Header Ads

Um Flamengo mais lento que o normal

Depois de um tropeço em casa contra o São Paulo e uma vitória nada convincente sobre o Botafogo, o Mais Querido tentava buscar um resultado positivo na Vila Belmiro contra o Santos, que mantinha uma sequência bem irregular no campeonato até agora. Porém, esse feito só foi alcançado apenas duas vezes em partidas do Brasileirão. Em 2009, a vitória do Flamengo sobre o Santos na Vila foi o ponto de partida para a arrancada do título; e em 2011 no 5 a 4, um dos jogos mais emocionantes da história do Campeonato Brasileiro com show em campo de Neymar e Ronaldinho. E agora, se o Flamengo almejava quebrar mais uma vez esse tabu, novamente não conseguiu. Num jogo de muitas oportunidades e pouca eficiência, Santos e Flamengo não passaram de um empate em 1 a 1.

Foto: Staff Images / Flamengo

O início da partida prometia um jogão na noite de quarta feira. Logo nos primeiros minutos de jogo, o Flamengo abriu o placar depois de um gol contra de Bruno Henrique após escanteio cobrado por Diego. O camisa 10 da Gávea até que fez um bom jogo, mesmo com toda pressão vinda da arquibancada quando pegava na bola. No geral, o Flamengo iniciou a partida jogando muito mais do que o Santos. A "segunda linha" de quatro meias dominava o meio-campo. Paqueta e Diego por dentro e Éverton Ribeiro e Matheus Sávio pelos lados. O problema é que a "primeira linha" de quatro, com os defensores, não joga o mesmo futebol. Apesar do miolo da zaga jogar razoavelmente bem, as laterais do Flamengo ainda deixam a desejar. Parece que a diretoria não investe em reforços para essa posição. É simples, só reparar na qualidade que temos do meio para a frente e comparar com as peças defensivas.

As vezes parece que o Flamengo em vez de matar o jogo enquanto tem a vantagem, diminui o ritmo e chama o adversário para cima. Foi o que aconteceu, novamente. Depois de excelente jogada de Rodrygo, Gabriel somente teve o trabalho de empurrar a bola pro gol.

O time do Flamengo vinha tendo um desempenho muito interessante até a pausa para a Copa do Mundo. Três jogos depois do Mundial, corre sérios riscos de perder a ponta da tabela após uma vitória, um empate e uma derrota. Claro, já era de se esperar outro campeonato já que os times tiveram pouco mais de um mês para treinar e fazer os ajustes necessários e, além de ter perdido peças importantes no elenco como Felipe Vizeu e Vinícius Junior, o Mais Querido vem demostrando em campo quase uma involução de seu jogo e está um pouco diferente do que jogava 30 dias atrás. Nitidamente vemos um Flamengo mais lento do que o normal e que não está conseguindo fazer uma transição rápida da defesa para o ataque.

Foto: Staff Images / Flamengo

A lentidão para a saída de bola é a mesma para a movimentação dos atletas que empolgavam antes da Copa do Mundo, justamente pela troca de posições e agilidade. A ausência de Vinícius Junior tirou um pouco do salseiro pelo lado esquerdo, mas longe de ser uma desculpa para um time recheado de jogadores com qualidade. A chegada de Vitinho será importante já que é um jogador rápido, habilidoso e com poder de finalização, e deve chegar para agregar bastante, principalmente se sua adaptação a nova equipe for rápida. Contudo, o meio campo e principalmente as laterais, como disse, precisam melhorar.

Outro problema que o Flamengo apresentou foi a queda de rendimento de Lucas Paquetá. Se Cuéllar sustenta sozinho na marcação, ele precisa da ajuda na saída de bola. Paquetá não vem conseguindo auxiliá-lo e tem saído esgotado das partidas. Isso acaba forçando ainda mais Diego a recuar para procurar a pelota. Isso foi um problema há muito tempo com o Flamengo, ainda nos tempos de Zé Ricardo e Reinaldo Rueda, em que o camisa 10 tinha que recuar muito para buscar o jogo e acabava tendo um desempenho pífio já que joga melhor colado nos atacantes e dando ritmo ao jogo. Assim está acontecendo novamente, quando recua, Diego perde a boa presença no ataque e Éverton Ribeiro fica praticamente isolado.

São problemas que Barbieri vai precisar corrigir para os próximos jogos, sem um jogador mais agudo nas pontas, já que tanto Matheus Sávio quanto Éverton Ribeiro procuram o meio campo, os laterias precisam aparecer na linha de fundo, no entanto, nem Renê nem Rodinei voltaram bem depois da Copa do Mundo. Vai substituir por quem? O próximo confronto do Flamengo é contra o Sport no domingo (29) no Maracanã. A promessa é de casa cheia e ao lado da torcida o time precisa além da vitória, garantir uma boa atuação para recuperar a confiança já que a partir da semana que vem o Rubro-Negro terá jogos de vida ou morte nos mata-matas de Copa do Brasil e Libertadores.

No mais, saudações Rubro-Negras! 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.