. 

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

O Flamengo a cada rodada que passa dá sinais de ser um time muito bem treinado e a regularidade apresentada, apesar da troca de peças, ajuda a comprovar isso. Lucas Paquetá e Everton Ribeiro foram totalmente decisivos ao mudarem constantemente de posição na volta do intervalo e demonstraram sincronia que permitiu que cada um marcasse um gol sem deixar o setor defensivo exposto. A confiança na forma de jogar reflete também na eficiência com a bola nos pés. Segundo o GE, contra o Sport o Flamengo trocou 480 passes e errou apenas 13, quase 98% de acerto. Cuéllar, com 64 e Renê com 62 foram perfeitos, enquanto Paquetá errou apenas uma das 61 tentativas. Precisão que fez com que o Flamengo tivesse mais de 60% de posse após marcar o quarto gol, terminando com 57%. Além disso, também de acordo com o GE, as 21 finalizações - do agora melhor ataque da competição - apontam também para um time que não deixou de ser objetivo, apesar de Barbieri elogiar a paciência na busca por espaços. De quebra, o Flamengo, mesmo com maior posse, aplicou quatro contragolpes e ofereceu apenas um ao Sport.

O time Rubro-Negro está no caminho certo, apesar desse caminho ser repleto de grandes testes nesse agosto que se aproxima. Serão, precisamente, nove grandes e decisivos jogos no mês começando nessa quarta (01) contra o Grêmio, em Porto Alegre, pela primeira partida das quartas de final da Copa do Brasil, às 21h45 de Brasília.

No mais, saudações Rubro-Negras!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.